Feliz ano velho para você também!

por Sulamita Esteliam

A ignorância é uma benção. Pude constatar a veracidade do dito, nem tão popular assim, ao ater-me ao meu próprio umbigo nos últimos onze dias do ano que se foi, mais o primeiro do ano que começa.

Dei-me o presente de passar ao largo dos acontecimentos no 65º ano da minha existência. E digo que me fez muitíssimo bem, obrigada.

Ao invés de ler, escrever e assistir, vaiar ou bater palmas, vivi: fui à praia, tomei banho de mar, caminhei, bebi, comi, dormi, amei, preguicei, dancei, celebrei, arenguei.

Não necessariamente nesta ordem e com a mesma intensidade em todos os aspectos. Mas que foi bom foi.

Todavia, não só de ócio, prazer e ignorância vive uma mulher. Limpei, cozinhei mais do que sempre, lixei, pintei, costurei, fiz e aconteci.

O show da Elba Ramalho na virada do ano na Praia de Boa Viagem me fez sentir garota novamente. Euzinha e o maridão nos acabamos de dançar.

Tudo é uma questão de perspectiva. Se não tem, a gente inventa para se distrair. Só não vale fugir da raia, perder o fio da trama.

É preciso amar como se não houvesse amanhã, como naquela canção do Renato Russo.

É preciso perseguir a luz, até para manter acesa a esperança.

É preciso segurar e não soltar a mão do outro na travessia do rubicão.

Fazer do sonho uma ponte, do medo uma escada, como ensina Fernando Sabino no seu Encontro Marcado.

Não, não vi a posse do capiroto, porque não sou obrigada. E dou graças por isso.

Retomar o contato com a realidade é preciso, entretanto, mesmo que faça mal ao estômago e às ideias.

Das noticias que me chegam neste ano que recomeça, nada surpreende.

E nem me causa espécie ou surpresa que os coleguinhas de imprensa tenham sido tratados como vira-latas dispensáveis nas cerimônias de posse.

Colhem o que ajudaram os patrões a plantar. E as exceções só confirmam a regra.

E agora clamam por democracia, transparência e tratamento respeitoso!?

Afinal, assume um (des)governo cevado pelos profissionais que fazem a mídia venal. Trabalhadores da imprensa a serviço da mesma plutocracia que apostou no tudo ou nada.

E o desgoverno cumpre o que prometeu: nada será como está, ainda que prevaleça o desmantelo.

Agora, sim, verão o que é terra arrasada, o que o Zé Povinho tem sofrido no lombo desde que violar a Constituição tornou-se meio de vida na política nacional.

Agora, sim, verão o que é guerra. Claro, os justos pagam pelos pecadores.

E veteranxs como esta velha escriba, que continuam na linha de frente, terão saudades do Toninho Malvadeza, ex-governador, ministro e senador baiano.

O velho prócer da direita, que atropelava jornalista no ar, com a maior desfaçatez, vai parecer um anjo de candura perto do que virá aí.

Feliz Ano Velho para você também, com o perdão do Marcelo Rubens Paiva.

Clique para ler a Nota Oficial de repúdio divulgada pela Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas.

E aqui a nota de protesto da Abraji – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo

 

 

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s