O relatório da Comissão da Verdade cala os saudosistas

Emocionada, a presidenta Dilma Roussef recebe o Relatório da Comissão Nacional da Verdade por ela criada
Emocionada, a presidenta Dilma Roussef recebe o Relatório da Comissão Nacional da Verdade por ela criada – Foto: Ichiro Guerra/PR
por Sulamita Esteliam*

Neste 10 de dezembro de 2014, o Brasil pós-redemocratização dá o segundo passo na direção de se reconciliar com sua História política recente.  Está nas mãos da presidenta da República, Dilma Roussef, o Relatório Final de dois anos e sete meses de trabalho da Comissão Nacional da Verdade, instituída por ela, que comprovam a violação grave de direitos humanos durante os 21 anos de ditadura (1964-1985).

Ao ao fazê-lo, a Comissão aponta 377 responsáveis pelos crimes de lesa-humanidade traduzidos em 434 mortes e desaparecimentos de vítimas do regime militar. Faz mais, indica o terceiro e definitivo passo no reencontro do Brasil com a sua verdade: a revisão da Lei da Anistia, que mantém impunes os algozes, há 35 anos.

Faz outros alertas e recomendações. Particularmente, sobre as graves e sistemáticas violações de direitos humanos nos presídios brasileiros. Propõe, enfaticamente, a ampla reforma do sistema de segurança pública do país, sobretudo no que diz respeito à desmilitarização da PM e o fim dos famigerados autos de resistência à prisão – aqui e aqui neste blogue.

Dilma chorou a receber o relatório. Ela que criou a Comissão Nacional da Verdade, ela que sofreu na pele a violação da tortura. Dilma que sofre, agora, o achincalhe dos opositores, que tentam negar-lhe a legitimidade concedida pelas urnas. Gente oportunista e/ou mal informada, a acenar para tempos de triste memória.

Em discurso emocionado, a presidenta da República reeleita foi clara o suficiente para bom entendedor:

“Nós que amamos tanto a democracia esperamos que a ampla divulgação deste relatório permita reafirmar a prioridade que devemos dar às liberdades democráticas, assim como a absoluta aversão que devemos manifestar sempre aos autoritarismos e às ditaduras de qualquer espécie”, afirmou.

Para ela, tornar público o relatório, no Dia Internacional dos Direitos Humanos, “é um tributo a todas as mulheres e homens do mundo que lutaram pela liberdade e pela democracia e, com essa luta, ajudaram a construir marcos civilizatórios e tornaram a humanidade melhor”.

A presidenta acredita que o trabalho da Comissão contribui para o conhecimento da História pela sociedade e para construir um futuro livre de ameaças autoritárias:

“Nós que acreditamos na verdade, esperamos que este relatório contribua para que fantasmas de um passado doloroso e triste não possam mais se proteger nas sombras do silêncio e da omissão”, disse.

Dilma não tocou no assunto revisão da Lei da Anistia, recomendada pela Comissão.

Protesto SP _ AgBr
Protesto em São Paulo este ano – Foto: Agência Brasil

 

Não se trata de revanche. A Lei 6.683, de 28 de agosto de 1979, vai de encontro as leis internacionais, quando livra os agentes do Estado de suas responsabilidades na morte e desaparecimentos dessas pessoas. É autoanistia, flagrante delito contra o direito inter-nações.

Aliás, a Corte Interamericana de Direitos Humanos, em 2010, responsabilizou o Brasil pelo desaparecimento de participantes da Guerrilha do Araguaia (1967-1974).

Na ocasião, afirmou que as disposições da lei da anistia “são manifestamente incompatíveis com a Convenção americana sobre Direitos Humanos, carecem de efeitos jurídicos e não podem seguir representando um obstáculo para a investigação de graves violações de direitos humanos, nem para a identificação e punição dos responsáveis.”

Matéria de Carta Capital a respeito do Relatório da Comissão da Verdade destaca o trecho concernente à Anistia, e traz o retrospecto essencial para a compreensão da importância do momento.

A Comissão Nacional da Verdade colheu 1.121 depoimentos, 132 dos quais de agentes públicos, fez 80 audiências e sessões públicas país afora. Percorreu o Brasil de norte a sul, visitando 20 unidades da federação, onde realizou audiências, diligências e tomada de depoimentos. Visitou, também, unidades militares e locais utilizados pelas Forças Armadas, no passado, para a prática de tortura.

Constatou graves violações de direitos humanos: prisões sem base legal, tortura e as mortes dela decorrentes (191), violências sexuais, execuções e ocultações de cadáveres e desaparecimentos forçados (243), 33 dos quais tiveram suas ossadas localizadas e identificadas.

O último dos desaparecidos localizado, foi encontrado durante os trabalhos da CV: o camponês Epaminondas Gomes de Oliveira, que militava no Partido Comunista e morreu numa dependência do Exército em Brasília. Ali foi enterrado, longe da família.

Praticadas, como o foram, de forma massiva e sistemática contra a população, tais violações se enquadram em crime contra a humanidade. Resultado de “uma ação e sistemática do Estado Brasileiro”, e não atos isolados ou excessos ocasionais.

Como tal, são crimes imprescritíveis e não passíveis de legislação interna que as anistiem, como é o caso da legislação que vigora no Brasil desde 1979. Tudo segundo parâmetros legais internacionais.

O relatório tem três volumes. O volume I descreve, em detalhes, o trabalho da Comissão, as graves violações de direitos humanos, traz as conclusões e recomendações. O volume II reúne textos temáticos de alguns membros da CV. E o volume III é integralmente dedicado às vítimas.

O terceiro e último volume traça o perfil de cada um dos 434 mortos e desaparecidos políticos do regime militar vigente de 1964 a 1985, suas vidas e as circunstâncias que envolveram suas prisões e mortes. Clique para acessar e baixar.

A ONU parabenizou o governo brasileiro pela conclusão do relatório.

A Comissão Nacional da Verdade foi criada pela Lei 12.528/2011 e instalada em maio de 2012. O propósito: apurar e esclarecer, indicando as circunstâncias e autorias, das graves violações de direitos humanos praticadas de 1946 a 1988, intervalo entre as duas constituições democráticas do Brasil.

Presidida pelo advogado e professor do Instituto Ibero-Americano, Pedro Dallari, são membros da CNV: Gilson Dipp, advogado, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, e primeiro coordenador da Comissão;   José Carlos Dias, advogado criminalistas e ex-ministro da Justiça de FHC; José Paulo Cavalcanti Filho, advogado e ex-secretário-geral do Ministério da Justiça do governo Sarney; Maria Rita Kehl, psicanalista e cronista; Paulo Sérgio Pinheiro, cientista político e professor da USP; Rosa Maria Cardoso, advogada criminalista, professora da UFF, defensora de presos políticos.

comissao-da-verdade

 

***************

* Com o sítio da CNV, Blog do PlanaltoCarta CapitalCarta Maior e Latuff Cartoons

Postagem revista e atualizada dia 11.12.2014, às 11:32, hora do Recife: substitiuição da palavra “contra” pela expressão “traduzidos em”; e da expressão “crimes de lesa-humanidade”, repetida na última linha, por “os algozes” – tudo no segundo parágrafo.

 


Um comentário sobre “O relatório da Comissão da Verdade cala os saudosistas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s