O repúdio aos ao golpe de 1964 e aos anos de chumbo nas ruas do Brasil

por Sulamita Esteliam

Precisei de alguns dias para reciclar as energias acumuladas nas duas últimas semanas. Refugiei-me em casa de amigxs em Porto de Galinhas, acompanhada do maridão. Assim, não participamos da manifestação de protesto contra a celebração do 31 de março, determinada pelo desgoverno delirante.

E o que pudemos ver através das redes sociais, mostram que, nas palavras do deputado federal Rogério Correia, do PT de Minas, “o tiro de Bolsonaro saiu pela culatra”.

Faz lembrar a bola fora do ex-presidente Fernando Collor, que convocou o povo a ir para as ruas de verde e amarelo, em apoio a seu governo, e as ruas se cobriram de preto, ajudando a puxar o tapete já surrado do seu des-governo, que resultou em impeachment. O ano era 1992 do século passado.

Manifestantes no Recife em repúdio ao Golpe de 1964 – Foto: MZ Conteúdo

No Recife, o ato de repúdio ao golpe civil-militar de 1964 se deu no Monumento Tortura Nunca mais, com a presença de ex-presos políticos, familiares de mortos e desaparecidos e ativistas dos movimentos sociais. Vale à pena ler a cobertura do Marco Zero Conteúdo, de onde o A Tal Mineira capturou algumas fotos que ilustram esta postagem.

É um verdadeiro escárnio celebrar a ditadura que nos sufocou durante 21 anos do século passado. 

Assista ao documentário O Dia que durou 21 anos, Fala sobre a participação dos Estados Unidos na preparação do golpe militar de 1964. Foram dois anos de trama urdida, com o auxílio luxuoso da nossa plutocracia e classe média de plantão.

Qualquer semelhança com o golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, encarcerou o ex-presidente Lula e manipulou para levar o capitão delirante e sua guarda armada ao poder, não é mera coincidência.

A ex-presidenta, ex-presa política e sobrevivente de torturas, também se manifestou nas redes:

1964 é uma ferida aberta na história política do país. São tempos que evocam tortura, morte e exílio.

Os 55 anos do golpe militar no Brasil são, para todos nós que lutamos contra o arbítrio, pelas liberdades e pelos direitos humanos e sociais, uma triste lembrança.

Assista ao vídeo divulgado por Dilma e que resume o que foi 1964:

Tem outro vídeo bem explicativo do que foi o período ditatorial no país. Fundamental para as novas gerações conhecerem a verdade, e para as velhas reconhecerem o equívoco de terem dado sorte ao azar.

Um massacre que, afora o aprofundamento brutal da desigualdade social que oprime sempre os mais fracos, torturou e matou 144 pessoas e “desapareceu” com outras quase 300, sem que seus familiares, ao menos o direito a enterrar seus mortos.

Afora a censura à imprensa, à cultura, ao direito individual e coletivo de manifestar-se, de reunir-se e a limitação até mesmo à livre circulação das pessoas em seus espaços sociais, expulsão e exílio. “Brasil, ame-o ou deixe-o” ´é o bordão que melhor traduz os anos de chumbo.

Quem cresceu e/ou viveu a ditadura sabe bem o que é isso.

No Brasil inteiro houve atos de protestos, alguns com enfrentamento entre manifestantes do campo progressista e os gatos pingados de sempre, que se uniformizam de verde amarelo, como se detivessem a propriedade das cores e símbolos nacionais. Não, não os têm.

Em Sampa foram colorados para correr, como mostra o vídeo do coletivo Jornalistas Livres:

Na minha Macondo de origem, o Sindicato dos Jornalistas puxou o ato dos movimentos sociais que reuniu milhares de pessoas na Praça da Liberdade.

Os manifestantes seguiram em passeata pela Av. João Pinheiro até o centro da cidade. Confira mais fotos que recebi, via Betinho Duarte, em grupo no Zap-Zap – inclusive a foto da direita no alto desta postagem:

Lá também houve quem se manifestasse pró-ditadura: 14 pessoas exatamente, como mostra a foto ao lado.

O colega Palmério Dória, jornalista e escritor paulistano, faz uma observação interessante no Twitter: pelo menos no que diz respeito a São Paulo, a maioria dos manifestantes contra o golpe de 1964 era de jovens.

Significa que, como se manifesta uma cidadã, “há, sim, esperança, há luz no fim do túnel”.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s