A volta do cipó de aroeira…

por Sulamita Esteliam

Vem de Minas, presente da minha amiga-irmã, Eneida da Costa, digníssima presidenta do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, o artigo que posto abaixo. Vai direto ao ponto, e poderia ser assinado por esta reles escriba. Entretanto, sob a minha pena, poderia ser interpretado como racismo, conforme aludi em postagem sob a figura de Joaquim Batman Barbosa, ora presidente do STF, aqui no blogue, por ocasião das últimas eleições.

O chicote e o lombo

Eneida da Costa*
Joaquim Barbosa, ministro-presidente do STF -Foto capturada no Blog Reflexões
Joaquim Barbosa, ministro-presidente do STF -Foto capturada no Blog Reflexões

Joaquim Barbosa teve um choque de realidade. Recebeu a carta de demissão, sem direito a discurso elogioso do chefe, que passou os últimos dias bajulando. A mídia para quem protagonizou, ao vivo, em cores e sem corte, o show da Ação Penal 470. 

Superando o que Mac Luhan profetizou, teve seus minutos de fama. Dormiu acalantado pelos afagos dos capitães da velha mídia. Foi até capa da “Veja”, vejam só onde o menino preto e pobre foi parar.

Sentiu-se Batman, o invencível. Aquele que se safa de todos as armadilhas. Acreditou-se paladino. Afinal, ele tinha o amor e admiração da mídia. Foi ao paraíso, mas se esqueceu de colocar tampão de ouvido e caiu no canto da sereia.

Num episódio de rompante, perdeu as estribeiras. Foi do céu ao inferno. Convicto da sua blindagem, certo de ser amigo dos reis da imprensa, sentiu a traição quando um repórter do Estadão, logo do Estadão, aquele mesmo que informou sobre os hábitos mundanos do ministro, começou a xeretar sobre o uso do dinheiro público por Barbosa e seus pares.

Barbosa cometeu um ato contra o direito ao trabalho. Impediu o repórter de fazer seu trabalho e, o mais grave, atrapalhou o negócio dos seus, então, mais novos amigos. 
Barbosa teve um encontro antropológico com a casa-grande. Do alto da presidência do STF levou, como seus ancestrais escravizados, o chicote no lombo.

A elite canalha mandou o recado, seu papel no show da vida mudou. Você não é mais o cara que segura o chicote. Você não é Django Livre. Você é o negrinho atrevido que ousou entrar pela porta da frente da casa do sinhô. Mico de circo, seu número venceu. Se manca.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s