O Senado consuma o golpe: depõe a primeira mulher presidenta do Brasil

Dilma Vanna Roussef, primeira mulher presidenta do Brasil é deposta por golpe parlamentar em 31 de agosto de 2016 - Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma Vanna Roussef, primeira mulher presidenta do Brasil é deposta por golpe parlamentar em 31 de agosto de 2016 – Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
por Sulamita Esteliam

O golpe contra a Democracia está consumado. É parlamentar, mas é golpe.

A maior prova de que o Senado Federal consumou um golpe parlamentar ao caçar o mandato da presidenta Dilma Rousseff, nesta quarta-feira, 21 de agosto de 2016, é que não teve coragem de retirar-lhe os direitos políticos.

Significa que Dilma pode, se quiser, candidatar-se novamente em 2018 ou qualquer outra época. Já o usurpador-traíra, seu ex-vice, agora sucessor, é ficha suja, e não pode. Teoricamente, por que quem dá um golpe, pode dar outro.

Uma mulher de reputação ilibada, inocente, a primeira ocupar a Presidência da República no Brasil, reeleita com 54,5 milhões de votos, foi deposta por um bando de parlamentares atolados até o pescoço em falcatruas de toda natureza.

E ainda reclamam de serem chamados de “canalhas”. Como fez o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a repetir o colega Roberto Requião em falas anteriores. O bordão é de Tancredo Neves, avô do tucano Aécio, o derrotado nas urnas que é parte da urdidura do golpe.

Tancredo, um democrata, a despeito da pele felpuda, o fez no discurso de protesto contra a consolidação do golpe civil-militar de 1964; quando o Congresso declarou vaga a Presidência da República ainda com João Goulart em território nacional.

“Canalhas, canalhas, canalhas!”, repetira o deputado, que fora primeiro ministro de Jango, na breve experiência parlamentarista do Brasil, em 1961.

Nesta tarde, o neto não gostou da comparação, e usou a palavra para lembrar a tradição democrática do avô – com quem, diga-se, aprendeu nada. Mesmo peixe ensaboado que era, Tancredo Neves foi poupado de constatar em vida a vileza do caráter do neto amado.

Para quem não conhece os bastidores da História da breve redemocratização do Brasil, recomendo a leitura do livro-reportagem O Complô que Elegeu Tancredo, de autoria de alguns jornalistas de peso na época, dentre eles o pernambucano Ricardo Noblat. Quem te viu e quem te vê…

Voltemos à consumação do golpe. Eles e elas, os 61 senadores e senadoras que votaram pelo impedimento, sabem que Dilma Vana Rousseff não cometeu crime de responsabilidade.

A sede de poder é que move a fraude, e mais uma vez digo que vão quebrar o pote. Passam à História como covardes e golpistas. E a História é inexorável, não perdoa os covardes.

Fato é que o Brasil não se livra da vocação golpista de suas elites. De um golpe nasceu a República. De golpe em golpe se fez nossa jovem Democracia, que é novamente posta fora de cena. Já ia escrevendo de combate, mas a luta continua.

É claro que Dilma vai recorrer da decisão. É claro que os protestos seguem nas ruas. Hoje mesmo; as ruas de seis capitais fervem no momento em que escrevo. Se vai despertar a maioria silenciosa e surtir efeito, é outra história.

Enquanto isso, o usurpador Michel Temer, que era vice da presidenta eleita, assume o poder em definitivo – ou não. A posse se deu na tarde desse dia, o primeiro do Brasil rumo às trevas do precipício social e político.

Temer assume e viaja em seguida para Pequim, onde se dá encontro do G-20. Rodrigo Maia (DM-RO), presidente da Câmara, assume a função até que ele volte.

O Brasil não merece. Mas é assim que a banda toca.

laerte

Foram 135 dias de calvário para Dilma Vana Rousseff, apenas para ficar no período de tramitação do pedido de impeachment – da Câmara até o Senado Federal.

