Agora é Lula, oficialmente!

por Sulamita Esteliam

Já é oficial: o PT confirma, nesta quinta, em convenção nacional, em São Paulo, o nome de Lula como candidato à Presidência da República, com Geraldo Alckmin na vice, conforme decisão do XVI Encontro. Lula não estará presente, porque cumpre agenda político-afetiva em Pernambuco.

A Federação Brasil da Esperança – além do PT , PCdoB e PV – faz  o mesmo, na sequência, quando aprova também a coligação Juntos pelo Brasil, que inclui os partidos PSB, PSol, Rede e Solidariedade. O PSB de Alckmin oficializa sua participação na chapa dia 29.

Na véspera, o XVI Encontro Nacional “Marcelo Arruda” do Partido dos Trabalhadores, aprovou declaração política sobre o momento do país, em que destaca “a urgência de mudanças e a esperança do Brasil na eleição de Lula”.

A nota do partido promete “responder com mais e mais presença de nossa campanha nas ruas, nas redes e nos comícios de Lula pelo Brasil” aos ataques do Coisa-ruim et caterva, à escalada da violência política e do discurso de ódio,

“Vamos responder com mobilização e com a vitória nas urnas. O Brasil precisa de paz e precisa mudar já. Lula é a esperança do Brasil!”, apontam as lideranças do Partido dos Trabalhadores.

Confira a íntegra da resolução:

O XVI Encontro Nacional “Marcelo Arruda” do Partido dos Trabalhadores, realizado nesta quarta-feira, 20, aprovou resolução política sobre o momento do país, a urgência de mudanças e a esperança do Brasil na eleição de Lula.

*Aos ataques do bolsonarismo, à escalada da violência política e do discurso de ódio, vamos responder com mais e mais presença de nossa campanha nas ruas, nas redes e nos comícios de Lula pelo Brasil. Vamos responder com mobilização e com a vitória nas urnas. O Brasil precisa de paz e precisa mudar já.

O processo eleitoral de 2022 apresenta-se decisivo para a superação da gravíssima crise social, política e econômica em que o Brasil foi mergulhado pela ação das forças contrárias ao projeto de transformação democrática e socialmente inclusiva do país, inaugurado pela primeira eleição do presidente Lula, em outubro de 2002. Por todas as razões, esta é a eleição da esperança do povo brasileiro.

O projeto de país com crescimento, distribuição de renda, políticas de bem-estar social, plenas liberdades democráticas e soberania foi interrompido por meio do golpe do impeachment da presidenta Dilma, em 2016, que levou ao poder um projeto neoliberal e fez o Brasil retroceder em conquistas sociais, políticas públicas e investimentos do estado para o crescimento e geração de empregos e renda.

A condenação, prisão e cassação da candidatura do presidente Lula, hoje reconhecidas como manifestamente ilegais, levaram ao governo Jair Bolsonaro, que aprofundou o projeto ultraneoliberal, gerou desemprego e pobreza, abandonou a população ao longo da pandemia e trouxe de volta a fome ao país.

Foram anos de entrega do patrimônio público a interesses privados, muitos dos quais estrangeiros, por meio da privatização de setores inteiros da Petrobrás, mais recentemente da Eletrobrás e a privatização em curso dos Correios. Anos de escalada de desmatamento da Amazônia, dos crimes contra o meio ambiente e quem os denuncia, como o recente assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips – contando com a criminosa omissão dos poderes de Estado.

Além da disputa entre dois projetos – o que interessa à maioria da população e o que só favorece os mais ricos – estas eleições se caracterizam também pela opção do país entre a democracia e o autoritarismo que Bolsonaro encarna. Nunca antes um presidente eleito atacou tão sistematicamente a Constituição, os direitos, as leis, as instituições, a civilidade, a ciência e as liberdades democráticas.

