Beagá, ‘a cidade cordial’, faz 117 anos

por Sulamita Esteliam

Planta_BHNão, não me esqueci que Belo Horizonte completa 117 anos neste 12 de dezembro de 2014. A terra que trago na minha certidão de nascimento, e onde cresci, amei e pari três do meu quarteto – e onde terminei, pelas voltas que a vida dá, por completar o sexteto; com a contribuição alheia, por que, também não estou com essa bola toda.

A cidade onde me tornei gente, mas da qual escapei para fugir da limitação de seus horizontes. Tão belos e tão opressores horizontes.

Minha relação com Beagá é de mãe e filha, adolescente. Quase sempre entramos em rota de colisão, mas a cidade me acolhe, a cada retorno, de braços abertos.

Dentre os meus livros começados, e empacados feito mula velha, está um no qual minha Macondo de origem é protagonista: A Cidade Cordial, que acolhe e expulsa seus filhos, que orienta e controla, que acarinha e repele.

O primeiro, Estação Ferrugem, integrou as celebrações dos 100 anos da capital mineira. É o único editado – numa parceria Vozes/Prefeitura de BH.

Conta a história de uma parte excluída da cidade, região operária, palco de greves e da resistência clandestina ao regime militar no período de 1964-1985, de árdua luta pela sobrevivência. “Ali onde Belo Horizonte  e Contagem se confundem”, como bem define meu amigo Jurani Garcia, jornalista parceiro de boas lutas.

Belo Horizonte são várias, como as Minas da qual se tornou capital.

Contorno poemaSobretudo, e especialmente, Belo Horizonte são duas: dentro e fora da linha da Contorno. A avenida, de quase 12 km (11. 720 m), que circunda a área central é traço delimitador de classe.

Desde a prancheta que a desenhou, e desfez Curral Del Rey, e empurrou sua gente para fora do traçado preferencial, que previa 180 mil habitantes. Hoje são quase 2,5 milhões.

 

 

 

 

 

Há exceções que, lugar comum, só confirmam a regra.

Leio, no diário O Tempo, que o presente de aniversário para Beagá é a esperança de que o Conjunto Arquitetônico da Pampulha (sítio fora da linha da Contorno),  venha a tornar-se Patrimônio Cultural da Humanidade. A prefeitura do município entrou com o processo no Iphan na manhã desta sexta.

Tomara logre êxito.

JK e Niemeyer, os dois visionários que gestaram a obra, hão de ficar muito felizes.

Parabéns a Belo Horizonte e a todo o seu povo!

“Gente que sofre e que, apesar de tudo vive; e consegue ser feliz, e se omite, e participa, e, que com suas mãos, com sua alma, ajuda a construir o Planeta Brasil. Ou não.”

(Trecho da introdução do Estação Ferrugem, Vozes/Prefeitura de BH, 1998. Encontrável somente pela internet)

A Pampulha abriga o Conjunto Arquitetônico , do qual a "igrejinha", traço de Niemayer com painéis de Portinari, é referência - Foto: Marcelo Pinheiro
A Pampulha abriga o Conjunto Arquitetônico , do qual a “igrejinha”, traço de Niemayer e painéis de Portinari, é referência – Foto: Marcelo Pinheiro

 

****************

Postagem revista e atualizada em 15.12.2014, à 00:17, hora do Recife: correção de grafia da palavra “Tomara”, ao fim (quase) do texto.

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s