Um poema para embalar o Natal

por Sulamita Esteliam

Todos os dias são dias de Natal, mas a data instituída costuma nos deixar mais comovidos, mais propensos a confraternizar, dividir, solidarizar-se. Talvez para tranquilizarmos um pouco nossas consciências. Melhor um dia do que dia nenhum, não é mesmo?

Natal, para mim, é família e os amigos queridos, que carrego no coração. É oportunidade de refletir sobre as razões de estarmos aqui, sobre a renovação, o ciclo e a finitude da vida. Pois, afinal, nascer é morrer um pouco a cada dia. E a esperança de renascer é o que nos faz seguir adiante.

Saúde, harmonia, alegria. Muita Luz.

E obrigada pela companhia.

Compartilho um poema que cometi em 2002.

Feliz Natal!

Quereres

Queria um poema que gestasse o amor

– a força transformadora que nos faz transgredir,

feito crianças em mesa de doce.

Queria um poema que falasse de esperança

– a mágica que nos leva a acreditar

que é possível renascer a cada dia.

Queria um poema que cantasse a solidariedade

– a energia que nos faz dividir a dor

e multiplicar a alegria.

Queria um poema que transbordasse paz

– essa quimera que a humanidade busca

e o homem descaminha.

Queria um poema que produzisse música,

capaz de nos aproximar dos Anjos

e de nos fazer sentir um pouco Deus.

Queria um poema que celebrasse a vida,

pois que efêmera, e preciosa rival da

violência da desigualdade.

Queria um poema sem porquês.

Porque o instante existe, já cantou Cecília

– e é o bastante, mesmo que incompleto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s