Blindagem na mídia, proteção policial e judicial, e aí?

por Sulamita Esteliam

Há dias assim: sua cabeça gira, gira, e não consegue fixar-se num objetivo. Escrever, nessas condições, é quase impossível. Hoje é desses dias, está difícil.

Mas não posso começar a semana de trabalho gazeteando postagem no blogue. Então, rapidamente, reproduzo entrevista que encontrei no Vi o Mundo. A colega Conceição Lemes entrevista Rogério Correia, deputado estadual pelo PT mineiro, líder do Bloco Minas Sem Censura.

A conversa se dá em torno da blindagem, via censura/omissão, da imprensa que beneficia o 1º Neto, assunto já abordado em outras postagens do A Tal Mineiraaqui por exemplo. O gancho é a invasão de que foi alvo a casa da jornalista carioca, Rebeca Mafra, semana passada, a pedido do Ministério Público. Ela foi acusada de integrar “quadrilha virtual” destacada para difamar o candidato tucano à Presidência da República, o senador Aécio Neves (MG).

Sim, entre as pessoas acusadas de forma a tal “quadrilha”, está uma professora do Instituto de Filosofia da UFRJ – aqui.

Bom, transcrevo a matéria:

Rogério Correia: “Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado”

publicado em 15 de junho de 2014 às 19:16

 

Rogério-Correiaaecio-e1398133262355

por Conceição Lemes 

Nessa semana, a pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, a jornalista Rebeca Mafra, do Canal Brasil, teve a casa invadida por policiais e apreendidos um computador, dois HDs externos, pen drives, um iphone sem uso, chips de computador, CDs de fotos e um roteador.

A acusação é de que ela e outras quatro pessoas fariam parte de uma espécie de “quadrilha virtual” organizada para difamar nas redes sociais o senador e candidato do PSDB à Presidência da República Aécio Neves.

Rebeca, além de não conhecer os demais acusados, nunca falou nada de Aécio nas redes sociais.

Em entrevista à TVT,  Rebeca confirma que a denúncia partiu do senador tucano.

“Uma denuncia feita pela assessoria de imprensa dele, diretamente ligada à candidatura”, frisa. “Pelo que eu soube, foram 17 buscas e apreensões no Rio. No mandado que tinha o meu nome eram mais quatro pessoas.”

Nenhuma novidade para jornalistas e políticos mineiros. Não à toa deputados estaduais  criaram o bloco parlamentar de oposição Minas Sem Censura (MSC), integrado por PT, PMDB e PRB.

“Aécio não tem limites, é um perigo à democracia. Em Minas, não há democracia. O que existe é um poder de exceção feito a partir do dinheiro e do poder”, denuncia Rogério Correia, deputado estadual Rogério Correia (PT-MG) e vice-líder do MSM.  “O que acontece hoje em Minas é uma amostra do que Aécio fará no restante do Brasil, se eleito. O caso da jornalista do Rio de Janeiro é a prova.”

“Como Aécio comete ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa de blindagem absoluta na mídia”, prossegue. “Tem que frear tudo que contraria seus interesses.”

“Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado”, alerta Rogério Correia.

“Um dos objetivos centrais de Aécio,  caso eleito, será limitar o acesso à informação. Tanto que não ele queria a aprovação do marco civil da internet”, previne o deputado.

Rogério Correia fala de cadeira. Em 2010, o então governador Aécio Neves tentou cassar o seu mandato e o do deputado estadual Sávio Souza Cruz (PMDB-MG).

Segue a íntegra da nossa entrevista com um dos mais combativos deputados estaduais de Minas.

Viomundo – Surpreende-o o fato de  Aécio Neves ter denunciado ao MP do Rio  a jornalista Rebeca Mafra e outras quatro pessoas por difamação, embora ela nunca tenha falado dele na internet nem conheça os demais integrantes da “quadrilha virtual”?

Rogério Correia — Nenhum pouco.  Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas. Censura, cala e até prende quem denuncia o que ele faz de errado.

O senador não tem limite. Ele é completamente blindado aqui e agora está adquirindo blindagem nacional.

A Folha de S. Paulo fez reportagem sobre o assunto como se fosse um grande escândalo e o senador a vítima. Assim, o  blinda, até porque é o candidato desse extrato das elites dominantes brasileiras.

