Três notícias e a mídia como ela é, aqui e alhures

Charge capturada no conversaafiada.com.br
Charge capturada no conversaafiada.com.br
por Sulamita Esteliam

Três notícias importantes no decorrer da semana nos revelam o quanto é equivocado o pensamento vigente sobre liberdade de imprensa e liberdade de expressão. Ao meu ver equivocado, pois, quase sempre, se confrontam com o direito à informação, à verdade dos fatos.

Não estou sozinha neste pensamento, felizmente. E os três fatos que enumero constituem três claros exemplos de que há amor e vida inteligente do lado de cá do balcão de negócios do jornalismo:

1) Na Inglaterra, o Conselho Assessor da Rainha aprovou novas regras que incluem a criação de um órgão regulador e outro ouvidor, guardiães do código de ética  da imprensa. Fê-lo contra a vontade da metade dos conglomerados midiáticos; a outra metade – Guardian, Financial Times e Independent –  fez ouvidos moucos. Detalhes em Carta Maior.

2) Na Argentina, a Corte Suprema de Justiça derrubou a esperança de o grupo Clarín, enterrar a Ley de Medios, declarando-a constitucional. Quatro anos após ter sido aprovada, a Lei que acaba com a concentração de meios ou veda os conglomerados midiáticos, entra em vigor com toda sua força.

Mídia democrática pressupõe algum controle social sobre a qualidade do que se informa, dentro dos limites constitucionais. Ao contrário, o que se vê, aqui, acolá e alhures é a mídia autonomear-se opinião pública, em nome de seus interesses econômico-políticos, travestidos de uma imparcialidade de carochinha, que nem inglês vê.

Os juízes hermanos não se comoveram com os argumentos del Clarín de confronto à liberdade de imprensa e ao direito de propriedade, de inviabilidade patrimonial/econômica, a se cumprir as determinações da Lei – aqui a decisão,  aqui a reportagem e aqui a análise do jornalista e professor Laurindo Leal Filho, também, para Carta Maior.

E a Globo quase perde o juízo, me contam as redes sociais. Se você é do tipo que dá audiência à plim-plim, terá visto.

Para Laurindo Leal, um estudioso da matéria e, por isso, defensor da comunicação como direito humano, a decisão deixa o Brasil, cada vez mais, comendo poeira no que diz à democratização da mídia.

O professor lamenta “as dificuldades existentes no Brasil para que ocorra processo semelhante. A começar dos governos, sempre temerosos em se contraporem aos negócios da comunicação. Seguindo pela hostilidade da mídia hegemônica contra as mudanças, capaz de contaminar a universidade, totalmente alheia ao debate em torno da lei de meios.”

A lembrar, como o faz Laurindo, que a Europa e os Estados Unidos – tão venerados por nosso complexo de vira-latas – têm leis reguladoras da mídia há pelo menos 80 anos. E que vêm sendo aperfeiçoadas, como mostra o reino de Sua Majestade, Elizabeth II.

Clique para conhecer, e assinar, o projeto de Lei da Mídia Democrática.

Imagem capturada em Carta Capital
Leandro Fortes e imagem capturada em Carta Capital

3) E agora a terceira notícia, que a jornalista que ainda habita em mim comemora, e a leitora que sou, lamenta: a saída de Carta Capital do colega Leandro Fortes, um Jornalista, assim mesmo, com J maiúsculo.

Convivemos profissionalmente nos tempos brazilienses, ainda que em eventuais coberturas partilhadas – ele repórter, salvo engano, do Jornal do Brasil  e Euzinha, na extinta TV Manchete. Voltamos a nos encontrar na militância dos blogueiros/as progressistas, em tempos recentes.

Leandro parte para outros desafios, com foco na rede. Gente da sua estirpe não é de se aninhar em berço explêndido, que é o que para ele equivalem seis anos de trabalho com Mino Carta, o editor-geral da revista . Vale à pena ler sua carta de “Despedida doída”, publicada no sítio de Carta Capital.

Terá boa sorte, com certeza.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s