A imagem da mulher: a mídia como ela é

por Sulamita Esteliam

imagemdamulherVocê, homem ou mulher, acha que a mídia trata bem as mulheres? O que passa na TV, é estampado nas páginas de jornais e revistas, e abunda até nas redes sociais representa a média e a realidade da mulher brasileira? Ou reproduzem estereótipos e estimulam preconceitos mal-disfarçados nesta terra brazilis?

Na publicidade, por exemplo, a imagem feminina, quase sempre magra, linda e sexy, é usada para vender de um tudo: de cerveja, lingerie, carro, sabonetes, pasta de dente, bolachas, sabão em pó, preservativos, cartão de crédito a  tábua de passar roupa e pomadinha japonesa.

“As propagandas e novelas/nas cores do arco-íris” – versejou, em rock, o compositor mineiro, inédito, Alarcone Lalá, que vem a ser meu irmão, há cerca de 30 anos -, “fazem com que o seu sentido emocional/derrame toda a bílis…”

Mas, e daí? É assim que tem que ser? A tal da liberdade de expressão, tão propalada, comporta tudo no mesmo balaio, como casa de mãe-Joana? Como é que funciona em outros cantos do Planeta?

Rachel Moreno autografa o livro para Terezinha Vicente, da Ciranda.Net - Foto capturada no FB da autora
Rachel Moreno autografa o livro para Terezinha Vicente, da Ciranda.Net – Foto capturada no FB da autora

É essa reflexão que traz o livro A Imagem da Mulher na Mídia – Controle Social Comparado, Publisher, que a psicóloga e pesquisadora Rachel Moreno, do Observatório da Mulher e da Rede Mulher e Mídia, acaba de lançar em São Paulo.  Naturalmente, sem cobertura que não a de parcela dos veículos alternativos e da blogosfera.

Eis o vídeo com reportagem da TVT sobre o evento, para atiçar o apetite:

Clique para ler entrevista com a autora e reportagem pré-lançamentos, publicadas pela Caros Amigos e pela Fundação Perseu Abramo, via Ciranda.Net (meu navegador está bloqueando o acesso ao sítio da Ciranda), que, aliás, consta dos favoritos do meu blogue.
E o pior é que minha ignorância tecnológica não encontrou a trilha da solução…)

O movimento de mulheres e pela democracia na comunicação de Pernambuco e da Paraíba tenta viabilizar o lançamento do livro no Recife e em João Pessoa, em março, mês da mulher. Tomara que dê certo.  Aceita-se contribuições de entidades e organizações com interesse na causa e flexibilidade de caixa.

Enquanto não acontece, o livro, que tem a colaboração de Tereza Verardo e prefácio do professor aposentado da UnB e estudioso da comunicação, Venício Lima, pode ser adquirido aqui.

Parabéns, e obrigada, Rachel!


2 comentários sobre “A imagem da mulher: a mídia como ela é

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s