‘Superimpeachment’ traz Prevaricação, e corrupção, e mais duas dezenas de crimes de responsabilidade para apear o genocida

por Sulamita Esteliam

São ao menos 20 as acusações de crimes de responsabilidades que o capiroto-presidente cometeu ao longo do seu desgoverno: vão de genocídio e atentado à saúde pública à prevaricação e corrupção, passando por ameaças ao Supremo e apologia à tortura.

A conta é da oposição, que  os reuniu no que deve ser o centésimo vigésimo segundo pedido de impedimento dele a ser protocolado nesta quarta na Câmara dos Deputados. A informação é da Revista Fórum, a partir de declarações de Rogério Correia, deputado pelo PT de Minas, que integra as articulações.

O que a oposição chama de “superimpeachment” condensa todos os crimes de responsabilidade apontados na centena e mais vinte requerimentos que dormitam nas gavetas do presidente da da Casa.  E inclui a maracutaia para compra das vacinas Covaxin e CanSino.

Aliás, nesta terça, o governo passou recibo e anunciou, via ministro da Saúde, Eduardo Queiroga, a desistência do contrato mal-cheiroso, segundo disse, por recomendação da AGU – Advocacia Geral da União: “em nome da compliance”, nomezinho chic para arrumadinho cheirando a podre.

Enquanto isso, na noite desta terça, a Folha de São Paulo faz explodir mais uma bomba no colo do desgoverno: a denúncia de um representante de empresa que vende vacina, de que agente do desgoverno pediu US$ de propina por cada dose de Oxford/Astrazeneca.

Na transcrição da Fórum (link ao pé da postagem):

“A denúncia foi feita ao jornal por Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati Medical Supply. Segundo ele, a proposta de propina foi feita pelo diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, que foi indicado ao cargo pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Barros, inclusive, é apontado como envolvido diretamente na negociata com indícios de corrupção na compra da Covaxin, vacina indiana contra a Covid-19. O jantar teria acontecido no dia 25 de fevereiro em um restaurante de um shopping de Brasília.”

Empura que ele cai!

De volta ao superpedido de impeachment é um trabalho de fôlego, que facilita a tarefa do futuro relator. Isso se o pedido for acatado pelo presidente Arthur Lira, que é quem tem o poder de botar a roda para girar. E que só o fará segundo a própria conveniência e do seu grupo, o Centrão.

A Associação dos Juristas pela Democracia encabeça o requerimento, assinado por parlamentares da oposição, entidades da sociedade civil e pessoas de renome. virtualmente, nesta quarta, na Câmara dos Deputados.

Do ponto de vista jurídico, o que não falta é combustível para fazer o processo andar.

Todavia, a perguntinha incômoda, que não quer calar é: será que agora vai?

O escândalo das vacinas tem mais poder de sensibilizar os deputados e desmanchar a sustentação política que o genocídio de 516.019 pessoas, nesta data, não conseguiu?

Qual o papel das ruas na aceleração desse processo? Em que medida os protestos populares contribuem para mudar o cenário?

Há três atos de mobilização na agenda dos movimentos: em Brasília, dia 30, na entrega, ainda que virtual do superimpeachment e os atos nacionais de julho: dias 03 e 24. É torcer para que a pressão cresça e dê o empuxo fundamental ao livramento do Brasil.

Os analistas políticos estão céticos. Rafael Cortez, da Tendência Consultoria, por exemplo, ouvido em reportagem publicada pela UOL, põe o dedo no ponto nevrálgico:

“A questão central é em que momento a manutenção do atual governo deixa de ser funcional para essa maioria legislativa (o Centrão).”

Ou seja: a vontade política é regida pelos interesses cartoriais de quem vota a matéria. Até agora, o desgoverno tem dado as cartas, e elas estão marcadas.

*******

Fontes requisitadas:

Revista Fórum

Superpedido de impeachment contra Bolsonaro inclui prevaricação e corrupção

Bomba: Governo Bolsonaro teria pedido US$1 de propina por vacina, acusa vendedor

Escândalo das vacinas cresce com CanSino e Bolsonaro já admite corrupção em seu governo

Notícias UOL

O que é ‘superimpeachment’, nova aposta da oposição contra Bolsonaro

Carta Capital

Advogado de Barros atuou na negociação de compra da vacina CanSino

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s