Violência contra mulher é cancro mundial

por Sulamita Esteliam
Charge capturada no sítio latuffcartoons.wordpress
Charge capturada no sítio latuffcartoons.wordpress

No Portal Compromisso e Atitude, busco a matéria, que posto abaixo, sobre o Dia Internacional pelo Fim da Violência contra a Mulher, marcado no 25 de novembro. São dados da América Latina, que nos deixam ainda mais estarrecidos com o grau de violência sexista. Com informações da BOL/Agência EFE.

Todavia, não estamos sozinhos, infelizmente – nem em nosso país e nosso continente. As notícias no mundo todo não são mais alvissareiras. A OMS – Organização Mundial da Saúde realizou estudos em 10 países, em 2011. Constatou que, na faixa de 15 a 49 anos, 15% das mulheres no Japão e 70% das mulheres na Etiópia e no Peru, sofreram violência física e/ou sexual de parceiro íntimo.

Diz mais a pesquisa: de 0,3% a 11,5% das mulheres ouvidas sofreram violência sexual de homem que não o parceiro. Pode ser pior: a primeira experiência sexual foi relatada como forçada por  24% na zona rural do Peru, 28% na Tanzânia, 30% na área rural de Bangladesh e 40% na África do Sul – clique para mais detalhes.

No Brasil, em que pese o rigor da Lei Maria da Penha, ocupamos o nada honroso 7º lugar n rol mundial de feminicídio. São 4,4 assassinatos a cada 100 mil mulheres, segundo os dados do Mapa da Violência 2012, do Instituto Sangari, com base em dados até 2010 – aqui).

Desculpem-me, o assunto é mesmo desagradável. Mas é preciso encará-lo para que consigamos, um dia, exterminar este cancro. Vamos matéria:

 

Violência contra a mulher já matou 1800 na AL este ano

O Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher foi lembrado na América Latina com atividades que evidenciaram o tamanho de um problema social pelo qual já passaram 70% das mulheres no mundo, segundo dados da ONU.

Neste ano morreram na América Latina pelo menos 1.800 mulheres por causa da violência de gênero. E estes dados não incluem Brasil e México, que não têm disponíveis números tão atualizados.

A campanha mundial Organização das Nações Unidas pediu que hoje as mulheres usassem uma peça laranja para fazer visíveis os milhares de casos ocultos pelo medo e denunciar que 603 milhões de mulheres e meninas vivem em países onde a violência de gênero segue sem ser considerada um crime.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, cobrou que todos os governo combatam essa opressão com vontade política, com aumento dos recursos para prevenção, atenção e erradicação “nos lares, nas escolas, em cada país e em cada sociedade”.

A América Latina não ignora um flagelo que a presidente Dilma Rousseff diz “envergonhar” qualquer sociedade que quer ser “mais justa, cidadã e solidária”.

Segundo dados da Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe, 45% das mulheres da região dizem já ter recebido ameaças por seus companheiros, sejam namorados ou maridos.

Não só há milhares de mulheres latino-americanas que são vítimas da violência de gênero, mas a data escolhida pela ONU para o Dia Internacional está relacionada com a região. É a data do do brutal assassinato, em 1960, das irmãs dominicanas Pátria, Minerva e María Teresa Mirabal pela ditadura de Rafael Trujillo.

A Bolívia é, segundo números do Pnud citadas pelo Programa ONU-Mulheres, o país onde mais mulheres (52%) afirmam ter sofrido violência sexual ou física pelo companheiro íntimo, seguida por Colômbia (39%), Peru (39%) e Equador (31%).

O Centro de Informação e Desenvolvimento da Mulher da Bolívia tem contabilizadas 89 mortes de mulheres por violência machista, o feminicídio, nos primeiros dez meses do ano, mas adverte que pode haver muitos mais casos, pois estes dados só se referem aos que forem divulgados nos meios de comunicação.

No Equador, onde existe uma “discriminação estrutural” contra meninas e mulheres segundo a ONG Plan International, 78% das meninas disse já ter recebido algum tipo de maus-tratos em seus lares, e 41% nas escolas.

Segundo dados do Observatório de Feminicídio da ONG Casa do Encontro, na Argentina foram assassinadas 1.236 mulheres e meninas nos últimos cinco anos, 255 deles só em 2012.

A impunidade é “um dos principais e mais graves fatores que promove a violência contra as mulheres”, disse a Defensoria Pública da Bolívia, país onde desde março o feminicídio é punido com até 30 anos de prisão.

A falta de uma lei integral contra a violência contra as mulheres e a carência de estatísticas oficiais de vítimas de maus-tratos são as principais dívidas do Estado paraguaio nesse tema, disse à agência Efe o Comitê da América Latina e o Caribe de Defesa dos Direitos da Mulher.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s