Tucanadas a rodo: Amaury sustenta que não quebrou sigilo algum

por Sulamita Esteliam


O jornalista Amaury Ribeiro Jr., hoje na TV Record, depôs na Polícia Federal, em São Paulo, sobre a Operação Caribe, de lavagem de dinheiro, nesta segunda, 13. Disse o que já declarou, reiteradamente, para a imprensa: não violou sigilo fiscal nenhum para escrever o livro “Os Porões da Privataria” – clique aqui para um aperitivo, oferecido pelo Conversa Afiada.

Os documentos sobre a filha do Zé são públicos, encontráveis na Junta Comercial de São Paulo e outros organismos nacionais e estadunidenses, inclusive processos de sonegação fiscal. Ele divulgou “Nota de Esclarecimento” que é um sumário do que disse à PF, publicado no mesmo blogue do Paulo Henrique Amorim, também da Record. ´

Ex-repórter do jornal Estado de Minas, Amaury iniciou a investigação a pedido de seus patrões. Há quem vincule a incumbência à cobertura dos interesses do então governador de Minas, Aécio Neves, que, à epoca, 2009, disputava com o Zé, então Serra que governava São Paulo, a indicação de candidato à Presidência da República pelo partido. O motivo teria sido a informação de que o segundo contratara arapongas para vasculhar a vida do primeiro. Coisas dos bastidores da política que acabam vindo à tona, provadas ou não.

Até as paredes sabem que, em Minas, o governo controla – sempre controlou – a imprensa, ou parte dela. O que explica, no caso e de certa maneira, a alta popularidade do neto de Tancredo. A tarefa é exercida, com gosto e zelo, pela irmã de Aécio, Andréa Neves, que continua a postos. A última cabeça a rolar, por sua obra e graça, segundo coleguinhas de Beagá, foi a do editor de política do Hoje em Dia, concorrente do EM. Claro que o jornal e o governo negam.

Mas o jornalista, com 20 anos de casa no HD – foi repórter da equipe na qual Euzinha estive editora-adjunta, no comecinho dos anos 90 -, recebeu o bilhete azul na semana seguinte à visita de Andrea Neves à direção do jornal. Não por coincidência, após algumas mudanças no comando da redação, a editoria de política passara a fazer reportagens investigativas sobre atos do governo, o que é proibido nas Alterosas.

De volta ao começo, Amaury Jr deixou o Estado de Minas antes de terminar o trabalho, segundo a direção do diário mineiro. Transformou a reportagem investigativa em livro, que pretendia lançar logo após a Copa do Mundo. Decidiu adiar o lançamento para 2011, para evitar que seu conteúdo fosse usado como arma de campanha eleitoral. O cuidado revelou-se vão.

Na nota abaixo, o jornalista diz, em outras palavras, que a velha mídia – que se alimenta do desespero e faz campanha para o Zé – mente. Jornais, revistas e Tvs têm vinculado as fontes do repórter à quebra do sigilo da filha e outras pessoas próximas ao candidato azul-amarelo. Como diz Paulo Henrique Amorim, “vai chover pena de tucano pra todo lado”.

2 comentários

  1. Graças a Deus! Ainda há jornalismo nestas bandas! Nossa Brasil agradece! Eis que a hora deste giganta sair do pesado sono, ou coma, caso prefiram.
    Muito obrigado, Sra. Esteliam!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s