Coleira para crianças é coisa de gente sem-noção

por Sulamita Esteliam

Minha irmã caçula, Zélia Goreth, que nós tratamos de Zeíca,  me expõe o seguinte absurdo: estão vendendo coleiras para crianças! Pior, tem mãe que defende, tanto que compra e usa em seus pimpolhos, naturalmente com a conivência do pai! Gente, não é pegadinha cequecista, não. É sério.

Juro que dá vontade de sugerir aos fabricantes: que tal uma focinheira para mães e pais sem noção?

Eis o que nos apresenta a maninha, que fala com propriedade, pois é mãe por escolha:

“Vi no mês passado, no centro de BH, Rua Tupis com Rua Rio de Janeiro, uma senhora segurando seu filho,  acho que com aproximadamente uns cinco ou seis anos, por uma coleira infantil. Gente, fiquei extremamente chocada, de tão bizarra era a situação. Sei que nos EUA  não é novo,  e que no Brasil o povo anda copiando a ideia. Para mim, é ridícula, constrangedora para a criança, além de poder criar situações para a prática do bullying contra próprio filho.

O ser humano cada vez mais me surpreende, negativamente. Coloquem-se vocês pais, no lugar do teu filho andando assim na rua, como se sentiriam? Acho que a função de nós pais, além de educar e dar limites aos nossos filhos, é também antecipar com conselhos e experiência acontecimentos que possam constrangê-los, ridicularizá-los ou até mesmo abrir precedentes que possam trazer sofrimentos físicos, moral e emocional. Para mim, além de bizarra, é uma criação com tremenda falta de bom senso. É o que penso. Afinal, estamos num país onde o direito de expressão é livre, isto é democracia.”

Zeíca mandou a história por correio eletrônico em junho, mas só há poucos dias me deparei com a mensagem – recebo trocentas por dia. E não acreditei; tive que conferir com ela, que não só confirmou como me mandou a foto ao lado, que recolheu num blogue paulista que tratou do assunto. Felizmente, com o mesmo horror que ela manifesta. Clique para ler.

Lá no referido blogue, Zeíca postou comentário semelhante, em resposta a uma mãe de uma criança de 1 ano, indignada com a crítica. Curioso é que, em determinado trecho, minha irmã fala, exatamente, de lembranças que me vieram à mente diante do absurdo. Transcrevo:

“(…) Graças a Deus na minha época não tinha estes absurdos, bem como tinha uma mãe competente. Viúva com 26 anos, mesmo com 4 filhos nas costas para cuidar sozinha, transitar para lá e para cá e sustentar – 4 anos, 3, 1,5 e 7 meses ( que era eu) -, quem a conheceu diz que ela nos criou muito bem, sem nenhum problema. Ela viajava conosco para São Paulo sem amarrar um no outro e não sumiu ninguém.”

***************************************

Claro que busquei na rede outros exemplos. Vi que sou completamente desinformada nesse departamento. A exemplo de minha mãe, criei quatro filhos – os três primeiros, praticamente sozinha. Cruzei meio mundo com eles, jamais os amarrei ao pé da cama ou da mesa. Naquele tempo, coleira, arreio ou coisa que o valha era para bicho de quatro pés.

Hoje, a coisa é difundida como sabonetes infantis ou escovas de dentes. Há anúncios protagonizados por radiantes e saudáveis bebês loiros como os das fotos. O “acessório” é vendido com o nome de “coleira” ou “guia infantil”. No Brasil, vem agregado com uma “mochila”.

Como se vê, o famoso jeitinho brasileiro tucanou o abuso.

O SBT fez reportagem sobre o assunto, em maio – aqui.

A bizarrice causa espécie em gente como a gente. Veja o vídeo postado no Youtube, que tem muito mais:

Se a moda pega, Leo Jaime vai ter que mudar o mote do Rock da Cachorra, hit de sucesso gravado por Eduardo Dusek nos anos 70. Ao invés de “troque seu cachorro por uma criança pobre”,  algo do tipo “faça de seu filho seu cãozinho nobre”.


125 comentários sobre “Coleira para crianças é coisa de gente sem-noção

    1. Gostei muita da ideia da coleira infantil. Meu filho é autista e simplesmente é impossível sair com ele, basta alguns segundos sem atenção que ele atravessa no meio de uma avenida como se estivesse correndo em um parque.
      – Antes de se posicionar e criticar é bom ver o lado do outro!

      1. Também tenho um filho autista de sete anos e já passei autos sustos com ele mesmo sendo segurado pelo pulso as vezes se soltá e sai correndo pois eles tem uma força sobre humana não sei se o seu é assim,já procurei muito a coleira pra ele mas não encontrei do tamanho dele o que realmente seria uma ajuda nos dia de terapia e também acho toda regra tem exceção pra algumas crianças a coleira ou guia é realmente útil e necessária

  1. realmente, para quem não tem filhos , comenta e escreve sobre a vida dos outros acredito que deve se chocante mesmo ver mães e pais usarem coleiras como medida de segurança para não perderem seus pimpolhos por aí. Escrevo, me posicionando nas duas situações e vejo um mundo tumultuado e cheio de perigos e mães com 1001 compromissos e tarefas,tendo que fazer várias coisas ao mesmo tempo,que levam as pessoas a encontrarem soluções, acho que expôr ao rídiculo é uma invensão de quem olha para isso e comenta “Gente, fiquei extremamente chocada, de tão bizarra era a situação”. Isso sim é um comentário bizarro, bizarro é quem se presta a ler um blog como esse que nem eu.[risos].Bom,retomando, expôr ao ridículo não é isso, considero isso proteção. até pq o objeto não é uma coleira, é uma peiteira, e não tem o mesmo objetivo de guiar como a de um cachorro e sim de controlar. Vivemos numa sociedade de controle desde a modernidade, somos viagiados a todo instante, por câmeras, pelos vizinhos, pela mídia que nos governa o tempo inteiro…pelos cartões de crédito…. pelas redes socias, e-mails…são infinitas as formas de controle.e para o resto da vida talvéz para estes pequenos o controle iniciou mais cedo do que nossa geração. Eu sugeriria que os fabricantes de coleira criassem ” algemas de dedos” para as blogueiras de plantão postarem conteúdos problematizando os efeitos que isso ou aquilo causam e não emitindo opiniões capaz de subjetivarem pessoas menos informadas ou mais influenciáveis.
    um abraço e até a próxima

    1. Concordo com você…ela fala de que antigamente a mãe dela, antigamente ela e seus 04 filhos…mas o mundo mudou..hoje somos dona de casa, mães e profissionais…são muitos os afazeres e a multidão na rua aumentou numa projeção geométrica….é dificil mesmo controlar um bebÊ super saudável (e por isso super ativo)..não me considero uma mãe má…muito pelo contrário…amamento até hoje minha filha (que hoje faz um ano e nove meses), pratico a cama compartilhada…e até mês de setembro deste ano nem trabalhava só pra ficar direto cuidando de minha filha…acho que a decisão sobre usar ou não o acessório nao deve ser de dominio publico e sim deve levar em conta as peculiaridades do caso concreto…cada mãe deve decidir…

      1. Isso msm… corretíssima… os tempos são outros.. eu li o blog só pra ver até onde iria a bizarrice de quem escreveu..parabéns por sua crítica..

      2. acho o acessório muito bom pois minha cunhada tem mais de 0 fica com netos gêmeos não tem como ela sair só foi onde mostrei o acessório hoje é difícil sair de casa com crianças o mundo esta ruim de mais antigamente era bem mais fácil hoje um descuido qualquer levam crianças..

    2. Sou pai e tenho trigêmeas, quero ver vcs saírem com 3 ou 2 crianças, duvido sem ter a metade do trabalho, sou a a favor, vcs são contra por que não se preocupam com a segurança dos pequenos, tem alguém correndo por vcs seus otários, minha esposa não tem baba, cuida sozinha, vcs não são a metade do que ela é.

      1. Tenho gêmeos e cuido sozinha deles. Nem tenho babá e nem ninguém que me ajude. Dou o meu máximo pelos meus filhos. Mas estive no shopping com eles sozinha e passei apuros com eles no elevador. Estava carregando bolsas e segurando muitas vezes as duas mãozinhas deles com uma mão só. E vou usar a mochila, coleira… ou qualquer outro nome que inventem. Prefiro meus filhos bem e seguros, do que soltos e feridos, sequestrados e até mesmo mortos. Não estou exagerando. Ninguém aqui é criança, sabemos como está o mundo. E NÃO SOU MENOS MÃE DO QUE QUEM TEVE 4 OU 20 FILHOS. Se assim fosse, coitada de Maria de Nazaré. PAREM DE CRITICAR, DE FALAR SEM OUVIR AS PARTES DA HISTÓRIA E SEM PONDERAR. Texto inútil e não acrescenta nada de BOM na vida de NINGUÉM. A pessoa já tem trabalho de sobra, ainda tem gente pra atazanar.

    3. UUUUUUUUUUUUUUFA finalmente uma pessoa que pensa e é inteligente povo retardado achando boizarrice….então não tiveram um filho peste que escapa das mãos e sai voado,ou acha que com 1 ano adianta sentar e bater um papo com o filho,explicando os perigos de correr???? pessoas idiotas que associam essa coisa PERFEITA para segurança com o nome e com cachorro,afffffffffffffffffffffffffffffff quantas criancinhas MORTAS atropeladas e desaparecidas ,,,,realmente bem mais leve que um bulling idiota né ??? estar morta ou desaparecida. Caretas e burras.

