Quem tem medo da democracia?

por Sulamita Esteliam
A charge do Latuff virou cartaz de rua em Sampa
A charge do Latuff virou cartaz de rua em Sampa

Desde o início da noite acompanho pelo Twitter as manifestações que, calcula-se, levaram perto de 250 mil pessoas às ruas do Brasil neste 17 de junho. Provocadas pela violência da repressão nos protestos em São Paulo e Rio, semana passada, contra o reajuste das tarifas e por transporte público de qualidade. Começaram pacíficas, mas em algumas capitais, como Rio, Beagá, Porto Alegre e São Paulo, terminaram em confronto e violência.

Em pelo menos 11 capitais houve manifestações. A maior delas aconteceu no Rio, o protesto que começou pacífico, levou mais de 100 mil às ruas. Lamentavelmente, acabou em tumulto, quando um grupo de manifestantes se deslocou da Cinelândia para a Alerj, e tentou depredar o prédio. Houve feridos e há denúncias de que a PM usou, inclusive, armas letais, deixando dois feridos a bala de chumbo – clique para ver as fotos na Rede Brasil Atual.

Houve violência da PM também em Beagá, que encurralou os manifestantes na Pampulha, com uso do Batalhão de Choque e da Cavalaria. Duas pessoas, um jovem de 18 anos, e um mulher, caíram ou foram empurrados de um viaduto. Foram socorridos e, felizmente, não correm risco de morrer.

Em Brasília o povo subiu a rampa e ocupou as conchas e salas do Congresso. Em São Paulo, a marcha ocupou toda a área central da cidade, pacificamente, e chegou à Rede Globo e ao Palácio Bandeirantes – aí o bicho começou a pegar, e à hora desta postagem, continua pegando pra valer.

Também em Curitiba e Porto Alegre a polícia militar usou de violência. Em Salvador, Belém, Fortaleza, Maceió e Vitória, ao que me chega, tudo correu na paz. Houve protestos, também, em cidades de porte médio, como Bauru (SP), Juiz de Fora e Betim (MG).

No Recife, uma reunião no início da noite confirmou a manifestação do dia 20, prevista para ocorrer em diferentes capitais do país, e também no exterior. Mas, as notícias em tempo real pelas redes sociais, levou os estudantes para as ruas do Derby, área central convergente dos quatro cantos da cidade , ainda esta noite.

E que não contemos com a mídia de sempre para ter visão real dos fatos. O que a mídia faz é atiçar fogo nas barricadas que lhe convém, e jogar fumaça onde lhe interessa esconder.

Das redes para as ruas, os protestos não  são por vinte centavos, como querem alguns. Também não é só pela má qualidade do transportes. Há um caldeirão de insatisfações legítimas, assim como há oportunismos.

Sejam estes ou aqueles motivos, a geração abúlica, que antes queria uma ideologia para viver, busca uma causa e uma voz. Melhor prestar atenção.

De qualquer forma, é um bom teste para nossa engatinhante democracia. 

Quem tem medo?

****************************************

As revistas Carta Capital e Forum acompanharam passo a passo os protestos em São Paulo, Rio, Brasília, Beagá e demais cidades.


Um comentário sobre “Quem tem medo da democracia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s