É preciso aprender a dançar com ou para o diabo…

por Sulamita Esteliam

Em meio a tanta miséria humana, tanta desgraceira – desculpe-me, mas não encontro palavra melhor para definir a sucessão de crimes, desastres, tragédias, desmantelos, acintes, cinismo, abusos…

Fato é que ando muito à flor da pele e um tanto travada para escrever algo que preste.

Sexta não consegui. O fim de semana passou envolto em quinhentos tons de cinza, e a segunda se perdeu em divagações sem consequências práticas.

Todavia, minha navegação cotidiana pela blogosfera progressista acabou me levando ao Psicanalistas pela Democracia. E Freud talvez explique.

Assim e lá, topei com um texto, curto, com história majestosa sobre  resiliência e resistência.

Compartilho. Amanhã há de ser outro dia… se a gente aprender a dançar com o diabo.

 

A bailarina de Auschwitz

por Abrao Slavutzky – especial para Psicanalistas pela Democracia

Edith Eger tinha 16 anos quando foi enviada, em 1944, para o campo de concentração de Auschwitz. Um dos momentos inesquecíveis de sua vida no campo foi quando Josef Mengele, o médico nazista, conhecido como o Anjo da Morte, disse a ela: “Dance para mim”. Edith conta que ao dançar fechou os olhos imaginando a música de Tchaikovsky Romeu e Julieta e que estava no Ópera House de Budapeste. O nome Auschwitz não será esquecido, sempre surgem novas histórias como essa da bailarina. Na verdade, o Holocausto não desaparecerá, foi a face mais cruel da condição humana. Aliás, o dia 27 de janeiro é o dia Internacional do Holocausto, dia para recordar o genocídio nazista contra os judeus.

Edith Eger emigrou em 1949 para os Estados Unidos, e depois estudou psicologia. Não tardou para decidir em trabalhar com pacientes pós-traumáticos em decorrência da violência. Hoje com 91 anos, segue atendendo em seu consultório e ainda dá conferências. Escreveu sobre como o sofrimento diante da violência pode levar à vitimização, à depressão, e a um sentimento de impotência. Já outros conseguem canalizar suas energias vitais para o presente, podem falar do passado e encontram saídas para viver. Logo associei sua vida e seu trabalho a leituras que tinha feito sobre a capacidade humana de enfrentar o terror. Alguns chamam essa capacidade de resiliência, como Boris Cyrulnik, outros de uma disposição a suportar privações e frustrações. Há também os que salientam a força pulsional vital aliada a identificações amorosas. São pessoas que desenvolveram a capacidade de estar só, e podem enfrentar situações perigosas. O psiquiatra Victor Frankl, que também foi prisioneiro em Auschwitz, escreveu em seu livro Em Busca de Sentido sobre como o humor e a parceria com um amigo foram indispensáveis para ele sobreviver. Também há relatos de presos políticos como Nelson Mandela e Pepe Mujica, que saíram da prisão e conquistaram lideranças mundiais.

Comecei a me interessar pelo tema das pessoas capazes de viver situações traumáticas quando vivi em Buenos Aires. Li relatos de uruguaios e chilenos presos sob ditaduras militares. Alguns anos depois, li o livro Pedaços de Morte no Coração, de Flavio Koutzii, onde ele reflete sobre sua prisão política na Argentina. No Brasil temos muitas histórias ocorridas durante a ditadura militar. E bem antes ocorreu a pesada escravidão, expressão da crueldade da “Casa Grande”. Os negros reagiram com danças, cantos e a capoeira. O Brasil deveria ser sempre grato às negras e aos negros pela alegria e a leveza. Todas essas pessoas têm em comum com Edith Eger uma capacidade admirável de lutar pela vida.

Numa de suas entrevistas, Edith disse: “Na psicologia, estudamos sobre a hierarquia das necessidades. Não se pode falar de amor enquanto temos a barriga vazia”, disse com uma ligeira gargalhada. “Por isso, falávamos muito da comida. Salivávamos, trocávamos impressões sobre como fazer o goulash, o strudel, a challah.” Todos os pratos que a mãe de Edith fazia com tanta destreza eram um maná imaginário.

Entretanto, não foi imaginária a seguinte história: um dia, em Auschwitz, Josef Mengele chamou Edith ao seu consultório. Quando ela entrou, ele foi afrouxando a gravata e pouco depois recebeu um chamado telefônico. A jovem bailarina, mesmo com medo, aproveitou para sair correndo em direção ao seu dormitório coletivo. Sua capacidade de luta se mantém hoje ao escrever: “Precisamos questionar a autoridade e não obedecer cegamente como ocorreu na Alemanha. Devemos nos opor aos que são contra o amor e a alegria. Não podemos desistir”.

Admirável como uma mulher de 91 anos mantém o entusiasmo e nos alerta que não podemos desistir!

Imagem: Edith Eger. The Book Seller. 17 de Agosto de 2017. Matéria de Carolina Sanderson.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s