‘Teje preso!’ A CPI do Fim do Mundo bota fogo no puleiro do desgoverno em demolição

por Sulamita Esteliam

Roberto Dias, ex-diretor de Lojística do Ministério da Saúde, entra para a história das CPIs como o terceiro convocado a ser enquadrado com o “teje preso!”  Nem é preciso dizer que o episódio finalizado com o “pode levar” e encerrar a sessão, levou as redes sociais ao delírio no início da noite.

O “otário” levou a “marreta” à cabeça – na expressão do próprio presidente da CPI do Genocídio, Omar Aziz (PSD-AM), chapéu que lhe cobre a cabeça. 

E a Gabriela Biló, fotojornalista a serviço do Estadão capturou o exato instante da marretada. Euzinha bem que gostaria de abrir a postagem com a foto, mas não posso bancar direito autoral, então, incorporo do Twitter,e agrevo o comentário que lá deixei. Fala!

Antes dele, dois servidores públicos sazonais foram presos em flagrante em CPIs diversas: o ex-presidente do Banco Central, Chico Lopes, na CPI dos Bancos, em 1999, no mesmo Senado,  e o ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta, na CPI do Banestado, em 2004.

O primeiro por obstrução à Justiça e por desacato à autoridade, e o segundo por neste motivo, unicamente. Lopes foi levado direto para a Polícia Federal de Brasília. Passaram-se algumas horas até que os advogados pagaram fiança de R$300, e foi liberado.

Então, quem primeiro usou a expressão “teje preso!” foi a então senadora Heloísa Hele (PT-AL), quando o presidente do BC se recusou a assinar o termo de compromisso como testemunha. O então presidente da CPI, Bello Parga (PFL-AM) acatou a sugestão.

Portanto, erra quem diz que  o senador Omar Aziz, presidente da Comissão peca por autoritarismo quando decretou a prisão por perjúrio, e determinou à Polícia Legislativa: “Pode levar!”

Ele até pode ser criticado, mas unicamente por demorar a tomar a atitude completamente coberta pelo regimento de CPIs: a testemunha jura dizer a verdade e , se mentir, pode ter prisão em flagrante decretada pela maior autoridade da comissão, que é seu presidente.

E Roberto Dias foi pego com a boca na mentira, mais de uma vez durante as sete horas que duraram seu testemunho. A começar pelo fato de insistir em dizer que foi casual o encontro dele e do coronel Marcelo Branco, ex-diretor de Logística na gestão Pazuello no Ministério da Saúde, com o cabo da PM-MG, Luiz Paulo Dominghetti num restaurante do Shopping.

Um áudio do denunciante, que teve seu celular apreendido enquanto depunha, semana passada, prova exatamente o contrário, dois dias antes de reunião para tratar do assunto na sede do Ministério.

O depoente foi avisado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) de que as informações disponíveis contrariavam o que ele dizia, em vão.

“Quem vai assinar é o Dias. Quinta tem uma reunião pra finalizar com o ministério. Nós estamos tentando tirar do OPAS [Organização Panamericana da Saúde] para ir para o Dias direto. Essa conversa que eu estou tendo contigo é em off. O Dias vai ligar para o Cristiano [CEO da Davati no Brasil] e conversar com o Herman [Cardenas, CEO da Davati] ainda hoje (…). Já cientificando a turma que a vacina está à disposição do Brasil. Se o pagamento for via AstraZeneca, melhor ainda”.

No depoimento da semana passada, o policial afirmou que nesse jantar, Dias teria pedido propina de US$ 1 por dose do lote, pouco crível, de 400 milhões de doses de vacina Aztrazeneca por ele ofertados. 

Dominghetti foi convocado à CPI depois da denúncia em entrevista publicada pelo jornal Folha de São Paulo. Ele se diz representante da empresa Davalti Medical Supply, com sede nos Estados Unidos.

A Dalvati diz que ele é vendedor autônomo, mas admite que serviu como intermediário da negociação da empresa com o governo, apresentando Roberto Dias.

O laboratório que produz a AstraZeneca afirma que não tem intermediários no Brasil, que só faz acordos para fornecimento de vacinas com governos e organizações multilaterais, nunca para o setor privado ou outros níveis de governos.

Osmar Azis foi questionado pela bancada governista na CPI e também pela oposição e pelos chamados independentes, por não ter dado ordem de prisão a outros mentirosos que testemunharam na comissão.

Como o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, o ex-secretário de Comunicação, Fábio Wajngarte, por exemplo.

O presidente lembrou que os pinóquios do laranjal estavam armados de habbeas corpus que não os obrigavam a responder às perguntas. E foi taxativo:

— Não aceito que a CPI vire chacota. Nós temos 527 mil mortos e os caras brincando de negociar vacina! Ele está preso por mentir, por perjúrio, e que a advogada me processe, mas ele vai estar detido agora pelo Brasil. 

E doravante, garante, é assim que vai ser: mentiu, “teje preso!”

Demorou!

Mas é evidente que há muito mais caroço nesse angu e, claramente, a CPI já os identificou o propinoduto, que vai além dessa e de outras compras frustradas, como a Covaxin, via Precisa/Biotech, “laranja da Global”, nas palavras de Humberto Costa (PT-PE).

Uma verdadeira briga de foice entre dois grupos de influência, digamos assim, na Saúde: o político, ligado ao ex-ministro de Temer e atual líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), que teria indicado Dias, e o militar, da horda de Pazuello.

Aliás, disputa sugerida pela senadora Simone Tebet (MDB-MS), que pediu acareação entre Dias e o coronel Elcio Franco, ex-diretor-Executivo do Ministério da Saúde, homem da confiança de Pazuello.

Ele teria exonerado auxiliares do ex-diretor de Logística, trocando-os por militares, e também teria pedido a cabeça de Dias, teoricamente por irregularidades na compra de testes de Covid:

– O contrato da Covaxin está eivado de irregularidades, e a corrupção na compra da vacina já está comprovada. Está claro que houve uma disputa entre os núcleos político e militar em torno do propinoduto. Os militares queriam tomar conta do galinheiro.

A esse respeito, vale muito ler os comentários do colega Fernando Brito, no Tijolaço, que linco ao pé da postagem.

Omar Azis, que definitivamente estava com a mulesta nesta quarta-feira, se recusou a trocar acareação pela prisão em flagrante:

“Não vou fazer acareação entre dois mentirosos. Ele (Roberto Dias) está preso, pode levar! E a sessão está encerrada”.

*******

Fontes requisitadas para além das redes sociais:

Agência Senado

Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, recebe voz de prisão na CPI da Pandemia

Tijolaço

O dia na CPI: ‘Chaoéu de otário é marreta’

DCM

Ex-presidente do Banco Central e ex-prefeito de São Paulo foram presos em CPIs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s