‘Demasiadamente humano’, reflexões sobre a estupidez reinante

por Sulamita Esteliam

O artigo abaixo me foi enviado especialmente para publicação neste A Tal Mineira, o que muito me honra, obrigada.

Elo Cunha é um rapaz de grandes e múltiplos talentos, que no meu coração habita a categoria de sobrinho afetivo, pois filho de um casal amigo e sobrinho do meu companheiro, Júlio.

Talento e gosto pela polêmica, aliás, é um traço familiar bem-desenhado e cultivado. Mas isso é outra história.

O que ele nos trás é uma reflexão filosófica importante sobre a intolerância como exercício da estupidez, que vigora. Algo que se traduz com perfeição no título do artigo: “Demasiadamente humano”.

Do ponto de vista político, Euzinha discordo que a polarização seja algo nocivo: diferenças existem para serem explicitadas. Até porque, em si, ela, diferença, é fruto da luta de classes que se tenta negar, da demonização que um lado, o dominante, tenta impor sobre o outro que quer submeter.

Não obstante, concordo, plenamente, que polaridade e diferenças não precisam se traduzir em ausência de diálogo, muito menos em bestialidade.

Ao texto:

Demasiadamente humano

por Elo Cunha* – especialmente para o A Tal Mineira

Vivemos num mundo de estereótipos ou talvez, ainda pior, numa sociedade de arquétipos (Arquétipo, do grego ἀρχή – arché: “ponta”, “posição superior”, “princípio”, e τύπος – tipós: “impressão”, “marca”, “tipo” – é um conceito que representa o primeiro modelo de algo, protótipo, ou antigas impressões sobre algo).

Reforçamos tanto e de modo tão agressivo a imagem do antagonista, do opositor, como se para ter a convicção plena de um pensamento nos fosse necessário projetar o seu oposto. Na dicotomia atual, uma verdade só pode existir se, para tal, outra for negada. É um pensamento tão antigo quanto o próprio homem. Fonte de toda a intolerância humana.

Não são mais conflitos territorialistas ou religiosos; não se trata mais da rivalização entre judeus e árabes, cristãos e pagãos, brancos e negros, conquistadores e conquistados, Deus e o Diabo, Caim e Abel, o pecado e a salvação. Esses conflitos ainda perduram de modo evidente, mundialmente, cada qual em seu microuniverso.

Certa vez, em um seminário sobre a ditadura militar no Brasil, um ouvinte me fez uma pergunta salutar: como, durante a vigência do regime, os mesmos homens que no interior dos porões torturavam pessoas conseguiam retornar para suas casas ao anoitecer e manter vidas normais, amar suas esposas, criar seus filhos, sem nenhum sentimento de culpa pelas crueldades cometidas?

Eis a origem da questão: esses indivíduos faziam isso porque, de modo convicto, foram levados a acreditar que os torturados não eram seus semelhantes, que eram terroristas, comunistas, conspiradores e, de certo modo, a ideia de contribuir para a eliminação dessa parcela degenerada da população até gerava um senso de orgulho, de dever cumprido para com a pátria.

Foi assim na Grécia, era assim em Roma, na Santa Inquisição, no Holocausto, na guerra do Vietnã. Chama-se desumanização. Um remodelar do paradigma ético e moral que permite a um ser humano olhar para o outro e simplesmente não reconhecê-lo como igual. Dai a ausência da culpa pelos atos que, de modo hediondo, simplesmente se permite realizar sem agregar nenhuma culpa. Afinal, o indivíduo não praticou desrespeito, violência, agressão ou injúrias contra nenhum dos seus semelhantes, porque, em algum momento, o outro deixou de ser seu igual.

Mas esse não é o encerrar da história. Essa nova convicção passa a ser ensinada, mascarada de moral e bons costumes, para as gerações vindouras, ao ponto de sua fonte cair no esquecimento e se tornar apenas a verdade. Justificar-se-á adiante, que tais atos são praticados porque sempre foi assim, pois o pai do meu pai repassou o pensamento desumanizador adiante, e a repulsa ao diferente torna-se social e moralmente aceita. O indivíduo, fruto de sua criação e convívio familiar, carrega, na construção de sua própria identidade, o ódio e a intolerância ao outro, a quem nem sequer se permite conhecer.

Nascemos páginas em branco e em nós, sem que tenhamos ainda consciência do fato, são semeados rancores e convicções tão antigas que, ao nos apegarmos a elas, construímos o conceito prévio sobre um outro ser humano, sim, um preconceito. Aprende-se a considerar o ensinamento recebido como Verdade ou, ainda pior, como paradigma sobre o qual não se pode cogitar o questionamento: o alicerce familiar.

Assim, no transpor da adolescência temos jovens brancos odiando negros, heterossexuais verbalizando desprezo e homofobia, cristãos agressivamente desrespeitando religiões de matrizes africanas, o civilizado desejando a aculturação do indígena, e muitas e muitas atitudes que, certamente, não passaram sequer pela mínima reflexão pessoal. Atiramos no outro as pedras que, desconhecendo a razão, nos foram entregues na ancestralidade do repasse de nossas criações e convívios.

No presente momento, um novo antagonismo toma forma em nosso meio. Sempre que nos confrontamos com a fome, a doença, a morte ou a escassez de recursos, nosso germe da intolerância renasce em busca do culpado, aquele que será desumanizado para que possa ser tido como causa ou razão da existência do que aflige a sociedade como um todo. Esse é o modo operante de uma sociedade em crise: defender aos seus, aos que irracionalmente considera como semelhantes, e atacar aqueles que passam a ser vistos como rivais. Indignos de sequer merecerem o benefício do diálogo. E do outro lado não poderia ser diferente, o proceder é idêntico.

Vivenciamos a guerra santa, a guerra da santa burrice (com perdão ao asno pela referência). Num planeta assolado por uma pandemia, o cidadão, que se autodeclara de bem, alista-se como Bolsominion ou Petralha. Vertentes da mesma moeda, cujo antagonismo só convém para aqueles que fomentam a discórdia, como cortina de fumaça para a dilapidação do bem comum, pertencente aos dois lados, assim como aos poucos que ainda não se viram forçados ou atraídos para uma das vertentes do ciclo nefasto da intolerância.

É hora de romper com a polarização infecunda, baseada na critica à convicção alheia e não na reflexão individual. A sombra de toda segmentação social já ocorrida nos conflitos humanos paira sobre nós. Uma hora, para dissimuladamente forjar a integração social, um inimigo será eleito e sobre ele recairá toda a culpa, construída do medo, da pretensa necessidade de unificação, do falso sentimento patriótico e do desejo de legitimação dos focos de poder. O momento é de cautela porque, no fim de tudo, dentre a fantasiosa disputa entre pretensas direita e esquerda, sem que lhe seja previamente informado, o mártir, meu amigo, pode ser você.

*Elo Cunha é formado em letras pela UFMG. Médico, pela UFPI, atua no enfrentamento do COVID no Estado do Maranhão.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s