  2. Você chegou ontem à terra. Francamente, como ter segurança ao sair com um filho pequeno sem a coleira? Num mundo de tantas perversidades, o seu comentário chega a ser mais uma. É graças a esse psicologismo rasteiro que hoje temos um dos piores ensinos do mundo, um nṕivel educacional proporcionado pelas famílias abaixo da crítica.

    Vivemos numa sociedade sem a minima segurança, temos, por dever, proteger nossos filhos com unhas e dentes.

    1. Atenção, amor e cuidado protegem. O mais é comodismo. Na minha casa não entra coleira nem para cão – que aliás não possuo.

      Ao contrário, pari e criei quatro filhos de três gerações diferentes, trabalhando, estudando e vivendo – sem ter que usar tais artifícios, nem mesmo o cinto.

      Cada um, cada qual, desde que não ultrapasse o limite do bom senso.

      É a minha opinião. Vc tem a sua.

      1. Estava procurando coleira pra criança pra comprar… pra filha da minha prima… e não encontro… mas adivinha? Encontro comentários como o seu! E é por causa desse tipo de comentário que ficam com “medinho” de vender no Brasil, país em que pessoas têm uam noção muito bizarra do que é ou não carinho. Que importardor ou fabricante coloca um produto desse no mercado com retrógrados como vc colocando uma opinião dessa? Li aí em cima que vc não tem filhos… e depois fala a burrice de “Na minha casa não entra coleira nem para cão – que aliás não possuo.” Ué!!! Se não tem cão realmente não precisa comprar coleira! Agora, pq não escreve tb um texto desobrigando coleiras em pitbulls e cães agressivos? E nem precisa vir dizer que depende da educação do cão. Depender depende, mas cão é cão, às vezes morde por puro susto (até o barulho de um caminhão pode assustá-lo) assim como uma criança pode ficar meio zonza na rua (e fica!), e resolver correr na direção errada… a do asfalto!

        Aliás, vou te contar uma coisa viu! Adorei a posição do João Carlos. Se mais homens cuidarem de seus filhos, criticarao menos as mulheres e mães. E se mulheres sem filhos e em instinto materno calarem a boca tb ajudariam! Eu não tenho filhos (ainda) mas amo crianças e até fico com elas liberando minhas primas para terem algum tempo para si. E aí, quando saio com as crianças na rua, a gente vive ouvindo pessoas (99,999999% mulheres!) parando a gente dando opinião. “Essa criança tá torta no carrinho!” Ora, minha senhora, a criança é um ser vivo, ela se mexe! “O pézinho dela tá arrastando no chão!” Não estava, mas eu tinha colocado o bebê sentado e ele estava numa pirracinha de ficar escorregando, aí eu sentava ele de novo, ele escorregava só de pirraça… já estava perto de casa… deixei quieto. O tamanho do dano? Longe de um bebê aleijado, foi apenas um bebê com uma sandalinha surrada no chão e um dedão sujo. GRANDE CRIME!

        Sem noção é vc!

      2. Apoio todos os comentários. Fácil criticar, difícil e dar segurança aos filhos de hoje nos dias de hoje.
        Amiga, volta pra terra mesmo. Na minha opinião, comentário infeliz o seu.

      3. Concordo totalmente. Tenho 3 filhos e nunca precisei de coloca-los numa coleira. Isso é coisa de mãe folgada e sem controle. Se não dá conta dos filhos q nem saia de casa.Temos mãos, pernas e olhos e é nossa obrigação proteger nossos filhos, não precisa prender eles q nem cachorros…Nunca perdi meus filhos, nem deixei passarem por situação de perigo, pois qdo saímos estou sempre atenta a eles, sem falar q são bem educados e instruídos desde pequenos…

    2. Só sei de uma coisa. Tenho um filho de 11 meses e vou usar nele, pois ele é muito rápido, foge com facilidade. Fico apavorada só de pensar nos riscos das ruas de hoje. Tenho um casal de amigos que tiveram suas vidas estragadas num acidente. Eles estavam na calçada, segurando o filho de 2 anos pelas mãos, porém, com muita rapidez, a criança se soltou, correu direto para o meio da rua e foi atropelada. VIRAM O FILHO MORRER na sua frente. São pais extremamente amorosos e cuidadosos, mas as crianças são muito rápidas. Num segundo fazem coisas inacreditáveis. Cada um tem direito a achar que deve ou não usar. Mas daí, a criticar quem opta pelo uso, é falta de respeito pela opinião alheia.

  3. Gostaria de dizer que tenho um filho de 4 anos que já fugiu pelo portão, sumiu várias vezes em locais com aglomerações, deixando a mão super aflita. Hoje mesmo ele se escondeu em um supermercado e tivemos que acionar a “segurança” do estabelecimento. Ele estava escondido fazendo “caca”. Ficou de castigo e tal. Se tivesse con esta “coleira” não teria acontecido. Já pensou se alguém se aproveita dessa situação para subtraí-lo.
    Obrigado pela espaço.

  4. Eu não acho um absurdo o uso da coleira infantil. Acho que, como tudo na vida, deve ser usado com coerência e na medida certa. Não vai ser um acessório como esse que vai fazer um pai ou uma mãe pessoas que não sabem impor limites aos seus filhos, e também não vai fazer com que pais que saibam educar corretamente se percam e passem a não impor limites. Os que forem responsáveis saberão utilizar a coleira na forma e medida corretas, enquanto que os que não forem, utilizarão de forma errada. Para certas situações ela é bem útil. Tenho um filho de 1 ano e sabemos que nessa fase eles desobedecem sem saber direito o que fizeram de errado, é uma fase que eu acho válido a utilização da coleira em determinados lugares. No caso do exemplo, da criança de 5 ou 6 anos, eu acho errado, pois é uma idade na qual a criança, se bem educada, tem que obedecer aos pais. Mas em idades na faixa de 1 aos 3 anos, por exemplo, acho válido sim e inclusive vou comprar uma para o meu filho. E pra mim essa comparação com “animal é que anda na coleira” só faz estereotipar o assunto e contribui pouco para a discussão, ou nada mesmo, que deve ser em torno da imposição de limites e da educação das crianças.

    1. Cara, vou me dar ao trabalho de respondê-la: no século retrasado, as crianças eram propriedade privada dos pais; ainda não havia a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que é de 1948 – nem Piaget, que nasceu em 1896, havia desenvolvido seus estudos cognitivos sobre crianças. Só para ficar no básico do humanismo e da educação infantil.

      Caso lhe interesse saber, tenho filhos sim: seis, de três gerações diferentes; quatro que eu pari e criei, trabalhando, fazendo faculdade, militando a cidadania, administrando a casa, namorando e me divertindo – essas coisas essenciais da vida. Nenhum deles e nenhuma delas usaram coleiras.

      Sim, tenho netos, também: quatro, de três gerações diferentes.Eles também não usam coleiras.

      Questão de bom senso, pura e simplesmente.

      1. Ai, que medo!!! Ai que culta! Piaget pra lá, declaração dos direitos do homem pra cá… oq eu isso tem a ver com criança na coleira??? Tem pai e mãe aí surrando filho… e vc falando em crianças como propriedade privada??? Só não entendi se vc acha que isso era bom ou ruim!

        Com toda essa fúria contra um mero assessório, já colocando sobre ele toda uma intençãod e humilhar um ser humano (como se esse ser hmano fosse um escravo já crescido e que estivesse acorrentado…) que mal sabe a direção para onde aponta seu pequeno nariz…. PQ vc não se REVOLTA com essas roupas que fazem as criancás (bebês mesmo, de um ano e meio!!!) parecerem adultos e que lhes tiram os movimentos???

        Que tosca.

  5. Eu tenho filho de 3 aninhos e infelizmente por mais criticada que seja, estou a procura desta coleirinha, pois ele é muito danadinho e quando estamos na rua ele nao atende e corre pra pista e pos 3 vezes tive sustos que pensei que ia morrer so do medo que tive ao ele correr em direção a um carro… outras vezes fazendo lanches e etc… e ele corre desesperado e quanto mais eu o chamo mais ele corre…. prefiro que esteja no comando do que ver meu filho sento atropelado ou levando tantas quedas… Não o venjo como um cachorro, um animal etc…. apenas achei uma ideia sensata para esses casos, onde poderão ser previnidas certos tipos de acidentes com criaças levadas como a minha, e isso é apenas um gesto de amor, pois ele é a coisa mais importante da minha vida e eu o amo infinitamente.

    1. Nossa… parece q está falando do meu filho… qdo vou a rua com ele… ele quer soltar da minha mão o correr.. o pior é que qto mais eu chamo mais ele corre… e qdo tem carro, moto ele fica alucinado e corre pra cima do veículo… isso me deixa desesperada… chego a segurar com força sua mão para q não consiga solta-la… se estou na loja ele corre pra fora da loja na mesma hora q solto sua mão para pegar algo na bolsa ou outra necessidade no momento… no meu caso o uso é necessário… meu filho é perigoso pra ele próprio devido a sua inocência.. os tempos são outros e a maldade só aumenta.. acredito q cada caso é um caso… cabe aos pais decidirem o dosarem o uso da coleira infantil… inclusine o nome está errado tinha q ser outro.. esse se faz reverenciar a um cão.. como sulamita cita.. mas o sentido é outro… deveria ser “segura criança levada”…
      Abraço

  6. É absurdo ver mães que concordam com o uso desta coleira. Se seu filho é danadinho é porque vc não sabe educá-lo minha filha, é uma mãe falida, Talvez se você desse mais atenção e amor a essa criança talvez ele não fosse tão “danadinho” e até, olha que surpresa, te obedece-se.

