Franklin Martins no Tutameia: o Brasil que emerge das eleições municipais e em meio à crise política, econômica e social

por Sulamita Esteliam

Vou de carona nesta quinta-feira, antes que me torne abóbora. A dona Maria incorporou legal nesta quinta-feira, e não tenho mais energia para escrever. Sorte sua, porque o humor continua macambúzio, apesar da faxina.

Franklin Martins, jornalista, ex-apresentador da TV Globo, que se tornou ministro da Secretária de Comunicação Social do governo Lula, concedeu entrevista ao Tutameia. O sítio de jornalistamo alternativo é comandado pela dupla Eleonora e Rodolfo Lucena.

É sempre interessante ouvi-lo, mas Franklin andava sumido. Na entrevista, ele analisa o Brasil pós-eleições municipais, a partir de São Paulo, com a grande novidade política que emerge do 1º turno: Boulos-Erundina e a frente de esquerda que se forma a partir do resultado das urnas.

“Vamos assistir nos próximos meses a um fortalecimento da ideia de unidade. Até onde isso vai chegar, eu não sei. Existe no PT, no Psol, no PCdoB e fora dos partidos, nos movimentos sociais, sindicais. Existe a ideia de que a unidade é possível.”

“O eleitor construiu uma frente e deu um recado muito forte para os líderes políticos. Apareceram atores novos, lideranças políticas novas e que não estão querendo agredir o PT para crescerem. Estão querendo trabalhar junto, com a sua identidade, com sua capacidade, com a sua história”

Com clareza que lhe é própria, também examina o Brasil da pandemia, que está longe de acabar, seus reflexos politicos e o agravamento da crise econômica e social, que atinge sobretudo, os pobres, os negros e as mulheres.

“Para defender os pobres, tem que defender os negros. Isso é essencial. A nossa elite não entende o Brasil. A nossa esquerda tem que entender o Brasil. Entender o Brasil é: não basta não ser racista; temos que ser antirracistas. Não basta ser a favor da igualdade das mulheres; temos que combater tudo aquilo que é ataque aos direitos das mulheres.”

“A esquerda é renovação, progresso, direitos humanos, igualdade. A direita não convive com a igualdade, ela acha que pobre é pobre porque merece ser pobre. A esquerda acha que pobre é pobre porque não tem oportunidade. Não é só uma disputazinha eleitoral. É uma disputa sobre que país que nós queremos ser”.”

Clique para ler a íntegra na origem.

Eis o vídeo com a entrevista:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s