Dilma não suicidou, não bandeou nem renunciou. Mesmo deposta, segue na resistência. Não haverá trégua para os golpistas: “Voltaremos!” É sua promessa no discurso de despedida, cuja íntegra está na próxima postagem.

Desta vez, não se precisou dos militares. Dispensaram as armas. Urdiram e consolidaram a trama, revestindo-a de aparente legalidade. Contou com o auxílio afoito da mídia, e de parte do sistema de Justiça.

Homens de terno preto, cinza, azul marinho, brancos, maduros e velhos, com bochechas reluzentes de botox. E mulheres de cabelos armados e visual ruidosamente apropriado para a ocasião. Patriotas de fachada. Moralistas de ocasião. Hipócritas em sua maioria.

Pobre Brasil, reduzido mais uma vez a uma republiqueta de bananas.

Pobre de sua gente trabalhadora, que tem seus direitos à beira do abismo. Pobre da gente humilde que mal saiu do estado de indigência.

Pobre daqueles, iludidos, que apoiam e até comemoram a violação. Se você não é parte do poder está fora dele.

Bendita classe média midiotizada. Mais dia, menos dia, o chicote vai sobrar também para o seu lombo. Mas você não aprende.

A bancada do PT, a maior dentre a minoria de esquerda na Casa Legislativa chamada Câmara Maior, abriu a fase de hoje da sessão de julgamento, com um pedido de destaque sobre a redação do termo sobre o qual os senadores deveriam votar.

Em síntese, a Lei 1079/1950, a mesma sobre a qual se definiu o rito do impeachment, desde o início do processo, em seu artigo 66, preconiza duas votações para a fase final do julgamento: a primeira sobre a perda do mandato, em havendo crime de responsabilidade; a segunda sobre a perda dos direitos políticos. Em ambos os casos, é preciso maioria de 2/3.

O presidente Ricardo Lewandowisk acatou, após alguma discussão com os argumentos pró e contra dos dois lados. E o fez com base também no regimento interno da casa. A situação aliada ao desgoverno, até então provisório, chiou, rangeu os dentes. Mas foi pega no contrapé.

A ironia é que a possibilidade de destaques numa mesma sessão, após esgotados o período de discussão, é emenda recente às normas da casa. Apresentada por ninguém menos que Ronaldo Caiado, o escravocrata, e aperfeiçoada pelo senador Jorge Vianna (PT-AC).

Nas duas votações, disseram não ao impeachment e à perda de direitos políticos apenas 20 senadores e senadoras: PT, PCdoB, PTB e Rede, mais as ovelhas desgarradas: duas do PMDB, duas do PSB, uma do PP e outra do PSD. O mesmo batalhão leal do princípio ao fim:

  1. Angela Portela – PT-RR
  2. Armando Monteiro – PTB-PE
  3. Elmano Férrer – PTB-PI
  4. Fátima Bezerra – PT-RN
  5. Gleisi Hoffmann – PT-PR
  6. Humberto Costa – PT-PE
  7. João Capiberibe – PSB-AP
  8. Jorge Viana – PT-AC
  9. José Pimentel – PT-CE
  10. Kátia Abreu – PMDB-TO
  11. Lídice da Mata – PSB-BA
  12. Lindbergh Farias – PT-RJ
  13. Otto Alencar – PSD-BA
  14. Paulo Paim – PT-RS
  15. Paulo Rocha – PT-PA
  16. Randolfe Rodrigues – Rede-AP
  17. Regina Sousa – PT-PI
  18. Roberto Requião – PMDB-PR
  19. Roberto Muniz – PP-BA
  20. Vanessa Grazziotin – PCdoB-AM

Na segunda votação, o resultado foi de 42 x 36 votos e mais três abstenções. Três ex-ministros do governo Dilma, do PMDB, um do PSB, e mais o presidente do Senado, Renan Calheiros, os ditos indecisos, dentre eles os três que na véspera confirmaram voto “não”, e recuaram:  Acir Gurgacz, Hélio José e Telmário Mota.

