Mídia pernambucana ignora morte em shopping

por Sulamita Esteliam
Capturei no Facebook a imagem que Ana Veloso usou para demonstrar seu sentimento ante determinados fenômenos: O Grito, do noruguês Edvard Munch – 1863/1944

A inauguração do mais novo shopping center do Recife, há coisa de uma quinzena, foi notícia em todos os veículos de comunicação. Até porque, a cidade parecia “enlouquecida”, como definiu a amiga pernambucana, Ana Veloso, jornalista e professora de Comunicação, que manifestou sua estranheza no Facebook – com este e outros fenômenos – e  Euzinha compartilhei.

O flagrante da loucura coletiva – Foto: Bruna Monteiro/DP-DA Express, capturada na internet

O povo acorreu em massa, causando horas e horas de congestionamento ao longo de todo o dia e noite adentro. Lá dentro, as fotos publicadas são prova disso – exemplo ao lado -, era impossível se mexer, que dirá respirar.

Por mais que eu tente, não consigo entender como e por que alguém pode se submeter a uma situação dessas. Enfim, como diria minha avó Ceição, “gosto e bunda, cada um cada qual”…

Esta reles blogueira só vai a um desses “templos de consumo”, como diz Frei Beto quando não tem alternativa. Não obstante, sofreu de perto as consequências, espremida que foi, num ônibus mais lotado do que o normal, durante quase duas horas. Claro que não para conhecer o  tal centro de compras, mas para conseguir retornar para casa, após um dia de quase-trabalho e estresse necessário; mas isso é outra história.

Obviamente que o empreendimento é assunto para a mídia, porque gera empregos, porque  mexe com o comportamento das pessoas, com a vida da cidade. Inclusive do ponto de vista ambiental, pois o shopping foi construído em cima e em prejuízo do mangue; só que isso não é objeto do noticiário.

Não foi notícia, também, a negligência no atendimento que levou à morte um cliente, vítima de ataque cardíaco dentro do centro de compras, quatro dias após a estrondosa festa de inauguração. Nem uma linha na mídia convencional de Pernambuco – não que eu tenha visto, lido ou escutado. A busca na rede, também não traz qualquer informação a respeito, a não ser em blogues independentes – aquiaqui e aqui.

Não surpreeende. O tal shopping é propriedade de um dos barões midiáticos de Pernambuco: Paes Mendonça, do grupo JCPM – leia-se, Jornal do Commercio, TV e Rádio Jornal, Portal NE1o e etecéteras…

Assuntos desagradáveis aos donos do poder econômico, principalmente, são ignorados, solenemente, inclusive pela concorrência. Mesmo quando o que está em risco é a vida das pessoas. A responsabilidade social de informar esmorece diante do – por assim dizer – pacto de classe.

O fato aconteceu dia 03 de novembro. Transcrevo o depoimento do filho da vítima, postado no FB no fim de semana. O acesso me foi dado por alerta do meu amigo pernambucano, jornalista e homem de rádio, Ruy Sarinho, que me enviou por correio eletrônico a postagem em dos blogues locais que linquei acima.

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s