    1. Definitivamente você não tem filhos! Quem é você para julgar a educação que as pessoas dão aos seus filhos? Não existe criança “danadinha”, criança é um ser em desenvolvimento, que está descobrindo o mundo a sua volta e tem curiosidade, muita curiosidade! Tenho um filho de um ano que já caiu da cama, já bateu com a cabeça, já trancou o dedinho em alguma porta, mas não por falta de educação e muito menos amor ou cuidado! Já ouviu o ditado: “Criança cega a gente”? É só olhar para o lado 1 átimo de segundo e já era! Estou comprando uma mochila-guia (ou coleira como vocês chamam) para ele porque tenho zelo e medo sim de estar com ele num shopping e perdê-lo de vista em meio ao tumulto, porque ele é apenas uma criança e não quer mais carrinho ou colo, e jamais impedirei meu filho de explorar o mundo dando seus próprios passos e isso, dona Claudia Brito, se chama AMOR! Mas segundo a sua lógica não devemos colocar telas de proteção nas janelas, portões nas escadas, travas em armários e gavetas, devemos deixar que uma fatalidade aconteça! Sim, porque uma criança de 1 ou 2 anos não é mal-educada, apenas não entende o significado de NÃO, pode perguntar para qualquer educador, psicólogo ou psicopedagogo! Desculpe-me, mas não sou uma mãe falida, pelo contrário, abandonei minha carreira para me dedicar exclusivamente ao meu filho! Garanto-lho que se eu fosse uma mãe tão desleixada, preguiçosa e relapsa como você julga que sou, meu filho não teria começado a andar aos 10 meses, nem falaria 15 palavras com perfeição com apenas 11 meses ou frases simples como: Dendy para! (esta é para a cachorrinha quando late), não quer (princípio de não quero), quer ága (princípio de quero água)… Tudo isso é mérito da inteligência dele, sim, mas certamente a atenção e o estímulo que dou a ele são determinantes em seu desenvolvimento.
      E dona Claudia Brito, se me permite, quero lhe dar dois conselhos:
      1º Nunca aponte o dedo para alguém, pois ao fazer isso você estará apontando 3 dedos para você mesma, trocando em miúdos, não julgue os outros, pois além ficar vulnerável a críticas é muito feio e deselegante!
      2º Procure um professor de português para lhe dar umas aulas… Obedecesse se escreve assim e não da forma pavorosa que você escreveu.

    2. Dou atenção o dia inteiro e a noite inteira…ela tem um ano e nove meses e desde que nasceu pratico a cama compartilhada e até hoje ela mama…POR ISSO MESMO ELA É SUPER SAUDAVEL E SUPER ATIVA E SUPER CRIATIVA E SUPER CURIOSA…QUER MESMO CONHECER O MUNDO, AS CORES, OS LUGARES, OS SABORES….ENFIM: É SAUDAVEL…….Criança quietinha demais, não é criança saudavel.

    3. IDIOTA! Não tem filhos mesmo.
      Quer ficar medindo amor.

      Eu quando criancá meti as mãos no ferro de passar roupa. Disso, não ficaram marcas nem seüelas, tenho as digitais perfeitas e mãos muito finas e delicadas.

      E agora? Vai dizer que minha mãe não me deu amor?!?!?! Ah, é, bebé!???

    4. …além do que acho que o que está falido é seu português, Cláudia Brito…

      O que é “te obedece-se”?

      Tive de ler umas três vezes pra entender o seu erro, o correto é “te obedecesse”…

      PQP!!!

    5. Obedece-ce??? Uma pessoa muito culta e pelo jeito, muito entendida do assunto dando conselhos sobre o comportamento infantil. Não é a mãe que é falida, tua inteligência é que é.

    6. Claudia Brito, cuide de sua vida pq quem sabe o que é melhor para o meu filho sou eu. Você não paga minhas contas, não resolve meus problemas e não me ajuda a cuidar do meu filho portanto não venha me dizer como devo educá-lo.

  7. Meu Deus… quanto sandice! Cláudia brito como vc sabe que ela e uma mãe falida se nem a conhece? Cada uma tem sua opinião eu educo o meu filho da melhor maneira que posso, e se você foce um pouco mais antenada ou sensata saberia que crianças entra 1 e 2 anos não sabem ao certo o que estão fazendo e a educação vem com o tempo, só quem e mão de uma criança de 1 ano e meio super ativa sabe como é andar com o filho no shopping ou lugares cheios eles querem correr soltar da mão, e cada caso e um caso tem crianças que são calmas e outras super ativas isso não é da criação e sim da personalidade. Julgar as pessoas e a coisa mais fácil do mundo. Tome um pouco de cuidado quando for falar de alguém respeite as pessoas para ser respeitada. Antes de ter filho não julgava mais também achava um pouco estranho as coleira e hoje tendo o filho maravilhoso que tenho super, mega, hiper ativo, acho necessaire. Então cuidado vc pode mudar de opinião não seja assim tão ipocrita

  8. Sem noção é mãe que deixa o filho solto por aí, aumentnado as listas de crianças desaparecidas. Sem noção é quem confia que criança vai ficar quieta enquanto vc pega a carteira na bolsa para pagar uma compra e é assim que elas somem. Sem noção é o mundo em que vivemos, cheio de pessoas más que sequestram crianças.
    Tenho uma filha muito agitada, preciso ir com ela a supermercados, aeroportos, shopping e prefiro usar harness buddy do que ficar sem ela. Ignorantes!

    1. Meu amor, compreendo as suas preocupações, embora não partilhe de seu estilo de reagir. Aprovo seu comentário, porque este blogue preza a diversidade de opiniões, assim como preza a delicadeza e a boa educação. Em nossa opinião, criar implica responsabilidade e respeito. Quem não pode com o pote não carrega a rudia.

      1. Nossa, como vc é prepotente, MINEIRA!!! Quem não pode com o pote n1ao carrega a rudia… PELO AMOR DE DEUSSS!!!

        ENTÃO FECHA ESSE ROMBO E VAI CUIDAR DOS FILHOS DOS OUTROS, JÁ QUE VC É TÃO BOA.

        Sabe o que eu percebi??? Que vc aprova os comentários que te desaprovam só pra dar um tapa de luva de pelica neles. Até pq, quando vc os comenta de volta, os faz num tom MILHARES DE VEZES MAIS EDUCADO que o texto do seu próprio post. OLHA O SEU TEXTO!!! Já no título chama os pais de “gente sem noção”. E como quer que eles reajam??? te jogando FLORES???

        Vc deveria era agradecer, pq NINGUÉM chegaria nesse blog ridículo se não estivesse procurando uma coleira pra comprar!!!! É ASSIM QUE ELAS CHEGAM AQUI, E APOSTO QUE ESTE É SEU POST COM MAIS COMENTÁRIOS!!!

        Já postei um monte de repostas aqui a seus absurdos, QUERO VER se vc vai publicar, e tb suas respostinhas “luvas de pelica”… HAHAHAA AGORA ELA PUBLICA TODAS , só de raiva!!!

        Mas é uma anta mesmo. Vc é velha, já é avó. Tem netos…. e ainda não percebeu que seus netos são milhares de vezes mais levados que seus filhos??? Será que é pq seus filhos “não podem com o pote”??? Sua percepção da realidade é zero.

        Ah, vá.

  9. O q eu acho mais interessante, é a dono do blog dizer ser tão democrática e não parar em nenhum momento para pesar as respostas, é sempre tão taxativa e esquerda! Não comprei a coleirinha p meu filho q tem 1 ano e 8 meses ainda, pq não encontrei. Não vejo isso como semelhança a animais, o nome, COLEIRA, pode ser, mas a intensão é outra. Nem sempre tenho com quem deixar meu filho, e na maioria das vezes, tenho leva-lo a shoppins e centros comerciais, e morro d medo de perde-lo pq as vezes ele se solta da minha mão e sai correndo, sem falar q ele não quer mais carrinhos e muito menos colo! É lamentável tanta frescura desse povo, viu!! Não se meu comentário vai ser aceito, mas… enfim!

