“Bolsa estupro”, em nome de Deus

por Sulamita Esteliam
Charge criada para a Marcha das Vadias 2013 no Rio - capturada em: latuffcartoons.wordpress.com
Charge criada para a Marcha das Vadias 2013 no Rio – capturada em: latuffcartoons.wordpress.com

Volta e meia a gente se depara com uma brasinha assoprada a avivar as cinzas do conservadorismo da nossa sociedade. E o mais triste e patético é que a história se repete com o mesmo viés: “em nome de Deus”. Um deus colérico e usurário, que aponta o dedo, discrimina e castiga com a opressão, a tortura mental, a exploração financeira e o abuso de poder.

Ora, se há uma coisa que não dá química, é misturar questões de fé e de religião com razões de Estado e direitos humanos. A história está aí para nos advertir. Quando a Igreja, qualquer uma, mete a colher, a gente come comida estragada. As exceções só confirmam a regra.

É o caso, agora, do Estatuto do Nascituro, recém-aprovado na Comissão de Finanças e Tributação, o que o remete à Comissão de Constituição e Justiça, antes de ir a plenário. Vem no lombo do fundamentalismo evangélico, besta-fera cavalgada por soldados do Armagedom. Pior é que alguns vestem saia, e pregam a submissão feminina como um estigma divino.

Cá no mundo terreno, as coisas sempre podem ser piores. Por exemplo, por que Comissão de Finanças e Tributação um projeto que pretende, em última instância, brecar os tímidos avanços legais em relação ao aborto?, perguntam cá meus dois neurônios. Ora, porque o famigerado projeto de lei cria um bônus para estimular a mulher a desenvolver a gravidez, ao invés de abortar o fruto da violência. É a “bolsa estupro”, em palavras cruas.

Além de estabelecer que o embrião ou feto, que pode vir a ser uma criança futura, é  vida, e como tal, mais importante do que a vida e/ou a saúde física e mental da mulher que o gesta e pare.

Em nome de Deus, a mulher violada ganha uns trocados para gestar o filho de seu agressor. E é obrigada a conviver com o monstro, pois que este é o pai da criança.

Em nome de Deus, a mulher torna-se ré de um crime no qual ela é a vítima.

É a tortura da violação elevada ao cubo, e em nome de Deus.

Paro por aqui, pois que me vêm engulhos.

 

Mas você pode ler mais aqui, aqui e aqui

**************************************

Transcrevo a Nota do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher:

O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher manifestou a parlamentares da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara Federal, na manhã de quarta-feira (05/06), seu posicionamento pela rejeição da proposta do Estatuto do Nascituro (PL 478/2007).

O Estatuto do Nascituro viola os direitos das mulheres e descumpre preceitos constitucionais de previsão e indicação de fonte orçamentária, objeto de discussão naquela Comissão.

É lamentável que as mulheres sejam, mais uma vez, vítimas da legitimação da violência perpetrada contra elas. O projeto dificulta o acesso das mulheres aos serviços de aborto previsto em lei, nos casos de risco de vida à gestante, estupro e gravidez de feto anencéfalo.

Por considerar o referido projeto um retrocesso em relação aos direitos humanos das mulheres brasileiras, conquistados na trajetória de construção de uma sociedade de igualdade e justiça social, o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher continuará seu trabalho de informação e de esclarecimento junto a parlamentares e à sociedade.

Brasília, 5 de junho de 2013.
Pleno do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher

**************************************

Diga NÃO  Ao Estatuto do Nascituro. Clique para assinar a petição que, à hora desta postagem já contava com 122 mil assinaturas.

Dia 15 tem ato em São Paulo, convocado pelo movimento feminista, que antes se reúne também em Sampa – aqui, no Observatório da Mulher, a pauta. Concentração às 13 horas na Praça da Sé.


Um comentário sobre ““Bolsa estupro”, em nome de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s