Uma terça para não esquecer…

por Sulamita Esteliam

 

Sem títuloDavid Luiz o AnjoTerça-feira pesada.

O mais terrível, e foi catastrófico, não é a Seleção Canarinha tomar de 7 x 1 da Alemanha. Por mais que isso doa, em particular no coração das nossas crianças.

Um jogo em que ninguém acreditou no que via. Nem a torcida a favor, felizmente a imensa maioria. Nem os vira-latas de plantão. Nem os alemães, com seu futebol-eficiência, e toda sua frieza.

E tinha que ser no Mineirão. Pelo visto, a terrinha não é campo bom para alegrias…

Triste, muito triste ver nossos meninos em campo, perdidos feito cegos em tiroteio.

Muito mais triste, e aí sim, trágico, é o massacre de Israel sobre a Palestina, na Faixa de Gaza. Ataque sobre civis, crianças aterrorizadas, dizimadas. As imagens que circulam pelas redes sociais são terríveis.

Por mais que eu viva, leia, racionalize, busque e encontre explicações, creio que jamais conseguirei entender atrocidades como essa.

As nossas crianças, daqui, podem superar a decepção. Ainda terão, muitas delas, oportunidade de comemorar nosso time campeão. Fomos penta, sempre fora de casa. O hexa apenas foi adiado.

Na estupidez da guerra alimentada pela ganância, as crianças, as que sobrevivem, não sabem do presente. O futuro é quimera.

E há quem se irrite com filas e sistemas fora do ar em supermercados ou coisas do gênero…

Guernica e gaza

 

 

 

 

 

Plínio Arruda Sampaio- Foto: José Cruz/Pública
Plínio Arruda Sampaio- Foto: José Cruz/Pública

Nós, brasileiros, temos outra perda a registrar neste 08 de julho de 2014: Plínio de Arruda Sampaio é estrela, aos 83 anos, após dois meses de padecimentos num hospital de São Paulo. Tinha câncer nos ossos. Deixou de sofrer.

Para quem não sabe, Plínio é uma das grandes cabeças pensantes deste nosso Brasil. Figura de proa da política nacional, a partir de São Paulo, desde o final dos anos 50 – aqui. Foi relator do projeto de reforma agrário do governo João Goulart, como deputado federal pelo PDC – Partido Democrata Cristão.

Caçado, exilado, caminhou cada vez mais à esquerda no avançar dos anos, e depois de retornar ao país em meados dos 70 – antes da anistia, portanto, pela qual trabalhou com afinco.

Foi um dos teóricos do PT, depois de encantar-se e desencantar-se com FHC ainda nos anos 70. Deputado constituinte em 88 por São Paulo, o segundo mais votado, pelo PT nas proporcionais de 1986, com 63 mil votos; o primeiro foi Luiz Inácio Lula da Silva, com cerca de 500 mil votos, a maior votação do país

Em 2005, em meio às denúncias do que se convencionou chamar de “mensalão”, migrou para o Psol, decepcionado com os rumos políticos do partido que ajudara a fundar. Foi candidato à Presidência da República pela sua nova legenda em 2010, obtendo, 0,87% dos votos.

Pessoa admirável, pela inteligência, vivacidade, pelo caráter e desassombro na luta por justiça social – e até pelas suas contradições. Era humano. Que descanse em paz.

 

 


Um comentário sobre “Uma terça para não esquecer…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s