O que é feito do Brasil que eu sonhei

Paulista ago 2015 2
por Sulamita Esteliam

Sonhei para minha neta, para meus netos, um Brasil inclusivo, com menos desigualdade, mais educação e oportunidade para todos. Lutei por este Brasil e posso dizer, sem medo de errar, que avançamos muito. Mas não o suficiente. O abismo é profundo.

Hoje, quando o meu primogênito completa 40 anos, sou forçada a dizer que o Brasil que temos hoje está longe de ser o país que eu sonhei para vocês, querida neta e queridos netos. Embora seja infinitamente melhor do que o Brasil no qual cresci, gerei frutos – seu pai, sua mãe -, tornei-me quem sou.

O que preocupa não é o povo na rua contra um governo que ajudei a eleger, e um partido no qual, desde o nascedouro, apostei minhas fichas. Governos e partido que acertaram e erraram.  Tenho sido crítica aos tropeços e desvios, que devem ser cobrados, corrigidos.

Entretanto, para mim, os governos petistas acertaram dois pontos fundamentais: reduziram o fosso da desigualdade social, e nos devolveram soberania e autoestima. Séculos de atraso resgatados em 13 anos.

Desagradou muita gente.

 

Foto capturada no Twitter
Fotos capturadas no Twitter

Protestar, entretanto, é um direito legítimo dos insatisfeitos. Eu mesma fui para rua infinitas vezes contra o Estado vigente.  Só não vale esculhambar.

Preocupa-me, sim, a cultura do ódio e de intolerância e  o que está sendo urdido nos bastidores. A rua apenas reflete a total ausência de limites que norteia as oposições, mídia venal, parcial, inclusa. Ainda que de povo, povo, povo, os protestos de agora tenham muito pouco,

Já escrevi aqui: não vale-tudo em nome do umbigo. Muito menos  sacrificar nossa democracia engatinhante.

Ora, isso não é política, é intolerância, ignorância, prepotência e autoritarismo. É rasgar os direitos fundamentais inscritos em nossa Carta Magna, a Lei Maior, dentre eles, o direito de escolha, o direito do voto.

Querem ganhar no grito o que as urnas lhes negaram.

Armam o golpe preventivo, e já escrevi sobre isso aqui no blogue. Se não fica bem com Dilma, cabe não deixá-la respirar, torná-la refém do projeto da direita.

(Sim, querida neta e queridos netos, se lhe dizem que acabou a ideologia, que não existe direita e esquerda, digo que mentem para vocês).

Só os cegos, os equivocados e os ingênuos não veem: o alvo é o Lula, o adversário que eles temem não conseguir superar, de novo, nas próximas eleições, em 2018.

Não à toa, Lula dividiu com Dilma  – e há quem diga que foi o centro – o pódio do achincalhe neste domingo. Ladrão é o mínimo.

Desqualificar é arma tosca de quem não tem argumento político. É parte da tentativa de desmoralização de um líder reconhecido internacionalmente.

Não, isso não é liberdade de manifestação nem de expressão. Liberdade pressupõe respeito, ao outro, a si mesmo e às regras do jogo – que é o outro nome para lei. E o ônus da prova cabe a quem acusa.

Protestar é exercício de cidadania, mas há que ter senso de coletividade. Comportamento e linguajar de arquibancada ou porta de estádio não é o que se pode definir como atitude política cidadã. É falta de educação e de decoro, mesmo.

Palácio da Liberdade ago 2015

 

E não é pedir demais um mínimo de coerência.

Ninguém pode ser a favor da corrupção. Que se investigue e, se provado, puna-se todos os malfeitos e malfeitores. Todos, sem distinção.

Já pararam para pensar, querida neta e queridos netos, quanto se sonega de impostos neste país?  Governos vivem de arrecadação de impostos. É daí que sai o dinheiro que os governos, qualquer governo, deveria investir em saúde, educação, cultura, infraestrutura, moradia.

Quem rouba dinheiro público é corrupto ou corruptor, e deve ser julgado e punido. E quem sonega impostos é o quê? O sonegador pode ficar impune?

A moral, muito menos a lei, não pode ser seletiva. O que vale para Chico, vale pra Francisco.

 

 

 

Tem-se que admitir: o número de manifestantes caiu, no geral, mas o fiasco não foi exatamente numérico, e sim de conteúdo. Curioso ver as pessoas caracterizadas como palhaços – no todo ou no detalhe -, não é detalhe…

As cenas deste domingo, 16 de agosto, Brasil afora,  estão longe de dar orgulho. Fazem mal ao estômago e à sanidade.

É a personificação do mau exemplo, da des-educação, da incoerência e da hipocrisia. Injustificável ainda que em defesa  dos próprios interesses.

Instalou-se a barbárie, e isso não faz bem em qualquer quadrante.

Não posso pedir a vocês, querida neta, queridos netos, que tenham memória, do que não vivenciaram. Também não pretendo que sigam a minha velha cabeça. Mas posso pedir que estudem História, para não se tornarem parte da massa de manobra da turma do tanto pior melhor.

Custou-nos muito suor e sangue conquistar a democracia. É frágil, mas cabe a nós adubá-la para que ela se fortaleça e evolua. E é a geração de vocês que herdará o que dela se fizer agora.

 

Dia 20 tem povo na rua em defesa da democracia.

E sigamos em frente.

20 de agosto

 

 

 

 

 

 

 

 


2 comentários sobre “O que é feito do Brasil que eu sonhei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s