Votaram pelo o impeachment 61 senadores e senadoras, incluindo o presidente do Senado, Renan Calheiros, sete a mais do que o necessário. Prova de que o “compromisso” dos 31 “convencidos” por Roberto Requião (PMDB) teve o mesmo destino da lista dos 180 deputados na fase de admissibilidade no plenário da Câmara.

O balcão de negócios foi mais eficaz.

Dentre os 36 que votaram contra a perda de mandatos, 16 estão na lista abaixo, assinados em verde. Os três que se abstiveram estão em laranja.

  1. Acir Gurgacz – PDT-RO
    Aécio Neves – PSDB-MG
    Aloysio Nunes – PSDB-SP
    Alvaro Dias – PV-PR
    Ana Amélia – PP-RS
    Antonio Anastasia – PSDB-MG
  2. Antonio Carlos Valadares – PSB-SE
    Ataídes Oliveira – PSDB-TO
    Benedito de Lira – PP-AL
    Cássio Cunha Lima – PSDB-PB
  3. Cidinho Santos – PR-MT
    Ciro Nogueira – PP-PI
  4. Cristovam Buarque – PPS-DF
    Dalirio Beber – PSDB-SC
    Dário Berger – PMDB-SC
    Davi Alcolumbre – DEM-AP
  5. Edison Lobão – PMDB-MA
    Eduardo Amorim – PSC-SE
    Eduardo Braga – PMDB-AM
    Eduardo Lopes – PRB-RJ
    Eunício Oliveira – PMDB-CE
    Fernando Bezerra Coelho – PSB-PE
    Fernando Collor de Mello – PTC-AL
    Flexa Ribeiro – PSDB-PA
    Garibaldi Alves Filho – PMDB-RN
    Gladson Cameli – PP-AC
  6. Hélio José – PMDB-DF
    Ivo Cassol – PP-RO
  7. Jader Barbalho – PMDB-PA
  8. João Alberto Souza – PMDB-MA
    José Agripino – DEM-RN
    José Aníbal – PSDB-SP
    José Maranhão – PMDB-PB
    José Medeiros – PSD-MT
    Lasier Martins – PDT-RS
    Lúcia Vânia – PSB-GO
    Magno Malta – PR-ES
    Maria do Carmo Alves – DEM-SE
    Marta Suplicy – PMDB-SP
  9. Omar Aziz – PSD-AM
    Paulo Bauer – PSDB-SC
    Pedro Chaves – PSC-MS
  10. Raimundo Lira – PMDB-PB
    Reguffe – Sem Partido-DF
  11. Renan Calheiros – PMDB-AL
    Ricardo Ferraço – PSDB-ES
  12. Roberto Rocha – PSB-MA
    Romário – PSB-RJ
    Romero Jucá – PMDB-RR
    Ronaldo Caiado – DEM-GO
  13. Rose de Freitas – PMDB-ES
    Sérgio Petecão – PSD-AC
    Simone Tebet – PMDB-MS
    Tasso Jereissati – PSDB-CE
  14. Telmário Mota – PDT-RR
    Valdir Raupp – PMDB-RO
  15. Vicentinho Alves – PR-TO
    Waldemir Moka – PMDB-MS
  16. Wellington Fagundes – PR-MT
    Wilder Morais – PP-GO
    Zezé Perrella – PTB-MG

A presidenta deposta volta para Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, onde mantém residência, e onde estão sua filha e netos. Merece alguns dias de descanso, antes de retornar ao campo de batalha.

Boa sorte, Dilma, querida. Seguimos na luta.

 

**************

Postagem revista e atualizada dia 01.09.2016, às 17:39 horas: correção de erros de digitação e de gramática em diferentes parágrafos; substituição de palavras repetidas ou inadequadas ao sentido da frase, também em diferentes parágrafos.

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s