A nossa vida é um carnaval…

Que o espírito da folia baixe sobre nós... - Foto: André Nery/PCR
Que o espírito da folia baixe sobre nós… – Foto: André Nery/PCR
por Sulamita Esteliam

Sexta-feira gorda, Carnaval a pleno vapor nos sete cantos do Brasil do golpe em estado permanente. Admito que embora minha cabeça ferva em mirabolantes fantasias, a vontade de ir pra rua esbarra na alma dividida entre o prazer e a quase necessidade de ficar quietinha no meu canto.

E eu que amo o Carnaval. Desconfio que o processo de envelhescência se instalou irremediavelmente.

Mas é a derrocada do meu País, a lambança reinante, que tem efeito devastadores sobre de mim. A guerreira que me habita ainda não depôs as armas, mas está exausta, enojada e à beira da descrença.

Na verdade, mal posso acreditar que escrevi tais palavras. Certamente por isso, não faço o menor esforço para conter as lágrimas enquanto escrevo.

Quem me conhece dirá, “esta não é você…!” . Creio mesmo que nem minha mãe me reconheceria.

Lembro-me de quando descobri que tinha lúpus, lá pelos meados dos anos 80 do século passado. Caí em profunda depressão, passei a enfiar o pé na jaca, com força para espantar a dor do medo, e dona Dirce me chamou às falas, e repetiu o bordão que usava em situações de desafio para mim, para nós: “Você nasceu, você consegue.”

É mãe, o bicho está pegando, de novo, e eu não posso fingir que não é comigo. Mas você sabe que sou uma sobrevivente, e que é preciso viver o processo até as cinzas.

Ontem, me programei para acompanhar o bloco Nem com uma Flor, e depois ver o afoxé ?, creio, onde toca Mirella, uma garota iluminada, talentosa, inteligente e muito querida, amiga de infância da minha caçula.

Quiçá pegaria o embalo e cairia na batucada do Patusco com Gabi & Cia, a filha mais velha dentre o séquito de mulheres que pari e/ou gestei no coração.

Mas, que nada. Enrolei-me toda, buscando desculpas, e quando vi o relógio já no adiantado das horas, e pensei no trânsito de fim de tarde para chegar até onde deveria, desisti.

Nem a praia que me encanta, nem o mar que tanto amo  têm sido capazes de me arrancar da desídia que me acomete, inexorável. Mas, hoje voltei a caminhar pela areia depois de duas semanas de jejum. Os pés na água, seguindo o curso onde a onda beija a areia e reflui. É um carinho indescritível.

Apego-me ao ânimo para as coisas de casa, que permanece. Ainda que debrear venha sendo o meu verbo de estimação, tirei a sexta para cozinhar, por exemplo, afim de poupar-me do rame-rame nos dias de folia.

De repente, a foliã volta a baixar, e Euzinha e o maridão vamos pra rua atrás dos blocos, nos divertir, frevar e maracatutear como sempre fizemos.

Até porque, quando a festa começar a se despedir, vou me livrar da vesícula, a tal que me deixou no estaleiro em pleno aniversário, lá na Macondo de origem, e Euzinha nem dela me apercebia.

Dia 02, enquanto os clarins de Momo ainda troam por aqui, apesar das cinzas passadas, baixo ao centro cirúrgico. É processo simples com a tecnologia cirúrgica de agora.

Afinal sou uma velha saudável, e devo estar a postos em uma semana, no máximo. Quero crer que meu prazo de validade ainda não venceu.

Enquanto não chega a hora, pois, Evoé!

Para manter o espírito na brincadeira, sem perder o foco, A Tal Mineira seleciona alguns vídeos com marchinhas apropriadas ao país do golpe em estado permanente. Divirta-se!

  • Marcha do Coxinha -Bloco da Égua – Pará
  • Baile do Cidadão de Bem – Helbeth Trotta e Jhê Delacroix , vencedores do concurso Mestre Jonas em Beagá
  • Repeteco devidamente ilustrado:

 

  • Tucanus Nobris Inocentis – Barão Di Sarno

 

  • Pinto por Cima – Coletivo Canto da Lagoa – Sampa

 

  • Solta o cano que não cai – Marcos Frederico e Vitor Velloso; com Renegado

 

  • O resgate: Baile do Pó Royal – vencedora do Concurso Mestre Jonas 2014- Alfredo Jackson, Joilson Cachaça e Thiago Dibeto; intérpretes Gustavo Maguá, Oleives e Vitor Velloso

 

  • Fora, Temer – Porta dos fundo

 

*************

Postagem atualizada às 22:59h: inclusão do vídeo com a marchinha sobre os vazamentos/Solta o cano…

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s