Viomundo – O deputado Sávio Souza Cruz diz que em Minas “está tudo dominado” por Aécio e seus parceiros. Concorda?

Rogério Correia – Assino embaixo. Aqui, o controle de Aécio se dá em todas as esferas: Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Assembleia Legislativa… Além disso, há uma blindagem muito forte da imprensa quanto a qualquer tipo de análise negativa que possa ser feita sobre a sua administração como governador ou a respeito de sua vida privada.

Essa blindagem faz com tudo que é negativo em relação a ele se torne inquestionável. Também dá muita tranquilidade para que Aécio e seus parceiros possam agir fora da lei na certeza da impunidade.

Viomundo – Que tipo de impunidade?

Rogério Correia – Vou dar dois exemplos. Um é a não aplicação de recursos estipulados pela Constituição em relação à Saúde e à Educação.

Desde o governo Aécio desviam-se em Minas recursos da saúde. Na gestão Antônio Anastasia, isso virou ação institucionalizada.

Explico. A Constituição determina a aplicação de, pelo menos, 25% dos recursos dos Estados em Educação e, no mínimo, 12% em Saúde. Mas mediante um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG), firmado em 2012 com o Tribunal de Contas do Estado, o governo de Minas foi “autorizado” a não cumprir o mínimo  constitucional para Saúde e Educação.  O Tribunal de Contas deu permissão para o governo de Minas cumprir o que estabelece a Constituição somente depois de 2015.

Um absurdo no campo da gestão pública. E o que é pior.  Com o aval do órgão que deveria fiscalizar e impedir que esse tipo de coisa acontecesse.

Apesar de auditores fiscais, parlamentares e três promotores do Ministério Público mineiro questionarem esse absurdo, o governo de Minas nunca recebeu uma punição.

Aqui, tudo é arquivado, esquecido, engavetado,diante do poder ditatorial de Aécio e do PSDB em Minas. O que permite que o senador e  aliados, como o ex-governador Antônio Anastasia, saiam impunes. Resultado: Aécio segue infringindo a lei, pois sabe que sairá impune.

Aliás, esta semana, foi noticiado o arquivamento de mais uma denúncia contra  o senador tucano.

Viomundo – O outro exemplo.

Rogério Correia — É a Lei 100. Mesmo sabendo que era ilegal, Aécio  efetivou 100 mil professores sem concurso público. Ele age com a complacência da Justiça, já que isso vai ser julgado muito tempo depois, quando ele já não estará mais no governo. Em consequência, não dá inelegibilidade para ele.

Depois que ele conquista essa blindagem, ele acha que está impune a tudo, inclusive na sua vida pessoal. Por isso faz também da sua vida pessoal uma baderna.

É o menino mimado do avô. Então, tudo é protegido para ele. A irmãzinha [Andréa Neves] protege-o de tudo o que ele faz de errado. Ele virou um garoto mimado.

Viomundo – Como se dá a blindagem em Minas?

Rogério Correia – Aqui há o que eu chamo de pacto das elites dominantes, que têm um projeto em torno do Aécio. Elas o paparicam com discursos do tipo “Aécio é mineiro e vai retomar Minas”. Essa mesma elite  ocupa os mais altos cargos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário de Minas. No caso da mídia, não é só a elite amiga que mantém o controle, mas também a sua própria família.

É uma ação de mão dupla, pois o governo de Minas garante muitos ganhos para essas classes mais altas. Aqui, já saiu o aumento salarial para o Ministério Público, que ganha o que quer de dinheiro. O Tribunal de Contas e os juízes, idem.

Para eles, não tem tempo ruim. Já para os professores e o pessoal da saúde, são migalhas. Na prática, é tudo para os amigos. A blindagem faz parte dessa troca de favores.

Viomundo – Já quem ousa divergir ou denunciar os malfeitos do senador corre o risco de ser preso.

Rogério Correia – É o que ocorreu com o jornalista Marco Aurélio Carone  (*), do Novo Jornal. A pedido de Aécio, o seu site foi fechado e Carone está preso há quase cinco meses, apesar de problemas de saúde.

O Tribunal de Justiça de Minas negou o habeas corpus para libertá-lo e responder o processo em liberdade. A negativa do habeas corpus é uma proteção a Aécio.

