Pinheirinho, Vila Oliveira, Morro da Providência… quantos mais?

por Sulamita Esteliam

Há dias em que não adianta querer forçar a barra: o corpo e a mente estacam e exigem repouso. Foi o que aconteceu ontem. Cheguei em casa já noitinha, completamente exaurida. Não consegui tornar ao computador e cumprir a obrigação e o prazer diários de postar no blogue. Sei que me entendem.

Imagem capturada da reportagem do G1-Vale e Região/SP
Imagem capturada da reportagem do G1-Vale e Região/SP

Por isso, registro com um dia de atraso o aniversário de um ano da desocupação de Pinheirinho, em São José dos Campos/SP, completados neste 22 de janeiro. Verdadeiro massacre que este blogue publicou aqui, aqui, aqui e aqui.  Houve ato convocado pelos movimentos sociais no Estádio Poliesportivo do Campo dos Alemães, onde fica a comunidade, hoje um terreno baldio cercado e coberto de mato – também aqui.

Quanto as 1700 famílias, desalojadas com truculência de toda sorte, estas vivem do chamado aluguel social. Nenhuma solução até hoje. Por conta disso, o poder público, nos três níveis, é  alvo de críticas da Anistia Internacional, que divulgou nota a respeito. A edição desta semana de Carta Capital traz ampla reportagem sobre a situação de descaso.

Pinheirinho são várias Brasil afora. A violência e o desmantelo não conhece fronteiras. Seja a propósito da tal mobilidade urbana, seja em nome da propriedade sobre as vidas, lamentavelmente, a justiça social ainda é uma quimera. A despeito dos avanços, recentes, da nossa frágil democracia, também no campo da distribuição de renda e dos direitos humanos.

Que o digam as 20 famílias da Vila Oliveira, no Pina, Recife, que tiveram seus lares tratorados com o aval da Justiça e a omissão do Estado. Aconteceu em 06 de novembro último – aqui e aqui, neste blogue. O que é feito destas pessoas?

Busquei na rede e, de mais recente, só encontrei o vídeo abaixo, postado no blogue Vitrine Recife, a partir do Youtube. Trata-se de reportagem da TV Jornal, em 20 de dezembro:

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, centenas de famílias da Comunidade da Providência, a mais antiga da cidade, estão ameaçadas de perderem seus lares, “em nome do progresso”. O drama é relatado no curta Casas Marcadas, Menção Honrosa do 12º Festival Internacional de Cinema de Arquivo – Recine. Leva, dentre outras, a assinatura de Carlos R.S.Moreira, o Beto da Rede 3º Setor. Foi-me enviado pelo amigo Sérgio Telles, da Rede Liberdade, via Encontro Nacional de Blogueiros.


Um comentário sobre “Pinheirinho, Vila Oliveira, Morro da Providência… quantos mais?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s