A memória da cidade se perde no furor especulativo

Detalhe da fachada - Foto capturada no blogue Direitos Urbanos.wordpress
Detalhe da fachada – Foto capturada no blogue Direitos Urbanos.wordpress
por Sulamita Esteliam

Quem caminha pela orla de Boa Viagem, a partir da Pracinha de mesmo nome, onde está plantada a Igrejinha onde tudo nasceu nestes sítios, no sentido do Pina ou bairro-cidade, há de perceber certos edifícios que contam, alguns gritam, o tempo. Nenhum deles é mais singular do que o Edifício Caiçara.

Ed.Caiçara 1_DP
Assim era o Edifício Caiçara – Fotos: DP

Recoberto de partilhas verdes, tom sobre tom, e “viezes” multicoloridos, meio casa, meio castelo, dá vontade de voltar a brincar de bonecas… Ou descolar ali um cantinho para viver, eu que adoro relíquias – há quem me acuse de fazer de onde eu moro um museu familiar …

Tem, talvez, oito, doze, apartamentos. Três andares em duas alas separadas por uma pequena torre. Mas nunca, em minhas andanças, vi na fachada um plaquinha de aluga-se ou mesmo vende-se.

Ed.Caiçara 2_DP
… e assim está

Pois foi comprado o prédio inteiro e, na calada da noite, uma de suas alas veio abaixo. É a notícia estampada na capa dos jornais da terra, há alguns dias. O horror geral barrou a vilania, temporariamente.

É Imóvel de Preservação Especial para o município e para a memória do bairro, da cidade – aqui. O processo de tombamento no Patrimônio Estadual, não obstante, deu em nada. Falta o aval do governador. Ainda assim veio abaixo, parcialmente.

A Igreginha onde tudo começou, há mais de 300 anos, se mantém intacta - Foto capturada na internet
A Igreginha onde tudo começou, há mais de 300 anos, se mantém intacta – Foto capturada na internet

Segue na trilha do destino de tantos outros… O Hotel Boa Viagem, por exemplo, que deu lugar a duas torres gigantescas a afrontar a Igrejinha nascedoura. O antigo Castelinho, que, embora preservado pela ação da Prefeitura, é engolido pela suntuosidade das torres gêmeas precursoras da dilapidação em curso…

Estou no limite do cansaço, mas precisava registrar – até para não dizer que não bloguei hoje. O blogue Direitos Urbanos tem os detalhes. Clique para ler.


Um comentário sobre “A memória da cidade se perde no furor especulativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s