4 anos do golpe que nos trouxe até aqui: “não ao desastre, mas à tragédia”, define Dilma

por Sulamita Esteliam

O 31 de agosto me pegou pendurada na brocha da internet, que nesses tempos de pandemia tem ficado pior do que sempre. Nem adianta mudar de provedor, é tudo ruim. A gente paga por um serviço que não recebe, ao menos na medida que se promete e que se paga.

Bom, a segunda foi pesada, e priorizei a blogagem coletiva, indispensável, contra a censura à 11 reportagens do Jornal GGN, editado pelo colega Luis Nassif. Porque não se pode compactuar com a censura, com o arbítrio.

E os colegas do PIG estão viciados única e exclusivamente no próprio umbigo. Nem uma linha sobre nos veículos da dita grande imprensa. Quando é como algum deles, jornalistas da mídia venal, vira um deus nos acuda.

Da mesma forma, não se pode ser cúmplice da perda de memória dos malfeitos da casa-grande, via gerdames de plantão, dentre os quais se inclui a direita política, boa parte do Judiciário e a velha mídia e a quem ela serve, com a cumplicidade de colegas, que se eximem da culpa porque não controlam o capital.

Este 31 de agosto mostra o que quatro anos de golpe parlamentar-jurídico-midiático fez com o Brasil,  que vive em estado permanente de demolição.

A presidenta Dilma Rousseff, em live promovida pelo Comitê Nacional Volta Dilma, resume:

“Numa imaginei que minhas palavras naquele discurso fossem tão precisas. Eu esperava um desastre, mas o que aconteceu foi uma tragédia.”

Dilma Rousseff, entretanto, com a firmeza e a resiliência que lhe é própria, diz que o registro do golpe não precisa ecoar tristeza, não deve ser um muro de lamentações. É para frente que se anda. Assista ao vídeo do Gabinete da Verdade, com Malu Aires e a presidenta:

Comentei na postagem da charge do PXeira no Instagram/A Tal Mineira – @sulaesteliam, no fim da noite de ontem, a lembrança do discurso de despedida da presidenta Dilma, empichada numa farsa e fraude histórica:

“O golpe é contra o povo trabalhador.” Dilma Vana Rousseff, presidenta do Brasil @dilmarousseff . Não sobrou pedra sobre pedra, como ela também previu, antes que a derrubassem para desmantelar o Brasil, num golpe continuado, e botar o povo como resíduo da demolição. O que fizeram com esta mulher – honrada, determinada, competente, firme e resiliente, para além da fraude legalizada, foi imoral, uma vergonha, uma canalhice sem tamanho, machista e misógina.”

Importante repetir o discurso, para que não restem dúvidas sobre onde todo esse horror começou e o quanto tudo era previsível e evitável:

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s