Mulheres católicas reagem à interferência papal

Por Sulamita Esteliam
Mais do que mil palavras: foto arrastada do blogue Cloaca News

O grupo Católicas pelo Direito de Decidir considera “desrespeito total à laicidade do Estado” a interferência do Papa Bento XVI nas eleições brasileiras. Nota divulgada, nesta sexta, critica o estímulo do chefe da Igreja Católica ao envolvimento de religiosos nas eleições.  Clique aqui para ler Quem chamou o Papa na conversa?, desta escriba.

Em conversa com bispos do Maranhão que o visitavam, o Papa cobrou ação dos religiosos brasileiros na campanha política contra o aborto. O discurso papal, embora tenha sido considerado “normal” pelo presidente Lula e pela candidata Dilma Roussef – que exercem, naturalmente, seus papeis – causou indignação Brasil afora, inclusive no meio religioso e, sobretudo, nos movimentos de mulheres e feminista; também entre as mulheres católicas, como se vê.

Aqui a opinião de Frei Beto e do teólogo e filósofo Leonardo Boff sobre o assunto.

Leia, também, a carta aberta às mulheres brasileiras, do antropólogo e escritor mineiro, Romeu Sabará.

***************************************

Transcrevo a íntegra nota do grupo Católicas pelo Direito de Decidir, publicada no Terra Magazine:

O Papa em sua última declaração, dirigida diretamente aos bispos brasileiros afirmou que os projetos políticos que contemplam a descriminalização do aborto ou da eutanásia traem o ideal democrático. Esse é o mesmo Papa que quando responsável pela Congregação da Doutrina da Fé, condenou a Teologia da Libertação por considerá-la “política”.

Nossa perplexidade: Como o chefe maior de uma Igreja que segue mantendo uma estrutura pré moderna e piramidal e patriarcal pode falar em democracia? Como cobrar democracia dos Estados e líderes políticos, se a Igreja Católica ignora as vozes de seus/as fiéis que há tempo vem pedindo o direito de escolher seus bispos? Só é eficaz a exigência da democracia por parte de quem a vive como um ideal.

Democracia inclui o direito de opinar sobre os temas de interesse coletivo. No debate democrático se constroem posições de consensos ou se mantém o dissenso, mas todos/as têm o direito de falar. O Papa, assim como o Rabino, a Mãe de Santo, o Pastor, o Monge Budista e todos/as representantes religiosos devem ser ouvidos e tratados com igual importância. Falar, orientar seus fiéis ou quadros religiosos, não significa tornar-se impositivo, e infringir a lei para disseminar suas idéias, desde que essas orientações dirijam-se unicamente aos fiéis daquela igreja. Mesmo assim, há que respeitar a liberdade de consciência de cada cidadão/ã que deve votar a partir de suas próprias convicções. A escolha cidadã não pode ser tutelada. O bispo de Guarulhos, D. Luiz Bergonzini infringiu os princípios democráticos, a laicidade do Estado ao divulgar os 2 milhões de panfletos contra a candidata do atual governo. Tentou interferir diretamente na consciência eleitoral da população católica. No Brasil há mais de cem anos, vivemos um regime de separação entre igreja e Estado, isso deve ser respeitado. Será que o bispo D. Luiz Bergonzini agiu de forma democrática? O Papa entende que isto é democracia?

Há questões que correspondem tão somente aos/às cidadãos/ãs de um país. Eleição é uma delas. Trata-se de um princípio tão fundamental e “sagrado” da democracia que organismos como a ONU enviam seus representantes para que zelem pela retidão de processos eleitorais em países fragilizados do ponto de vista da democracia. Como pode então um chefe de outro Estado, que também é chefe religioso de uma igreja interferir em processos políticos do nosso país? Trata-se de um caso de desrespeito total à laicidade do Estado!

O Papa também fala da promoção do bem comum. Quais são os critérios e valores utilizados para definir o “bem comum”? Diminuir o índice de mortalidade materna provocado por abortos clandestinos e inseguros não faz parte do “bem comum”?

Nós, Católicas pelo Direito de Decidir – parte desta Igreja formada pelo povo de Deus- vimos a público manifestar nossa divergência com a orientação papal. Afirmamos nossa fé, e entendemos que ser católico/a é ser fiel à própria consciência, um chefe religioso não pode interferir na liberdade de consciência. Esse é um princípio básico do Cristianismo. Jesus também falou aos homens do templo, não se conformou com os hábitos e vícios da hierarquia judaica e é a Ele, que nós seguimos.


Um comentário sobre “Mulheres católicas reagem à interferência papal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s