Chico Science para sempre

por Sulamita Esteliam
Chico na visão dos grafiteiros - Imagem capturada no Okjuko.blospost

Chico Sciense nasceu a 13 de março de 1966. Mas costumamos nos lembrar, apenas, da morte que o levou aos 31, dia 02 de fevereiro de 1997, de maneira absolutamente estúpida. Mas sou daquelas que acredita que ninguém vai de véspera.

E é dele que vou falar, hoje. Ando com preguiça de escrever sobre política – embora, bem sei, não devo fugir para sempre. Até porque, tudo, ou quase tudo, na vida é política, inclusive a omissão, para mim a forma mais perniciosa de exercê-la.

Vida breve e profícua, a de Science. Vida eterna. Os astros não morrem. A obra fica, a herança se multiplica. A arte de liquidificar as raízes pernambucanas com o pop, o rock, o black, o hip hop, o funk, o soul proliferou. Estética social. Josué de Castro arte-musical. Mangue Beat. Maracatu Atômico. Da Lama ao Caos, do Caos à Lama. Menino-homem-caranguejo, afrociberneticamente contagiante.

Vou parar por aqui. Melhor vê-lo e ouvi-lo:

1. Manguetown:

2. Da Lama ao Caos, com Nação Zumbi na TV Cultura:

3. A Cidade – com Nação Zumbi

***************************************

Para quem quer saber mais, há um Especial Chico Sciense produzido pelo Jornal do Commercio. Estão lá  informações sobre a carreira, discografia, uma galeria de fotos e opiniões de gente abalizada – aqui.

No blogue O Kduko.blogspot, uma seleção de arte com a figura de Science. Homenagens de artistas brasileiros – grafiteiros, pintores, ilustradores – aqui.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s