Racismo e intolerância na Câmara na véspera do Dia da Consciência Negra; obra de deputado-coronel do PSL

por Sulamita Esteliam

O Brasil dos horrores podia passar sem mais essa: na véspera do dia em que se celebra a Consciência Negra, uma demonstração crassa de selvageria, racismo, machismo, intolerância e desrespeito em plena Câmara dos Deputados, que em tese seria a casa do povo. Sinal dos tempos.

Assista ao vídeo:

O deputado é o Coronel Tadeu, do PSL paulista, o partido que acaba de ser deixado pelo capiroto, eleito sob a legenda de extrema direita como ele. 

Não vou postar aqui o vídeo postado por ele em suas redes sociais, em que ele se jacta da agressão, no momento em que retira da parede um cartaz contra o racismo. O poster reproduz uma charge do cartunista Latuff, já publicada, há tempos, aqui no A Tal Mineira.

“Isso aqui o vai ficar na parede, isso aqui é contra a polícia. A polícia está aqui para defender a sociedade. Eu vou queimar esse cartaz que não deveria estar aqui .”

No Twitter, Latuff comentou o vilipêndio:

“Agressão de um policial militar, que por acaso também é um parlamentar, contra uma de minhas charges exposta no Congresso Nacional e que denuncia a violência policial, nos leva a seguinte reflexão. Se fazem isso contra um cartaz, imagine contra gente de carne, osso e pele negra!”

Parlamentares dos partidos de esquerda registraram um BO contra o vândalo  e prometem representar contra ele no Conselho de Ética da Câmara. Vamos combinar que a atitude dele não só é racista mas configura quebra de decoro.

Fizeram mais:

 pedir que se apure se os deputados Coronel Tadeu e Daniel Silveira, do PSL, cometeram o crime de racismo. Diz o documento:

“O racismo, promovido e incentivado pelos parlamentares representados, demonstra a face mais perversa da lógica colonial”.

David Miranda (Psol-RJ), Talíria Petrone (Psol-RJ), Benedita da Silva (PT-RJ) e Áurea Carolina (Psol-MG) requereram as imagens do Coronel Tadeu quebrando a placa, e querem a recolocação da imagem na exposição Trajetórias Negras Brasileiras, realizada pelo movimento de mulheres, instalada nesta terça no corredor que liga o plenário da casa ao AnexoII, naturalmente que com autorização da mesa diretora.

Cabe à Corregedoria da Câmara analisar. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia classificou o ato como “muito grave”. Para ele, “hoje não é um dia que marca de forma positiva a nossa Casa.Muito pelo contrário”.

Indiretamente, Maia também puxou as orelhas de outro colega, este do PSL do Rio de Janeiro – o mesmo que quebrou a placa da Rua Marielle Franco, ainda na campanha eleitoral, que celebrou o ataque:

“Hoje aconteceu com uma exposição em relação à Consciência Negra, amanhã pode acontecer com aqueles que riram, aqui, achando que estão defendendo o Coronel Tadeu. E não estão.”

Não mesmo, presidente. E o que se espera que se tome atitude necessária para não jogar pra baixo do tapete verde esse absurdo.

O que se vê, também, é a contemporização. Na mesma entrevista coletiva, Maia amaciou:

“Então, espero que um ato como esse, certamente impensado em um momento de mais nervosismo do deputado, que isso não repita porque isso não é bom para uma Casa que pensa em representar a todos os brasileiros e não a parte deles.”

Todavia, se depender do deputado-agressor, a recomendação do presidente da Câmara não tem qualquer valor. Em entrevista à coluna da Bella Megale, no Globo, ele afirma que faria tudo de novo:

“Arrependido?

Arrependido? Eu acabei de defender 600 mil policiais militares que estavam sendo acusados, por meio de uma imagem, de executores, assassinos, homicidas. Não tô arrependido não.

Repetiria o mesmo ato?

Não há problema nenhum, eu espero que eles não coloquem novamente esse cartaz lá. Senão eu vou ter que tirar. Isso é um atentado. Uma instituição que cede espaço para atacar outra instituição? Não pode. “

Os fatos contrariam o coronel-deputado, inclusive a conclusão do inquérito policial que apura as responsabilidades do assassinato da menina Agatha, no Rio de Janeiro: a PM de Witzel matou a garota, que estava numa kombi com a mãe, a caminho da escola. Não por acaso uma menina negra.

Além do que, dados mais recentes sobre homicídios no Brasil escancaram jovens negros como as principais vítimas, e boa parte dos crimes é cometida por policiais militares, em serviço ou fora dele. Inclusive São Paulo, o estado que o coronel representa, é o estado com a maior proporção de mortes por policiais sobre o total de crimes violentos: 19,5%, em 2017, de acordo com estudo da USP e o Fórum Nacional de Segurança Pública, em parceria com o G1.

Veja aí o resumo do Atlas da Violência 2019 publicado pelo Ipea, com dados relativos a 2017, mas é um histórico que se repete ano após ano:

Fecho com o vídeo com o discurso emocionado e emocionante da deputada Benedita da Silva (PT-RJ), postado pelo amigo Rogério Tomaz Jr. no Twitter. Ela diz

“Foi um tapa na cara de cada um de nós negros. Nos colocaram no tronco, novamente”.

 

 

 

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s