    1. Tenho 36 anos. Sou de uma geração em que não se falava tanto em pedofilia, não tínhamos tanta violência… Era loira com olhos verdes em plena Bahia e por isso (e aquela dose de racismo encrustado) “chamava a atenção”… Era uma criança distraída, entretanto. E “easy-going”. Fui levada das mãos de três diferentes pessoas (antes que culpem minha pobre mãe) por seqüestradores (da babá, de uma tia e da minha própria mãe). Em uma das vezes, demoraram um dia inteiro para me achar. Em duas outras vezes me perdi no shopping. Em uma das vezes minha tia levava 4 crianças e só eu me perdi, contando azulejos no chão! Da outra vez, era só eu, mas corri para ver uma vitrine e sumi. Até já sabia o que fazer: ir a um segurança, pedir pelo auto-falante… É isso, cara “a tal Mineira”, que sorte a sua não ter tido uma filha como eu! Graças a Deus estou aqui, sou advogada, e minha distração hoje me dá uma excelente capacidade de concentração e criatividade. Tenho dois filhos de 1 e 4 anos, o primeiro herdou a minha “concentração”… Usei o dispositivo de contenção com ele, sim, pq devemos saber dar a mãozinha a Ele para cuidar dos nossos meninos. O mundo é infinitamente mais violento; qdo eu tinha 11 anos, uma garota foi seqüestrada e todo o Estado rezou, foi um choque; hoje, é tão corriqueiro que as pessoas nem se chocam… Já tive 4 pessoas próximas seqüestradas, e perdi a conta das vítimas de sequestros-relâmpago… Vi uma mãe maravilhosa perder um filho “pq um achou que o outro estava olhando”, e isso é tão comum que não faz de ninguém péssima mãe… Qdo vc criou seus filhos, acredito que cadeirinhas em veículos não eram tão usadas, nem eram tão seguras qto são hoje – ainda assim seus filhos estão vivos, mas eu tive uma amiguinha do colégio morta. Muitas pessoas que conheci em RR não usavam a cadeirinha pq os pais nunca tinham usado consigo e estavam todos vivos. Muita gente também faz sexo aleatório sem camisinha e está vivo. Eu usei o dispositivo com meu primeiro filho em específicos lugares. Hoje não uso mais, não é mais necessário. Não usei com o segundo porque não foi necessário também, mas a mochilinha está aqui, e não vou titubear em usar se achar que pode evitar uma tragédia. E não é pq eu estou aqui, amada e criada, e tantas mães criaram seus filhos sem ela que ela se torna ofensiva ou inútil. Não torna a mãe que a usa incompetente, nem preguiçosa como vc insinua. O que é humano não é exato, preto ou branco, não é uma simples matemática. Existem nuances, existem casos e casos… Sua lógica maniqueista ofende e não acrescenta; pq não difunde a paz, só a intolerância… Vc tem a sua opinião, outros vão discordar: mas é válida uma discussão sem troca, e onde a única intenção parece ser apontar o dedo para quem não está de acordo?
      No mais, dê a Deus parte do mérito por seus filhos hoje estarem felizes e criando seus netos: o mérito não é só seu e toda mãe falha, fraqueja. Ninguém é onisciente e onipresente. Se você é humana, certamente não o é.

      1. É verdade sobre a natureza humana, falha. Significa que toda certeza pode ser auto-engano. E todos, você, eu, outras pessoas de idêntica ou diferente opinião, temos direito a um ponto de vista, certo ou errado, e mantermos a paz de nossas consciências. Boa sorte.

  10. Somente hoje li essa postagem sobre as coleiras para bebês. Confesso que essas coleiras também me causaram um desconforto quando as vi pela primeira vez. Infelizmente, associamos logo àquelas que são utilizadas para cachorros e não como acessório de segurança. No entanto, ao me tornar mãe, vi que não medimos esforços para manter nossos filhos seguros e que o tudo isso não passa de uma preocupação boba, uma vez que nossos filhos não são cachorros. Sou a favor dessas mochilinhas (ou coleirinhas, como preferir) desde que me sinto segura ao sair com meus filhos e vê-los tão alegres passeando pelo shopping. Esse acessório dá uma liberdade bem maior do que se estivessem pegando em nossas mãos. Quando à sua opinião, respeito e acho até bem corajoso da sua parte publicar um post tão polêmico. Agora, quer um conselho? Cuidado ao sair com seus netos sem acessórios de segurança. Pois o mundo hoje não está como o da época dos seus filhos.

    1. Boa Carolina!

      Só faço uma ressalva: quem disse que coleiras para cães não são acessórios de segurança para eles?

      Pra mim, são!!! Eles são menos inteligentes que uma criança, são atropleados, podem se perder, fugir… ser maltratados…

      1. Júlia,

        Obrigada por responder ao comentário. Quando amamos e queremos a segurança dos nossos filhos, não nos preocupamos com o que as pessoas vão pensar. Reli e vi que ficou faltando algumas informações no texto. Então, corrigindo: “associamos logo àquelas que são utilizadas para a segurança de cachorros e que, por isso, não devem ser usados como acessório de segurança para os nossos filhos”.

  11. Não deixo um comentário e sim um relato pessoal e uma PERGUNTA À VOCÊ. Tenho um filho de 6 anos , diagnosticado com TDAH e que toma uma forte medicação que tem ajudado em 100% no desenvolvimento dele (pessoal, social, educacional e outros). Mas quando o assunto é segurança, o bicho pega. Já passei por situações muito estressantes dele sumir, se perder e por não ter noção de causa-consequência isso se agrava.
    Se um de seus filhos ou até mesmo netos passasse por este problema, que é uma dificuldade enorme que enfrentamos dia após dia sabendo que não há cura, você veria na coleira uma forma adequada de evitar um problema sem volta (sequestro, atropelamento, abuso sexual em um local público, etc) considerando que desde a primeira geração que você pariu os crimes hediondos aumentaram, o bandido não tem mais medo de nada numa sociedade que não tem uma Lei para ser cumprida ao nível dos crimes cometidos, e passaram a ser somente estatística?
    Neste caso, qual seu posicionamento?
    Espero sua resposta, talvez outras mamães que tenham filhos diagnosticados hiperativos venham a procurar a coleira e parem para ler este blog.
    Abraço, Barbara.

  12. Olá!

    Eu tenho uma filhinha de um ano e meio, e no meu cá de fraldas, ganhei de uma amiga um baby sling, que a princípio achei que nunca usaria, mas que posteriormente, vi que era um modo prático e seguro de carregar minha pequena de modo a deixar minhas mãos livres, além da possibilidade de amamentar sem ter que expor meus seios.
    Muuuuuuuitas pessoas me pararam na rua, algumas para perguntar onde eu havia adquirido,e a grande maioria para criticar o modo como eu estava tratando minha filha. Ouvi coisas do tipo: “Isso é um bebê, não é um saco de batatas, ou um macaco pra vc carregar assim!”

    Há poucos meses atrás, minha pequena começou a andar, e atualmente, já caminha livremente, mas as vezes tomba, põe as mãos no chão, etc…. quando estamos na rua, eu costumo andar segurando-a pelas mãos, mas recentemente, tivemos um sério problema com a pequena Marie.
    Estávamos passeando com ela no shopping, e de repente, ela começou a puxar a mão pra soltar da minha, ela chorava muitíssimo, e eu fiquei desesperada. coloquei ela nos braços, tentei acalmar, mas era choro de dor (as mães conhecem o choro dos filhos), então fomos correndo para o hospital, onde passamos pelo pediatra da emergência que nos encaminhou para o ortopedista de plantão. Ele nos disse que isso era mais comum do que pensávamos, tratava-se de uma “subluxação da cabeça do rádio”, em outras palavras, ela havia deslocado um ossinho do cotovelo, e isso causa muita dor.
    O ortopedista acomodou o osso dela rapidamente, e receitou um gel para massagear o local, além disso, recomendou o uso da tal coleira, pois ela agarra a criança pelo peito, e passa por baixo das axilas, de modo a deixar as mãos e braços livres, e evitar novos traumas.

    Como não encontrei em nenhuma loja aqui em Recife (procurei bastante), fiz uma pesquisa na internet, e comprei uma, e assim como o sling, tive e venho tendo muitas críticas por usar a mochila (esse é o nome do produto que adquiri, “mochila de segurança”), mas mesmo com as críticas, eu não pretendo deixar de usar, até que Marie esteja caminhando com segurança (sem tombar tanto), e que tenha uma determinada altura razoável para que possamos caminhar de mãos dadas sem que isso venha machucá-la.

    O uso de “coleira” não muda em nada a relação que existe entre pais e filhos, conheço pais que não usam “coleiras” nos filhos, mas os tratam como se fossem bichos.
    Prefiro os olhares tortos e o julgamento de quem quer que seja, a passar outra vez pelo susto que passei.

  13. Realmente é uma situação compliocada o uso da coleira….porém no meu caso comprarei uma para o meu pequeno Filho caçula…pois tive a sensação de perdê-lo por duas vezes aqui nos shoppings do estado…em questão de segundos…estava em meu braço e quando o coloquei no chão para pegar minha carteira ele sumiu…tive um desespero inesplicável…acho que isso é mais amor e cuidado que uma humilhação ou constrangimento…quem já sentiu o que eu sentí naquele momento compraria a tal coleirinha sem nenhum constrangimento!!!
    Abraço a todos e usem mesmo, pois, é melhor prevenir do que vacilar
    Heleno Santos – Recife/pe

  14. Tenho dois filhos. Tão lindos, como dizem todas as mães.
    O mais velho que tem 5 anos é um lord. Sempre foi pra cama sozinho sem colinho, sem muita firula, dormia as 18 hrs. Ele é assim. Nunca subiu em nada. Ele ama desenhar, livros, palavras. Seu assunto preferido, mesmo aos 4 anos já era astronomia, interesse que perdura até hoje (5 anos e meio). Um dia na minha vida nasceu o nosso 2º filho, seu cabelo enrolado e crespo não nega, ele é apimentado, arretado, arteiro, treloso, inventivo. Sobe em tudo , parece aranha. Pula tudo, parece cabrito. Come tudo, parece ema. Corre como um jaguar. Isso com 1 ano e 3 meses. Dorme as 22 hs. Arrasta cadeiras. Puxa as colchas das camas. Abre geladeira e fogão. Vou viajar amanha sozinha com os 2. Achei seu blog ao buscar na internet uma coleirinha infantil. Já disse tudo.
    Acho que cada situação é uma. Meu primeiro não teve cercadinho ou portinhola na cozinha. Esse tem. Com o primeiro não tive armário com portas amarradas, esse tem. Banheiro de porta trancada, com esse tem. Lixeiro em cima do balcão na área de serviço…
    Assim como tento prevenir a mão presa na porta, vou prevenir o sumiço dele. Encoleirado sim.