O Carone não respeitava a censura imposta por Aécio ao restante da imprensa mineira e Aécio o calou. Assim como ele quis cassar o meu mandato e o do Sávio Souza Cruz. Aécio não admite adversário.  Adversário é inimigo que tem de ser aniquilado politicamente.

Viomundo – Aliás, assim como o Carone, a jornalista Rebeca Mafra, do Rio de Janeiro, está sendo acusada de formação de quadrilha, embora ela não conheça os demais acusados.

Rogério Correia – Acho que a formação de quadrilha é a forma que Aécio encontrou no Judiciário para justificar e facilitar desmandos autoritários. Tanto que o Carone e o Nílton Monteiro estão com prisão preventiva acusados de intimidar testemunhas que comprovariam formação de quadrilha.  Aécio cala as vozes dissonantes na imprensa e, ainda, se faz de vítima.

Além disso, ele põe os seus parceiros para fazer propaganda suja na internet, contrata robô para baixar o nível nas redes sociais, e o Ministério Público finge que não vê.

É um absurdo o que ele conseguiu agora no Rio de Janeiro. Depois, será no Ministério Público de São Paulo, no Ministério Público Federal… Aécio é um perigo.

Viomundo – Os mineiros estão totalmente a par dessa situação?

Rogério Correia – Uma parcela, sim. Só que, com essa blindagem absoluta, ele passa a imagem que quer.  Por isso, boa parte da sociedade mineira desconhece os malfeitos do Aécio.

Viomundo – Diria que a imprensa mineira é responsável por essa desinformação?

Rogério Correia – Completamente. A mídia é fator fundamental.  Conseguir pautar nos grandes veículos mineiros alguma notícia que critique o governo de Minas é trabalho árduo. Como Aécio comete muitas ilegalidades na vida pública e apronta muito na vida privada, ele precisa dessa blindagem absoluta, que é garantida por sua irmã Andrea Neves.

Nos dias de hoje, a internet e as redes sociais devem ser o inferno para Aécio, pois elas democratizam muito mais as informações.

Eu acho que, se eleito presidente – o que não acontecerá ! – , um dos objetivos centrais de Aécio será limitar o acesso à informação. Tanto que ele não queria o Marco Civil da Internet.

Ele tem que frear tudo. A ponto de se preocupar com a coitada da jornalista no Rio de Janeiro. Assim como já faz em Minas, ele está usando o Ministério Público do Rio de Janeiro para pôr em prática a sua censura.

Viomundo –  O que acontece hoje em Minas poderá se repetir no Brasil?

Rogério Correia — Não tenho a menor dúvida de que o que acontece, aqui, há anos, é uma amostra do que Aécio fará no restante do Brasil, se eleito.

O caso da jornalista Rebeca Mafra é a prova. Por isso, eu reitero: Aécio é um perigo à democracia. Em Minas, não há democracia. O que existe é um poder de exceção feito a partir do dinheiro e do poder.

 

Leia também:

Polícia faz busca em casa de jornalista: “Nunca falei nada do Aécio”

 

********************

PS necessário: (*) Marco Aurélio Carone não é jornalista, não dispõe de registro como tal no Ministério do Trabalho, nem filiação ao Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais. É, sim, dono de jornal. Veja nota  de repúdio do SJPMG quando da prisão de Carone e da retirada do sítio Novo Jornal do ar, e janeiro deste ano: aqui

PS2 : A investida contra o jornal digital de Carone incluiu um de seus colaboradores, o jornalista, este sim, Geraldo Elízio, veterano repórter de política (fomos contemporâneos em cobertura da Assembleia Legislativa e do governo de Minas, nos anos 80) e Prêmio Esso de Jornalismo. Ele também teve sua casa invadida e suas ferramentas de trabalho aprendidas, embora sem acusação formal. Como mostra reportagem no sítio Jornalistas de Minas

PS3: O Novo Jornal publicava denúncias contra o “mensalão tucano”, a partir de documentação e ou informações de Nilton Monteiro, também preso desde 20 de janeiro. Aliás uma prisão anunciada, conforme documentos sobre degravação de fitas de operadores do ninho publicados neste blogue – também aqui.

PS4: O blogue deve desculpas por, inadvertidamente, ter publicado esta postagem antes de concluir a edição.

.


Um comentário sobre “Blindagem na mídia, proteção policial e judicial, e aí?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s