A velha mídia já não serve mais

por Sulamita Esteliam
Lula: fala de uma hora e meia e diversidade de temas dificultam a edição - Fotos: SE
Lula: fala de uma hora e meia e diversidade de temas dificultam a edição – Fotos: SE
O batalhão da imprensa
O batalhão da imprensa

A manhã de sábado no #BlogProg foi dedicada à troca de experiências entre blogueiros/as e ativistas digitais. Em um dos vários grupos, coordenados por jornalistas/blogueiros experientes, uma mulher se apresentou:

– Não sou blogueira nem ativista digital. Sou o que vocês chamam de “coxinha”. Fui leitora da Veja, não sou mais. A Folha também já não me serve. Vim ouvir, saber como funciona o outro lado…

No intervalo para almoço no primeiro dia de atividades do #4BlogProg, logo após a palestra de Lula, encontrei uma jovem coleguinha mineira em frente ao hotel. Trazia o rosto afogueado e o olhar duro, de quem acabara de passar por forte contrariedade.

Perguntei-lhe o que tinha havido, e ela respondeu indignada: “É esse babaca do repórter da Globo. Acredita que flagrei ele dizendo para o cinegrafista que tinha que ver como ia editar o que haviam gravado…?”

Limitei-me a dizer: é assim mesmo que funciona, no mínimo, ele cumpre ordens.

A garota não é jornalista, e talvez por isso não tenha dado ao repórter, pouco mais que um menino, o benefício da dúvida. Ele poderia estar se referindo à dificuldade de sintetizar para a televisão o volume, a diversidade e a qualidade do conteúdo da palestra do ex-presidente.

Lula havia falado cerca de hora e meia – sobre comportamento da mídia, sobre a pauta negativa, sobre a negação da política, sobre a Copa, sobre a virulência dos ataques aos governos petistas, sobre a grosseria, o desrespeito para com a presidenta da República; sobre a importância de não calar-se diante dos ataques, sobre ser imperioso contar para os jovens, que só conhecem o Brasil de agora, como as coisas eram antigamente – e nem tão antigamente assim. Se ainda não viu, ouviu ou leu, clique aqui e aqui.

Não é tarefa fácil, também para o repórter.

Principalmente se ele, supondo-o fiel ao dever profissional, pretendesse uma matéria equilibrada, atenta aos fatos, sem dar chance a qualquer má intenção. Poderia. Como poderia, também, mais provável, ter recomendação explícita para fazer assim e não fazer assado.

No grupo do qual participei, obriguei-me a pedir a palavra para, dentre outras coisas, manifestar meu desconforto com as agressões verbais e até físicas a jornalistas em pleno exercício do trabalho. Há casos de morte, como a do cinegrafista atingido por um rojão em protesto no Rio, em fins do ano passado.

Confundem o trabalhador com o veículo. Ainda que não sejam poucos os coleguinhas que se deixam enredar, e portanto se confundem com o patrão; ou mesmo querem ser mais realistas do que o rei.

Também são poucos, muito poucos, os jornalistas que exercem o direito à cláusula de consciência, do nosso Código de Ética, antídoto contra malfeitos. Equivale a pedir o boné, o que significa que o emprego  vai ou fica junto com os princípios.

Caçaram nosso diploma, os salários da grande maioria são aviltantes. Jornalista é alvo de assédio na redação e tornou-se alvo de achincalhamento na rua. Tanto quanto o PT, somos Geni.

Não há nada que justifique violência.Todavia, disse Euzinha na oportunidade: somos blogueiros de esquerda, e o são, ou se acham e se dizem, parte dos manifestantes de rua. E o ser de esquerda implica solidariedade e generosidade, respeito pelo outro e pelo trabalho do outro.

O caso da mulher que ficou sem mídia, e busca os alternativos, e o episódio do repórter global, perdido no dilema da síntese ou da ética, ilustram bem a que nível de desgaste chegou a imprensa nativa.  Ainda que muita gente ainda se deixe emprenhar pelos ouvidos.

Assine o Projeto de Lei da Mídia Democrática. Saiba mais aqui e aqui, neste blogue.

***************

Postagem revista e atualizada às 17:21 horas.

 

 


3 comentários sobre “A velha mídia já não serve mais

  1. Pois é caríssima companheira Sulamita, no rádio também somos tolhid@s de veicular a entrevista completa ou a notícia dada tal qual constatamos! Ora, muitas emissoras quando não são atreladas à política dominante, são de propriedade de políticos dominados! Nossa linguagem é repassada distorcidamente, e o que é pior, o público nem percebe se pro bem ou se pro mal da informação!!
    Usando nossa linguagem de gênero no rádio, vez por outra ouço do meu diretor/programador, alertas sobre o que eu digo a@s ouvintes… O que comprometemos? O nosso emprego!
    Costumo dizer para @s colegas, que enfrentamos um leão por dia. É o nosso chefe “rangindo” como um leão, quando fugimos das regras impostas!
    E assim caminha a comunicação da evolução! Porque a velha mídia já não serve mais, né não?
    Abraços blogueir@s

  2. Bom senso, ética.Adorei seu texto analítico e bem explicativo.Pelo visto foi mais de que bom este encontro de blogueiros.Você não poderia faltar mesmo.Que bom que foi proveitoso mana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s