No reino da insensatez, violência é combustível

por Sulamita Esteliam
Cenas de barbárie entre as torcidas do Vasco e do Atlético-PR -Foto capturada no Blog do Juca Kfouri
Cenas de barbárie entre as torcidas do Vasco e do Atlético-PR -Foto capturada no Blog do Juca Kfouri

Fim de semana e segunda-feira quentes, literal e metaforicamente. De fato, é verão no Recife, mas disso não reclamo. Sou filha do calor e das festas, e no dezembro que inauguro nova idade, e a tal da boa (bem na antevéspera do fim, registre-se), mereço um estação como se deve.

O que incomoda é a insensatez. Não falo apenas da escatologia da violência, da estupidez que confirma a animalidade a se sobrepor ao homem, como a que assistimos na partida Atlético do Paraná x Vasco, em Joinville, sábado último. O castigo vem a cavalo.

Queria só entender o porquê de, ao invés de lamentar a besta-fera solta – a matar o espírito esportivo que estimula -, as vidas quebradas em pontapés, socos e porretes, os comentaristas se fixem no mantra, desconfio que com patrocínio: “… e este é o país que é sede da Copa do Mundo 2014!”.

Como se outros países-sedes de Copa do Mundo não tivessem assistido, nunca d’antes, em suas partidas futebolísticas, espetáculos execráveis de violência explícita; a Inglaterra, por exemplo, para ficar no reino das coisas representadas…

Ora, francamente! Vai manipular assim na casa da mãe-Joana…!

Por que não falam das vidas quebradas pelas exigências para contentar o padrão-Fifa de promover competições? Pegue qualquer capital-sede e confira o que acontece com quem está no caminho das arenas reluzentes e da tal mobilidade urbana – necessária, mas a que preço?

E onde está o nosso jornalismo, mais amarelo do que verde?

Muito bem, este é o país do futebol, da seleção pentacampeã mundial, e é hipocrisia criticar o esforço para receber o Mundial de Futebol. Concordo plenamente. Ainda que os recursos pudessem ser melhor aplicados – em saúde e educação, por exemplo, não podemos negar a alegria de uma partida de futebol.

Mas, cadê o Zé Povinho? Está onde sempre esteve, diriam os menos avisados. Pois não é mais assim: hoje tem pão, mas já não tem circo. Quem pode pagar o preço do ingressos das arenas reluzentes?

O Zé Povinho foi expulso dos estádios, e deve contentar-se com o telão dos arredores, se quiser sentir o clima mais de perto. Do contrário, tem ao seu dispor a imagem da TV comprada na expansão do crédito, em 10 vezes sem juros aparentes. E tá ruim!?

Se antes vendia o almoço para comprar o jantar, agora nem negociando as três refeições – que boa parte já consegue fazer -, durante um mês, consegue atravessar os portões de um desses templos-padrão. E se entrar, vai ter que matar a sede com água de torneira, se tiver né. Soube que uma garrafa de água mineral custa a bagatela de R$ 6.

E não falo apenas de jogos em competição internacional, do naipe da Copa do Mundo ou da finada Copa das Confederações. Refiro-me a ver seu time jogar pelo campeonato local, mesmo.

O Independência, por exemplo, caldeirão onde o meu Galo é cozinheiro; no máximo, pode vir a ser usado como campo de treinamento de uma seleção que venha a jogar em Beagá. Passou por severa reforma, ficou bonito que só. Há dois anos está no rol de primeiro nível. Mas, a R$ 30 o preço mínimo do ingresso, o geraldino mal pode chegar perto.

Se no Horto é assim, que dirá nas arenas da Copa.

Talvez, seja justamente isso que deixa essa gente feliz…

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s