  15. sinceramente, vc gosta de ser bastante polêmica…chamar a atenção ou outra coisa neste seguimento. Quando uma opinião é dada sobre alguma coisa, esta ligada a suas necessidades somos humanos e esta é uma de nossas características. Mas o que não lhe dá o direito de chamar quem for de sem noção, o respeito pela sua opinião só apenas começará a valer quando vc não desrespeitar a opinião alheia e quando vc dá adjetivos indesejáveis as pessoas vc já cometeu um erro gravíssimo de desrespeito, na sua próxima publicação seja menos agressiva que vc terá uma troca de opinião mais agradável, não sei se é este o seu objetivo, mas seria mas educativo e instrutivo.

      1. Sua resposta só confirma o que Luciana disse que vc é!!! E eu tb lá em cima!

        UMA GROSSA!!!

        AGRADEÇA ÀS COLEIRAS POR TER COMENTÁRIOS NESSE LIXO DE BLOG.

        VAI SE APOSENTAR E TOMAR UM SUQUINHO NA PRAIA, CALADINHA.

  16. vc fala isso pq gracas a deus seusfilhos nunca desapareceram…as maes que tiveram seus filhos desaparecidos, quem sabe até raptados em questão de segundos em aeroportos, estações de metrô, etc. se pudessem voltar no tempo usariam a tal coleira.

  17. Acho um absurdo é as pessoas, nos dias de hoje, condenem medidas de segurança como a coleirinha infantil. A coleira não só proporciona segurança ao pai como também a criança que não tem noção do perigo. Falo como pedagoga e como mãe que precisou usar a coleira por ter uma criança extremamente ativa. Além do mais acho que terceiros deveriam reservar esse tipo de opinião para sua própria prole e não condenar os que dela lançam mão.

  18. A mochila de contenção é uma maneira de dar liberdade vigiada a criança, cuidar de um filho é responsabilidade dos pais, não adianta chorar depois que as coisas acontecem, tem que se previnir, proteger , eu usaria sim, tenho uma filha linda de 1 ano 7 meses, minha vida, meu bem maior, ela gosta de explorar as coisas é curiosa e criança não tem noção de perigo, quem tem que zelar pela segurança dela sou eu.
    Ridicula a maneira que tu expõe o assunto.

      1. Maravilhoso comentário!!!
        Realmente essa pessoa deveria pensar melhor antes de redigir certos comentários! Deveria ao menos pensar antes de postar baboseiras!!!!

  19. Eu acho o seguinte: cada um conhece o filho que tem e as possibilidades e limites que tem para criá-lo. Um pai e uma mãe dão o melhor de si para cuidar de seu filho e é isso que importa. Se este equipamento de segurança – vulgo “coleira” – é útil para mim e para meu filho, ninguém tem que se escandalizar com isso. Soube, por meio de uma médica japonesa, que no Oriente é muito comum o uso dessas “coleiras”. E as mães usam não só para segurança dos filhos, mas também para ajudar a proteger sua coluna contra maiores danos – quando se trata de uma criança que está começando a andar, por exemplo. Bom, todo mundo tem mesmo o direito de manifestar o que pensa, mas tem também o dever de respeitar os outros. Se eu não conheço a vida da Maria, não sei porque ela usa “coleira” em seu filho, que moral eu tenho para criticá-la por fazer isso? Cada um cuide de seu filho da maneira que acha melhor. O importante é que cuide.

  20. Não critico a opinião de ninguém …. mas realmente a pessoa que escreveu o tal texto é, que é a sem noção.
    Pois, os tempos mudaram, no tempo que eu era criança se não obedecesse mão e pai eles chamavam a atenção não importa onde estavam, e não eram criticados, hoje se vc fala em tom um pouco mais alto com seu filho na rua…. meu Deus… vc é condenado.
    se for assim, vamos pensar … mamadeira é errado, chupeta é errado, carrinho de bebê nem se fale, pense porque, vc obriga sua criança a ficar sentada e “amarrada” a um cinto para ela realmente não “fuja ou sair correndo”, isso também não é priva-la de conhecer e explorar o mundo?
    Eu também trabalho, sou dona de casa, mãe e muitas outras coisas mais, e a “mochila de segurança” não diminui o amor que tenho pelos meus filhos, e sim demostra o medo que tenho de perde-los e sofrer sem esse amor.
    Tenho nenê de colo e outra pequena de 1 ano e 9 meses, e muitas vezes meu marido não pode sair junto comigo e o que posso fazer? Pois, não tenho mais minha mãe e muito menos parentes que possam me apoiar, em uma necessidade de algumas horinhas pra ficar com alguma delas pra sair apenas com uma.
    No meu caso estou, e confirmo e afirmo que estou comprando e usarei sim, em locais
    principalmente de aglomeração. Porque são 2 meninas e em quem vou confiar.
    Ah, e só pra completar a minha menina de 1 ano e 9 meses, já é uma “espuletinha” imaginem só eu saindo com a bebê e ela ao meu lado.
    Fica complicado eu correndo atrás da maiorzinha.
    Tenho mais um menino de 11 anos, mas não posso obrigá-lo a ter esse tipo de responsabilidade, se ele já tem seu afazeres e obrigações com escola, esporte e lazer.
    E ele também foi diferente como o filho da Lina, sempre quietinho, não precisou de cercadinho e portinha na cozinha, mas ela é muito curiosa, tudo ela quer conhecer, mexer e por na boca, mas a bebê tenho esperar crescer pra saber …..

  21. Bom eu antes naum gostava nem d imaginar meu filho com isso, mas hj, estou com meu mais velho de 1 ano e 8 meses e o caçula de 2 meses, me vi na triste situação de quase perdê-lo, estava fazendo compras e ao terminar fui entrar no onibus e ao dar o sinal com varias sacolas 1 no sling e o outro sentado, ele desceu e foi indo pra rua, hj em dia isso é medida de segurança, antigamente podíamos confiar nas pessoas hj não, QM me garante q em uma dessas não vão me roubar meu bem precioso, claro há situações e situações não concordo disso ser usado qnd se é uma criança só e não se tem mais ND como no vídeo, carregar o filho e o mais gostoso mais qnd se chega no nivel em q estava é algo necessário não só um acessório.

  22. Gostaria de entender a diferença entre segurar a sua criança com o braço ou com um elástico.
    Pois o meu filho tem 2 anos e não posso deixá-lo solto por aí, correndo o risco de se perder ou ser atropelado. Ao meu ver a dita coleira funciona com uma extensão do seu braço de maneira muito mais inteligente, pois dá maior raio de liberdade para a criança e deixa suas mãos desocupadas para outras tarefas, como carregar acessórios e no meu caso outros filhos.
    Ou seja, ao meu ver dá no mesmo segurar a criança pelo braço ou pela “coleira”. No mesmo nada, com a coleira é mais seguro, mais confortável para ambos e muito mais inteligente.

  23. Vou falar achava isso ridiculo e vergonhoso! Porém hoje sou mãe e pago a minha lingua em tudo que disse!
    Só quem perdeu de vista o filho por uns instantes sabe, basta piscar e acontece! Já ouvi casos não tão felizes, de crianças que correram pra rua e foram atropeladas…mortas!
    Deus me livre! Tô nem ai pra opinião dos outros…a segurança da minha filha em primeiro lugar…se tiver que usar eu uso sem problemas!

  24. Eu não acho um absurdo o uso da coleira. Ano passado morreu atropelado um garotinho que ao atravessar a rua, soltou-se da mão de sua mãe e saiu correndo para o meio da pista! Creio que se estivesse com a coleira, essa fatalidade não teria acontecido!
    Tenho um filho de 1 aninho, e já procuro a coleira para ele!
    Segurança, principalmente para os pequeninos, NUNCA é demais!
    :*

  25. Melhor é perder seu filho na multidão e chorar ate o fim dos seus dias sem saber se esta vivo, com ou sem órgãos ou sei lá o q.. Sem noção, imbecil, arcaica..

    1. Pari e criei quatro filhos. Não perdi nenhum. Dois dos quatro me deram quatro netos. Nenhum se perdeu. Nenhum dos quatro que eu pari, nem os quatro que dois deles me geraram usaram coleira. Arcaísmo é poder que vem de dentro. Imbecilidade se encontra na feira. Sorry.

  26. Após muita procura encontrei a coleira e estou mega feliz por isso, tenho um bebê de 1 ano e 4 meses mega agitado, curioso e quer explorar tudo ao mesmo tempo, impor limites nesta fase não é uma coisa fácil. Temos duas opções, ou tornamos os nossos passeios em família em algo cansativo e estressante já que ele não quer colo e está pesado e grande para ser carregado, não suporta ficar em carrinho e é uma briga para ficar de mãos dadas, ou tornamos tudo em um passeio agradável onde o Gabriel possa caminhar com as próprias pernas em segurança dentro dentro de um limite. Cada um conhece o filho que tem e sabe o que é melhor para ele e para nós, não cabe a nós julgarmos as escolhas de outros pais.

