As aventuras de Monteiro Lobato na família

por Sulamita Esteliam
Imagem capturada na rede
Imagem capturada na rede

Vou mudar um tiquinho de assunto. Hoje é Dia Nacional do Livro Infantil, data instituída em homenagem ao nascimento de Monteiro Lobato, desde 2002. Se vivo fosse, o – para mim – maior escritor brasileiro do gênero, faria 131 anos. Missão impossível a qualquer mortal, ainda. Quanto mais homem. As mulheres são mais longevas, talvez porque caiba a elas levar a família no lombo.

Claro,  não nos esqueçamos de Matusalém, Noé  e outros personagens bíblicos, que teriam beirado a casa dos mil anos. Acredite quem quiser, que explicação não há.

(No Google, descubro que a pessoa que mais tempo ficou no Planeta, comprovadamente, foi a francesa Jeanne Calment. Viveu 122 anos e 164 dias, segundo o Guiness. Nascida em Arles, a 21 de fevereiro de 1875, só se despediu do mundo a 04 de agosto de 1997. O japonês Jiroemon Kimura, se ainda vivo estiver, completa 116 anos neste 19 de abril, e mantém recorde dentre os homens, também segundo o livro que registra feitos extraordinários de todo naipe).

Dizem que a curiosidade matou o gato. Não o daqui de casa, que despencou do quinto andar, ficou meio descadeirado e deprê por alguns dias, mas sobrevive sem qualquer sequela. Por certo, gastou ao menos duas de suas sete vidas. Mas essa é outra história, que, pensando bem, dá uma boa estória infantil – o Jeik e suas peripécias. Qualquer dia desses escrevo.

Livro é algo que sempre povoou a minha vida. Não exatamente desde a tenra infância. Ainda que minha mãe, vez por outra, lesse e, quase sempre, contasse e cantasse, e até inventasse, histórias para nós, os quatro rebentos que logrou parir – três dos quais mulheres. Fazia o mesmo com sobrinhos e sobrinhas, e o fez com os netos e netas que recebeu em vida.

Repeti a façanha, também no semear leitura, e livros, para filhos e netos. Não obstante, devo confessar: todos leem menos do que eu gostaria de alardear.

Minha mãe me fazia ler em voz alta, e corrigia minha pronúncia das palavras e a entonação da frase. À época, dona Dirce, sequer, havia terminado o curso primário – só o fez quando eu, a primogênita, já ia em adiantada adolescência. Minha mãe, em toda sua simplicidade, era letrada, porque sempre gostou de ler – e de escrever.

Viagemaoceu1edicao1
Viagem ao Céu: capa da primeira edição, em 1932

Lobato me chegou através da escola. Viagem ao Céu foi o primeiro livro que ganhei, de dona Dáurea, minha professora do quarto ano primário. Presente que levei para casa como troféu, após eleição para o Clube de Leitura da sala. Fiquei em segundo lugar na votação dos colegas, e tornei-me bibliotecária.  Partilhei o tesouro com minha mãe e meus irmãos.

Ilustração original e trecho do livro
Ilustração original e trecho do livro

Narizinho e sua boneca falante, Emília. As peripécias de Pedrinho e o sábio Visconde de Sabugosa. Dona Benta e suas histórias fantásticas. Tia Anastácia e os bolinhos de chuva. As malvadezas desastradas da Cuca. As traquinagens do Saci. A mágica da literatura invadiu minha vida para sempre, como o pó de pirlimpimpim …

A imaginação de Lobato tomou minha vida e frequentou minha casa anos a fio. Foi tema de festa de aniversário dos 5 anos de Gabi, a segunda, que acaba de completar 36, neste 17 de abril. Os personagens ganhando vida no quintal de casa, transformado em Sítio do Pica-pau Amarelo.

Gabi encarnou Emília com perfeição. Gabriel Felipe, primo-sobrinho, de Visconde vestiu sua primeira fantasia, para junto comemorar seus 2 anos. Meu irmão, Lalá, encarou o Saci, tia Luzia, tornou-se Tia Anastácia, minha mãe transmutou-se em perfeita Dona Benta.

Mas nada como a entrada triunfal da Cuca, envergada com espalhafato pela prima-irmã Raquel, mãe do Biel. A encarnação da Cuca, com fantasia criada com tal apreço aos detalhes – pela habilidade da minha amiga-irmã de infância, Dora -, espalhou super-heróis e super-heroínas pelos quatro cantos do quintal. Situação hilária, e também constrangedora: foi um custo convencer algumas crianças, apavoradas, que “A Cuca” era de mentirinha.

O Sítio do Pica-pau Amarelo foi a primeira coleção que adquiri para meus filhos, a pedido deles – e à prestação. Lembro-me que tive algo a fazer na reitoria da UFMG, e levei comigo as crianças, que eram duas, então. Morávamos no Bairro Ouro Preto, na Pampulha, e fomos a pé. É uma boa caminhada, coisa de três quilômetros.

Argumentei com as crianças que não havia grana para o táxi, e que seria complicado levar os livros – oito, com cerca de dois palmos de comprimento por um e meio de largura, em capa dura – no braço. “A gente carrega, mãe”, prontificou-se Elgui, o mais velho. “É, eu ajudo, mãe, por favor, por favor…”, ajuntou Gabi.

Não tive remédio, cedi – e com gosto. Negociei com o livreiro o pagamento em cheques, com dez dias para o primeiro. Abrimos a caixa que embalava os livros, dividimos a carga, e cruzamos o Campus, e depois o bairro, levando à cabeça o nosso tesouro encantado. Encantados, todos nós, com as delícias que teríamos pela frente.

Sim, os filhos de Gabi herdaram a coleção, cedida pela caçula, Babi. Menos o volume Emília no País da Gramática, que foi “doado” pela terceira, Carol, à turma da Escola Classe onde ela cursou a terceira série, em Brasília.


2 comentários sobre “As aventuras de Monteiro Lobato na família

  1. Tempo bom em mana?Com festas melhores ainda. E nada como ter uma memória privilegiada para relatar adoravelmente com minúcias cada alegria desta época.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s