Por suas atitudes antidemocráticas, especialmente nos últimos quatro anos, intensificadas à medida em que se aproxima o julgamento pelas urnas do pior governo da história, Bolsonaro deixa cada vez mais claro que não é apenas um adversário eleitoral, mas um inimigo da democracia e das liberdades, que planeja manter-se no poder, mesmo que isso custe quebrar o país, pela inviabilização fisiológica dos orçamentos públicos, rasgar a Constituição, agredir as instituições e romper o estado democrático de direito.

Bolsonaro tem medo do povo, tem medo das urnas, e por isso mesmo tenta sabotar a credibilidade do próprio processo eleitoral, emulando seu mestre na trapaça política, Donald Trump, no momento mesmo em que a tentativa de golpe do ex-presidente estadunidense vem sendo desnudada em detalhes no Congresso daquele país.

O mundo assistiu estarrecido a sua última manobra insana neste sentido, quando reuniu dezenas de embaixadores de países estrangeiros no Palácio da Alvorada para desfilar mentiras contra o processo de votação eletrônica brasileiro – reconhecido mundialmente como confiável, seguro e eficaz – além de ofensas contra ministros dos tribunais superiores e também contra Lula.

Esta última sucessão de crimes eleitorais e de responsabilidade – diante dos quais os partidos de oposição, organizações da sociedade e representantes do Ministério Público abriram ações judiciais contra Bolsonaro – veio na sequência de mais um atentado bolsonarista: o assassinato em Foz do Iguaçu do companheiro Marcelo Arruda, a quem reverenciamos neste XVI Encontro Nacional do PT.

As armas de Bolsonaro são a mentira e o ódio, a corrupção e a violência, o preconceito e a discriminação. A elas temos de contrapor a verdade e a solidariedade, a democracia e a paz, o respeito aos direitos individuais e coletivos. Temos de contrapor um projeto de reconstrução e transformação do Brasil e torná-lo novamente um país em que o presente – com emprego, renda e oportunidades para todos – volte a projetar um futuro melhor.

Chegamos a este XVI Encontro Nacional “Marcelo Arruda” tendo já construído uma inédita unidade do campo popular, de esquerda e progressista, reunindo sete partidos, as centrais sindicais e os movimentos sociais. A ampliação da candidatura Lula confirma-se pelas manifestações de apoio de artistas, lideranças e organizações da sociedade e, principalmente, nas multidões que cada vez em maior número comparecem aos atos com Lula.

Estamos diante da próxima etapa, o início oficial da campanha, em 16 de agosto, com nosso candidato mantendo há mais de um ano a liderança em todas as pesquisas eleitorais. A liderança de Lula reflete a esperança que ele desperta, porque em nenhum momento nos afastamos da verdadeira agenda do povo: enfrentar o desemprego, o custo de vida, a pobreza e a fome. Retomar o crescimento com justiça social, a soberania nacional os direitos da população e a democracia com organização popular.

É com estes compromissos que devemos inaugurar a próxima etapa, determinados a manter e ampliar ainda mais nosso movimento pelo Brasil, conscientes de que enfrentamos um adepto do vale-tudo, do uso ilegal e sem limites da máquina pública, que vem amplificando sua indústria de mentiras numa guerra cada vez mais suja para se manter no poder.

Nessa disputa por corações e mentes, quanto mais ampla e enraizada for a organização social da campanha — os comitês populares, a mobilização em torno do programa, a ocupação crescente das ruas — maior será a possibilidade de conquistar uma grande vitória sobre o bolsonarismo e o neoliberalismo e fechar o espaço para qualquer tentativa de desrespeitar o resultado das urnas.
Aos ataques do bolsonarismo, à escalada da violência política e do discurso de ódio, vamos responder com mais e mais presença de nossa campanha nas ruas, nas redes e nos comícios de Lula pelo Brasil. Vamos responder com mobilização e com a vitória nas urnas. O Brasil precisa de paz e precisa mudar já.

Lula é a esperança do Brasil!*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s