  27. É interessante ouvir a opinião de todo mundo, e principalmente ler o que a Sra dona do blog escreveu, não é porque a sra teve uns tantos filhos e outros tantos netos, e que nuncca se perderam ou aconteceu alguma coisa, que com os “NOSSOS” FILHOS, NÃO POSSA ACONTECER. Eu graças a Deus nunca fui assaltada, mas não é por nunca ter sido que agora vou deixar a porta da rua aberta ou andar sempre com os vidros baixos.
    A escreveu um assunto super polêmico e seria interessante e de bom tom, saber respeitar opinião dos outros, já que a sra não é dona da verdade, e não é mais mãe do que as outras por um filho ou um neto nunca ter se perdido..aliás levante as mãos pro céu e agradeça!!
    A sra já imaginou o que é vc ter 2, ou 3 filhos, normais…sim pq é isso que as crianças fazem, correm, pualm, ter energia demais e vc ter que correr atrás deles, numa praia lotada, ou na Disney, ou num shopping.
    Por isso , usar uma mochila não é assim tão absurdo..
    Absurdo seria maltratar meu filho, mas protege-lo desse mundo cruel , é um ato de amor..
    Boa sorte , no seu proximo tema…a por favor, mais respeito também!!

  28. Tenho uma filha maravilhosa e hiperativa de 6 anos, e um filho espetacular de 3 anos. ESTOU SIM A PROCURA DA COLEIRINHA! Sou mãe o suficiente pra admitir que não é todo dia que consigo correr atrás de duas crianças! Minha filha de 6 anos consigo controlar verbalmente, porém meu filho de 3 anos não! Ele ama parques e bosques! Ama a natureza! Como vou privá-lo de fazer estas atividades que tanto ama, ao ar livre! ELE MERECE ESSE CONTATO COM A NATUREZA! MERECE SE EXERCITAR! MERECE QUE EU FAÇA ISSO POR ELE!
    Estou pouco me importando com o olhar maldoso e comentários impertinentes!
    São as pessoas inflexíveis e sem capacidade de se colocar no lugar dos outros, que fazem do nosso país, do nosso mundo, um mundo egoísta e maldoso com tudo o que é diferente!
    Ser diferente não é pecado! Não é errado!
    MEU CAÇULA TEM AUTISMO! E AO CONTRÁRIO DO QUE MUITOS GOSTARIAM, NÃO VOU DEIXA-LO TRANCADO EM CASA, OU EM UMA ESCOLA ESPECIAL, PRIVANDO ELE DO MUNDO MARAVILHOSO QUE EXISTE LÁ FORA! E QUE ELE, AOS POUCOS, ESTÁ SAINDO DA “TOCA” PARA CONHECER E APRECIAR!
    Este cintinho, É UMA FERRAMENTA VALIOSÍSSIMA PARA MÃES QUE, COMO EU, QUEREM QUE OS FILHOS NÃO SEJAM PRIVADOS DE NADA!!!
    Esta matéria me deixou infinitamente aborrecida! E os comentários endurecidos igualmente!
    PESSOAL! VAMOS ACORDAR! SEJAM MAIS FLEXÍVEIS E ALTRUÍSTAS!
    É MUITO FÁCIL JULGAR SEM VIVENCIAR!!!
    OLHEM MAIS PRA SUAS PRÓPRIAS VIDAS, EM VEZ DE APONTAR O DEDO PARA PESSOAS QUE NEM AO MENOS CONHECEM!!!
    VOCÊS NÃO SABEM O QUE LEVA AS PESSOAS A TOMAREM CERTAS ATITUDES! NÃO JULGUEM!!!!
    #recadodado

  29. Vergonha mesmo é perder um filho!!!!! Quem tem criança sabe bem que em questão de segundos basta virar a cabeça pra um lado por 1 ou 2 segundos e a criança some!”

  30. Mãe sem noção?!
    Se uma mãe perde seu filho de vista em um local super movimentado ou se a criança cai de uma escada rolante do shopping… ou é atropelado Pq soltou da mão da mãe!!! Como essa mãe é chama ? Irresponsável , desnaturada entre outras coisas e vcs são contra a mochila coleira?! Mais vale um filho acidentado … tenho 3 filhos pequenos sendo uma de colo e só tenho dois braços e sou a favor do uso do mesmo é mto mais seguro.

  31. Concordo perfeitamente… Como professora e mãe de três crianças acho “DESNECESSÁRIO”….Pra mim isso é negar a capacidade de desenvolvimento das crianças….e a própria capacidade de comunicaçao e interação dos pais com elas….Acho que a função de nós pais, além de educar é dar limites aos nossos filhos e conferir liberdade… O problema nem é humanizarmos animais… acho que estamos animalizando seres humanos a cada dia…. Daqui a pouco deveriam mesmo inventar focinheiras humanas também… talvez fosse útil pelo mesmo ponto de vista da “coleirinha” já que reagimos a instintos tão só e apenas…. Não acho justo nem com crianças que apresentem problemas mentais… EU ACHO CHOCANTE…. mas ao mesmo tempo natural que aconteça já que na maioria das famílias atualmente percebemos que os papéis dos pais são atribuidos a objetos (TV… Vídeo games… Computadores…) já que não existe mais comunicação suficiente entre pais e crianças “bora amarrar”…. Como mãe acho que essa atitude fere o direito da criança como ser capaz de se desenvolver, de assimilar e reconhecer perigos…. além de sim “constrangê-los, ridicularizá-los ou até mesmo abrir precedentes que possam trazer sofrimentos físicos, moral e emocional”. Para mim é BIZARRO, “além de ser uma criação com tremenda falta de bom senso”. É o que também penso. Como professora e educadora já atendi crianças com situações diversas, com diversos tipos de família e educação… Crianças que apresentavam desde problemas comportamentais até problemas cognitivos e mentais… E infelizmente pude perceber durante os meus primeiros dez anos de contato com essas famílias que o que falta é uma formação para “serem pais”…. Alguns desenvolvem isso, claro que não somos perfeitos mas a busca pela coerência e por desenvolver o papel na educação e crescimento do filho é essencial…. O mundo mudou sim… está mais perigoso sim… mais corrido sim e isso não é desculpa para não nos adaptarmos de uma forma menos agressiva e mais condizente com a nossa capacidade de raciocínio…. É triste ver tantas crianças vindo ao mundo e apenas sendo colocadas no mundo… perdidas… guiadas com cabresto ou totalmente soltas a perigos… em ambos os casos sem o contato e presença “efetiva” dos pais….. que se limitam a dar a presença física, objetos, comida e roupa… Essa imagem da coleirinha só ilustra isso, na minha opinião… lastimável que tantos concordem com esse “PALIATIVO”…. Emoticon unsure

  32. Não sei mas eu aprovo a coleira sim pois quem tem mais de uma criança precisa usar pq meu filho de 5 anos quase foi atropelado saiu correndo e eu estava com a pequena de 1mes e não pude correr atrás então não acho que seja sem noção e uma mãe que se preocupa com seus filhos

  33. Quase não acredito que perdi tempo para ler tanta asneira em um texto só! A pessoa acha que é mega especial só porque pariu 4 filhos e nunca os perdeu?! Não fez mais do sua obrigação, e a propósito cada mãe faz isso a sua maneira. Este blog é feito de substâncias tóxicas, isso sim!

  34. Vi esse acessório em um filme e de lá pra cá, venho pensando que vai ser a 1º coisa que comprarei para meus filhos. além de dar mais segurança para as mães, as crianças ficam mais livres e podem correr e andar soltas como gostam. não vi nenhuma bizarrice ou degradação das crianças. pelo contrario, reforçou a minha vontade de usar uma pois são fofinhas com bichinhos.

  35. serio gente eu tenho uma filha muito sapeca de 3 anos e uma de 4 meses ela na rua quer correr e quando tenho que sair com carrinho fica dificil de andar com as duas estou procurando a mochila guia para ela por motivos de segurança e nao me importo com quem as pessoas vao dizer e minha vida e minha filha e ninguem tem direito de me julgar por querer protege-la

  36. Faça algo realmente bizarro: mostre o seu texto pra uma mãe q’ue perdeu o filho e nunca mais o achou, você não imagina o sofrimento que é ter um filho roubado, perdido, atropelado por simplesmente querermos cuidar de tudo e todos ao mesmo tempo, dentro dos “padrões normais cretinos” dessa sociedade hipócrita, que prefere criticar ao invés de se colocar na pele de quem perdeu uma criança, o ser que mais precisamos proteger nesse mundo perigoso.

