O melhor Carnaval do Brasil tem suas polêmicas

alo-da-madrugada
O Galo da Madrugada arrasta milhões no sábado de Zé Pereira – Foto: PCR
por Sulamita Esteliam

Sem demérito para os demais, é preciso dizer – e nunca é demais repetir – o que Getúlio Cavalcanti, cantor e compositor pernambucano, prega em seu frevo-canção Último Regresso*: “o Recife tem/o Carnaval melhor do meu Brasil”. A despeito da contaminação…

Não, não caí no conto do “excesso” de pertencimento da gente pernambucana. Palavra de mineira que segue para sua 18ª folia nestas plagas. Se bem me lembro, nunca mais passei Carnaval em outro território.

 

 

Pois bem, já começou. Por toda cidade, e claro que na vizinha Olinda, as prévias das prévias troam desde as primeira semana de janeiro, como sempre. Oficialmente, a largada se dá com o anúncio da programação oficial, o que, no Recife, ocorreu na semana passada.

#sai do meu carnaval_nEm Olinda, tradicionalmente, a divulgação acontece na semana pré. Mas este ano, a prefeitura enfrenta a rejeição dos foliões aos camarotes no sítio histórico (ao lado).

O prefeito Renildo Calheiros (PCdoB) terá que arcar com o ônus político de vetar lei, aprovada mês passado pela Câmara Municipal, que proíbe a, digamos, novidade – proposta pelo poder público e emendada pelos vereadores.

No Recife, apesar das críticas e protestos, que acontecem desde o último Carnaval, os camarotes à beira-mar estão confirmados.  Além do que já existe na Rua do Bom Jesus, há outros naquela área privada em que se transformaram os armazéns revitalizados junto ao Marco Zero – aqui no blogue.

E  a festa paralela à tradicional celebração popular, para turistas e nativos diferenciados…

Nana no palco 2014_n
Sua majestade, Naná Vasconcelos! – Foto: Pernambuco Cultural

Mas a folia que faz a diferença na capital é a de rua. E Naná de Vasconcelos já ensaia seus batuqueiros desde o dia 15: durante a semana nas sedes dos maracatus, em diferentes pontos da cidade; nas noites de sextas traz o pessoal para o Antigo, e o ensaio é o espetáculo na Rua da Moeda.

É assim até há 14 anos, e assim será até a cerimônia de abertura, na sexta-feira, 13, no ano em que os homenageados são o maestro Spok (Inaldo Cavalcante de Albuquerque) e o Clube de Frevo Bola de Ouro. Este ano, Naná e 600 batuqueiros, de 11 nações de maracatus, dividem o palco do Marco Zero com Fafá de Belém.

E aqui um detalhe interessante: consta que a Prefeitura do Recife, sob gestão do PSB – assim como o Governo do Estado de Pernambuco – teria vetado a canção Vermelho**, clássico do repertório da cantora paraense, transformado numa espécie de ‘hino’ do PT.

Pois bem, nas redes sociais, há um chamado para “um canto coletivo” de Vermelho no Marco Zero. Em defesa da “liberdade de expressão”.

O Boi Garantido faturou mais um campeonato no Festival de  Parintins, ano passado
O Boi Garantido faturou mais um campeonato no Festival de Parintins, ano passado – Foto: Brasil 247

A toada de autoria de Chico da Silva, compositor amazonense nascido em Parintins, foi composta, na verdade, em 1996, como louvor ao Boi Garantido, que carrega as cores vermelho e branco e tem como símbolo o coração. É o rival do Boi Caprichoso, azul e branco. A rivalidade de ambos faz um espetáculo à parte na festa monumental do Boi Bumbá, folclore do Amazonas.

Desde a primeira eleição do PT, então em dobradinha com o PCdoB, para dirigir o Recife e Olinda (lá no vice-versa), foi transformada em hino das militâncias por aqui.

Agora, vamos combinar que, a se confirmar, um coral de milhares de vozes, à capela, há de ser algo inesquecível: “Meu coração é vermelho/de vermelho vive um coração …

 

 

Fecho com as letras das duas canções postadas em vídeo acima, para você acompanhar:

* O autor do Último Regresso, Getúlio Cavalcanti, e o  Coral do Bloco da Saudade, um dos mais tradicionais de Pernambuco, cantam o frevo-canção citado na abertura desta postagem. Deu-se no palco externo do Teatro Luiz Mendonça, do Parque Dona Lindu, em Boa Viagem,  durante a gravação do CD Vozes do Frevo, de Alcimar Monteiro. Ano passado – creio:

Último Regresso

Getúlio Cavalcanti

Falam tanto que meu bloco está,
dando adeus pra nunca mais sair.
E depois que ele desfilar,
do seu povo vai se despedir.

Do regresso de não mais voltar,
suas pastoras vão pedir:
não deixem não, que o bloco campeão,
guarde no peito a dor de não cantar.
Um bloco a mais é um sonho que se faz
o pastoril da vida singular.

É lindo ver ver o dia amanhecer,
ouvir ao longe pastorinhas mil,
dizendo bem, que o Recife tem
o carnaval melhor do meu Brasil.

 

** Fafá de Belém, canta a toada do Garantido:

Vermelho

Chico da Silva

A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão

O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Vermelho!

A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão

O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Meu coração!

Meu coração é vermelho
Hei! Hei! Hei!
De vermelho vive o coração
He Ho! He Ho!
Tudo é garantido
Após a rosa vermelhar
Tudo é garantido
Após o sol vermelhecer

Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou

Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou

A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som
Da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão

O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
Vermelho!

A cor do meu batuque
Tem o toque, tem o som da minha voz
Vermelho, vermelhaço
Vermelhusco, vermelhante
Vermelhão

O velho comunista se aliançou
Ao rubro do rubor do meu amor
O brilho do meu canto tem o tom
E a expressão da minha cor
(Vermelho!)
Meu coração!

Meu coração é vermelho
Hei! Hei! Hei!
De vermelho vive o coração
He Ho! He Ho!
Tudo é garantido
Após a rosa vermelhar
Tudo é garantido
Após o sol vermelhecer

Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou

Vermelhou o curral
A ideologia do folclore
Avermelhou!
Vermelhou a paixão
O fogo de artifício
Da vitória vermelhou


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s