  37. Meu Deus. Em que mudo tu vive? Parou na Década passada? O mundo é outro, não venha comparar o mundo de hoje com o que você pariu os seus filhos.. Reparou não ? Os dias são outros, as pessoas mudaram, a vida mudou, houve uma revolução, boa ou ruim aos seus olhos, mais houve. Por isso que muita coisa ainda esta na ”merda” pq pessoas como você não evoluíram com o mundo. O que ti faz pensar que é mais mãe que ”eu” pelo fato de não ter usado ”coleira”?? Só pq naquela época as crianças rolavam com 6 meses, engatinhavam com 1 ano e andavam com 2 .. a educação era sim totalmente diferente, e talvez tu não precisasse da tal ”coleira” . Hoje crianças com 10 meses ja andam, praticamente falam… (meu filho) são mais ”precoce” podemos dizer… Felizmente ou não, hoje é assim.. uma criança de 2 anos sabe usar um Smartphone melhor que um adulto. Não tem como comparar querida. O mudou mudou, evoluiu e sendo assim, temos que caminhar junto dele.. evoluindo e aprendendo. Tenho certeza que seus netos quando lhe derem seus bisnetos talvez façam uso da tal ”coleira” afinal, o mundo já será outro! EU USO COLEIRA SIM! PORQUE O QUE REALMENTE IMPORTA É O AMOR. E MEU FILHO TEM MEU AMOR, E MEU AMOR FAZ COM QUE EU QUEIRA SUA SEGURANÇA E SEU BEM ESTAR.

    1. Querida, seu nível argumentação dá pena. Por isso me dou ao trabalho de responder, coisa que raramente faço, qdo o comentário é nesse tom. Continuo achando que para ser mãe e pai, as pessoas deviam se preparar emocional e psicologicamente. Para o seu próprio bem e do filhos que vir a pôr no mundo. Cuide-se e boa sorte.

      1. Nossa Mineira, seguindo essa sua linha de raciocínio eu também queria que todos fôssemos perfeitos!! Excelente comentário! agora desça pro mundo real, please, planeta Terra chamandooooo

  38. tal mineira eu tenho trigêmeos e graças a essas coleiras posso sair com eles na rua. Conduta coercitiva é deixa-los trancados dentro de casa.
    Uso desse artificio porque acredito que seja melhor conte-los do que ter que chorar por um acidente ou mesmo uma morte. Mais amor com as mães, por favor, que já são julgadas e condenadas.
    Se você (enquanto não especialista na area) não gosta ou não agrada aos seus olhos, ok, pode falar que não concorda, que não gosta, ok. Agora falar que é coisa de gente sem noção, será que não está faltando um pouco de noção você?. Sem noção é dar refrigerante pra crianças e terceirizar educação, é não dar amor. Proteção não é falta de noção. Você como formadora de opinião deve ter mais cuidado com o que escreve.
    Seja feliz

  39. PRA QUEM N TEM FILHOS… NUNCA PERDEU UMA CRIANCA NO SHOPPING … PODE SAIR LIVREMENTE ETC ETC ETC….

    PRA QUEM ALEM DE TUDO ISSO AINDA ACAHA QUE SEU FILHO JUNCA FARRÁ BIRRAS WTC ETC ETC

    E ALEM DISSO AINDA ACHA Q DIREITO DE LIVRE ESPRESSAO EH FALAR: QUE TAL UMA FOCINHEIRA PROS PAIS??? VC ESTA DE PARABENS MSM….

    Sem mais acho q vc eh ibteligente p entender minha ironia!!!!

    vc pode falar sim o 1ue quer…. e atr legal nao concordar …. mas n ofenda pois v n sabe o q se passa com o outro ok????

    obs; meu filho ama a sua “coleira” pois quando vou olhar algo posso olhar sem a “coleira” ele fica limitado a NADA!?

  40. Opinião é que nem bunda… cada um tem a sua…rs
    As coleiras são úteis sim e quem não gosta não use… simples.
    Não vejo correlação com a “criança e um cachorro” só por usar o acessório… é apenas uma ajuda para aumentar a segurança dos pequenos e cabe aos pais, e somente a eles, a opinião se isso é bom ou não a seus filhos.
    À escritora do texto, apenas sugiro mais educação e feeling para escrever, assim em suas próximas publicações os comentários serão mais agradáveis…kk

    1. No fim da notícia tem um curto vídeo ilustrando a maior preocupação de todos os pais que aqui discordaram desta publicação… se fosse eu a mãe do ocorrido no vídeo, sairia dali direto para comprar uma “coleira”, pois sem ter passado tamanho susto já estava procurando uma quando me deparei com essa “opinião interessante” (ou infeliz…)

      http://m.noticias.ne10.uol.com.br/mundo/noticia/2016/07/06/mae-salva-filha-de-rapto-e-video-bomba-na-web-policia-alerta-cuidado-em-locais-publicos-624624.php?v=mobile

      1. Permita-me discordar: o que a matéria diz é que a orientação e a atenção de mães e pais protege as crianças. “Coleiras” ou “mochilas de contenção”, como queiram, não substituem o cuidado, apenas reduz o trabalho.

      2. NADA substitui o cuidado, não seria pra por a “coleira” e amarrar no pé da mesa, mas não vejo crime recorrer a facilitadores do mesmo. Se a criança estive contida por algum dispositivo de segurança possivelmente nem teriam feito a tentativa de levá-la. Ou no muito, se o tivessem feito, não teriam sequer conseguido retirá-la da loja…. enfim não vejo problema em facilitar. Mães ja são tão cobradas e tão julgadas enquanto não fazem nada além de amar seus filhos e tentar acertar. Não há receita de bolo pra formar um outro ser humano, HUMANO, em toda essência do termo. Uma frase que compreendi profundamente depois que me tornei mãe é que é muito fácil criar o filho dos outros. Pessoas ao nosso redor, humanos e falhos com nós, (talvez não nos mesmos aspectos, mas ninguém é perfeito, não é mesmo?) têm sempre um alfinete nas mãos. Dedos apontados…..
        Sentimento raro nos tempos de hoje é compaixão…. como diz um ditado em inglês “walk on someone shoes….” Ninguém anda disposto a parar dois minutos, fazer uma reflexão, se imaginar no lugar daquele outro ser humano, nosso semelhante. É muito mais fácil julgar e ofender… não, não estou falando de discordar, de ter opiniões distintas. Isso é um direito de todos nós. Mas a moda hoje é confundir o direito de discordar com o de ofender o nosso próximo. Já damos o verdicto antes das explanações, o fazemos de forma cruel, ofensiva…. Pré julgamento, preconceito. O mundo vai ficar muito difícil para as gerações futuras, com coleiras ou sem elas, infelizmente….

      3. NADA substitui o cuidado. Não é pra colocar uma “coleira” e amarrar no pé da mesa e deixar pra lá… no entanto não vejo problema em recorrer a um facilitador desse cuidado. Afinal as mães ja são tão julgadas e condenadas enquanto não fazem nada além de amar seus filhos, buscando acertar, nem sempre conseguimos….
        Uma frase que compreendi de maneira bem profunda depois que me tornei mãe é que “é muito fácil criar vo filho dos outros”…. pessoas aí nosso redor, humanas e falhas como nós (talvez não nos mesmos aspectos, mas fato que ninguém é perfeito) estão sempre a postos com um alfinete em mãos. O que falta é compaixão… Como diz um ditado em inglês: “walk on someone’s shoes”. Se colocar no lugar do nosso próximo, compreender a realidade de cada um, parar dois minutos e refletir antes de atirar a pedra, ido é difícil. Fácil é ofender, julgar… não, não estou falando de discordar, isso é direto de todos. O que muda é a forma como discordamos…. temos frequentemente confundido o direito de opiniões diversas com direito de atacar e ofender outros seres humanos, o mais grave: na maioria das vezes sem conhecê-los! Pré julgamento, pré conceitos, preconceito…. O mundo intolerante, de juizes e carrascos, ainda vai ficar muito difícil para as gerações futuras, com coleiras ou sem elas….

  41. Que mentes tão pequenas. Talvez não tenham um problema grave de saúde, ou nem conheçam ninguém( e ainda bem). Mas podem dizer-me como faria para ir passear com a minha filha? Se tenho doença de pompe,não consigo correr e mal a consigo pegar ao colo… Fico à espera do papá? Pois é o que tenho feito. Infelizmente ainda não tive a coragem para lhe comprar uma trela por haver pessoas com a sua opinião e não ter que ser olhada como uma extraterrestre. Admiro quem a use para segurança das suas crianças e eu limito-me a ver o parque da janela de casa. Mas isso vai mudar. Pela minha filha( que é mais importante que estas e todas as opiniões do mundo). Fiquem bem.

  42. Vanessa Quarta-feira,20 de Julho de 2016

    Ao analisar e criticar as soluções de segurança criadas para o mundo moderno, e muito importante que o critico leve em consideração o contexto, as cidades e realidades aonde são utilizados. O trafego e o índice de abdução de menores que enfrentamos hoje, não e o mesmo que nossa sociedade enfretara 30 anos atras. Nossas experiencias pessoais não bastam para julgar as dificuldades alheias, nossas qualidades não nos colocam em posição de julgar necessidades físicas e emocionais que desconhecemos.
    Nao são poucas as deficiências que atingem nossas crianças neurologicamente, e por consequência afetam diretamente seu julgamento do que e certo ou errado, seguro ou mortal. Pais sob constante stress e pressao emocional, crianças hiperativas… Meu sobrinho, por exemplo, e autista, gosta de correr entre as multidoes e espacos livres; ao ver carros e cachorros de rua (mesmo o mais sujos ou bravos), fica tao feliz que se lança na direção dos mesmos sem nenhum medo.
    Eu procurava na internet, uma cinta guia para crianças acima de 6 anos e adultos e infelizmente não encontrei. Encontrei sim, este blog, onde opiniões egóticas baseadas em um passado remoto que não reflete a realidade global que vivemos, ridiculariza soluções de segurança utilizadas e aprovadas em todos os países do primeiro mundo onde a educação e a saúde vem em primeiro lugar, alem de e claro, por aqueles que os utilizam.
    Porque não admitir? _ existem muitos pontos de vista que não levei em consideração no momento em que escrevi meu artigo e me desculpo se minhas palavras diminuíram ou ofenderam mães por todo Brasil?
    Todos erramos, e humano. Vamos viver em paz. A compaixao de todos e benvinda.
    Por favor se alguém souber aonde posso adquirir um guia para criancas acima de 6 anos, informe.

  43. Fiz uma viagem internacional com 5 malas, meu filho de 3 anos, e sem ninguém para me acompanhar. Nao pensei duas vezes! Usei o CINTO PEITORAL INFANTIL (este é o nome correto, pois coleira é para pescoço) Foi a melhor coisa que fiz! E isto foi há mais de 10 anos atras! Portanto cada um sabe de sua situação! Parabéns aos pais que tem coragem de quebrar tabus e evoluir!

  44. Ja passei por aperreios num aeroporto lotado, pq o meu filho nao anda. Ele corre. Mesmo com conversa, orientaçao, combinados, ele corre! Afinal é uma criança! E houve um momento em que eu o perdi de vista. Foram os 10 segundos mais longos da minha vida! Nessa hora, desejei do fundo do coraçao ter uma mochila dessas.

    Sinceramente, prefiro ouvir criticas do que conviver com a dor de perder um filho na multidao.

  45. Que bosta de Blog, so li uma parte, desse besteirol, mas sou a favor da coleira como a tal mineira escreve, os tempos são outros quando ela teve os filhos dela, não era desse jeito, hoje o safado rouba criança a luz do dia , imagina deixar a criança solta em lugar movimentado. Se atualiza e procura assuntos mais produtivos.

  46. Não usei em meus filhos. Mas usaria nos dias atuais. Basta um piscar de olhos para uma criança desaparecer. Não importaria o que iriam pensar os ignorantes, desde que meus filhos estivessem protegidos Se fosse habito aqui como é nos Estafos Unidos ninguém iria se importar, seria normal. Mas como em tudo, estamos sempre atrasados !!!!!!

  47. Tenho trigêmeos e foi a primeira coisa que comprei do enxoval.
    Meus filhos são meu bem maior. Quando eram pequenos e precisava sair com eles ou viajar, meu marido e eu usamos muito.
    As minhas crianças são tratadas com respeito e esse item de segurança sempre foi muito bem utilizado por nós.

  48. Norma é um termo que vem do latim e significa “esquadro”. Uma norma é uma regra que deve ser respeitada e que permite ajustar determinadas condutas ou atividades Leia mais: Conceito de norma – O que é, Definição e Significado http://conceito.de/norma#ixzz4SdqR3bP3.
    O ser humano está atrelado a sua Norma! Quem cria a Norma são os indivíduos de uma cultura; se a cultura brasileira diz que é normal, a maioria das pessoas assim também iram aceitar; talvez soe mal, por ser popularmente conhecido como coleira, mas na verdade a definição de coleira é outra convenhamos, coleira é utilizada no pescoço, definição de coleira:
    1-nas antigas armaduras, resguardo de couro, ou de outro material, para o pescoço.

    2-peça ger. de couro com que se cinge o pescoço dos cães e de outros animais.

    Partindo desse pressuposto, podemos entender porque as certas pessoas ficam assustadas com mudanças certas que, antes não eram normais. Vale salientar que, A Norma é passiva há mudanças, ou seja, o que hoje não é normal amanhã poderá ser, isso vai depender da cultura.
    Outrossim, devemos está abertos a mudanças, não demonizando as escolhas das pessoas! A principio sou pai e vou comprar um “guia” para meu filho.

  49. Questão de segurança pura e simples!
    Atualmente, com toda essa onde de crianças sendo arrancada de suas mães por sequestradores e toda essa onde de violência, a tal “coleira” se tornou um acessório bastante útil.

  50. Se você não quer usar no seu filho, algo que proteja de quedas, tudo bem. Escolha sua. Se no seu tempo não havia tecnologia e alguém que pensasse nas necessidades dos pais, tudo bem também.

    Mas alardear essa segurança, que pode sim se usada para segurança de crianças é um absurdo.

    Recursos são recursos. Exemplo: “No meu tempo não havia luz e criei 20 filhos sem essa frescura”. Viva sem luz hoje então?! Não vive, né?! Pois é … cada tempo tem seus recursos, não usar porque há tempos não havia ou porque os mais antigos não tinham, é muita burrice.

    Burrice e despeito, pois não importa como você criou seus filhos na época dos Flintstones, hoje, temos recursos e vamos usar para segurança, praticidade e não por assustar gente idiota como você que fala algo que desconhece. Quando é desse jeito, deve botar birra de café no umbigo da criança e diz ser a melhor prática. Volta pro Jurassic Park alma sebosa.

  51. E no caso de crianças especiais aonde o uso de guias e conectores são recomendadas, e muito duro vc andar e ver as pessoas julgando, quando no caso a guia faz parte de um treinamento e muitas mães nao usam pq tem vergonha e acabam nao levando os filhos em lugares públicos por medo de que algo aconteça e isolando eles em casa. Então antes de julgar que tal perguntar a essa me dessa criança de 6 anos se não e caso , o meu tem 4 é autista e usa um conector rx que lhe foi prescrito e também uso a mochilinha guia por necessidade, treinamento e segurança. bjs

  52. Talvez pensando em neuro típicos fica fácil julgar essa ação.
    Você conhece o mundo autista?
    É compreensível um cadeirante usar cadeira de roda, uma criança que não enxerga bem usar óculos, as que necessitam de aparelho odontológico que parecem guia de cavalo… Objetos que também causam motivos de piada e constrangimento em muitos casos e no passado era motivo de violentas “brincadeiras” na escola.
    Autista nunca adquirem medo, essa atenção espacial que utilizamos para atravessar a rua por exemplo. Para evitar mortes e acidentes foi elaborado essa coleira e também existe uma que fica anexo ao cão guia. Muitas vezes em meio a uma crise a criança ou adulto pode sair correndo, gritar, pular e acabar se machucando. Como os EUA é pioneiro nas intervenções médicas, logicamente apareceu por la a coleira. E o nascimento de crianças com autismo vem aumentando assustadoramente, sendo uma doença que não tem cura e sim tratamento e adestramento (no sentido literal, por exemplo a criança aprende que tem que atravessar no farol, se na quadra onde ele tem que atravessar não tiver farol ele não atravessa).
    Se preferir pode buscar na Internet o cão guia para autista do fantástico no mês de Janeiro, a criança que fugiu da Apae e foi encontrada morta, entre tantas outras informações.
    Como mães é um bicho curioso, logicamente que ao ver alguém usando a coleira achou legal e começou a usar também em seus filhotes. Talvez após um susto ao perde -los no corredor do mercado ou coisas do tipo. Ou será que vocês ou os seus pais nunca saíram gritando o nome, no meio de todo mundo e passou aquela bronca aos gritos para não fazerem mais.
    Se buscar na Internet aqui na minha cidade Campo Grande MS, teve um acidente no shopping uma criança caiu do 2 andar depois que a mãe se destruiu e não percebeu que ela passou pela grade de segurança. Tem também casos no mundo todo de crianças que foram lançadas após brincar na escada rolante.
    “Não sou contra nem a favor muito pelo contrário”
    Mãe de uma alma azul! Bjs

  53. Pegue um bebê (muito ativo) de mais ou menos um ano e meio, saia com ele em uma avenida movimentada, considera os riscos de sequestros e atropelamento, fora ter que ficar correndo atras dele….depois da experiencia
    me diga se isso é uma bizarrice ou segurança para a criança.

  54. Ridícula a sua matéria. Fora de contexto e baseada única e exclusivamente na sua opinião, ou seja, sem dados suficientes para comprovar a eficácia do produto ou não…isso é claro..se você for uma pessoa crítica…caso contrário…” a mãe competente da moça seria a referência perfeita”. Quando eu tinha 6 anos de idade estávamos indo a padaria e minha mãe soltou minha mão por um breve instante, sem perceber, e em um piscar de olhos, eu me perdi, lembro do desespero dela e do meu…obviamente ela retornou logo… ufa…que alívio…segundo os padrões expostos por você…o ocorrido faz dela uma mãe incompetente…o que está longe da verdade…mais ok?! Segundo você por um momento de distração ela seria uma mãe incompetente …mas para nós…meros mortais…que não somos donos da verdade…isso é algo a que estamos suscetíveis a todo momento…ninguém está livre de cometer erros. Tenho um filho de 2 anos e uso sem o menor problema. Mesmo que tenha que ser julgada por pessoas como você…eu faço tudo que estiver ao meu alcance para garantir o máximo de segurança possível ao meu filho e a mochila é uma boa aliada. Se você é uma mãe incompetente como a minha, como eu, e como milhares de mulheres por aí…e ainda são mães solteiras, e precisam fazer absolutamente tudo com seus filhos do lado…experimente. Não julguem o produto pela opinião de terceiros, a contar com a minha, simplesmente use. Se gostar, ótimo. Se não, tire o cinto de segurança e ela vira uma mochila usual para o seu baby. Linda por sinal. Eu testei e aprovei. Prefiro enfrentar os olhares críticos, o que para mim nunca foi um problema, a ter que chorar pelo um filho desaparecido, machucado ou seja lá o que for.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s