Gays respondem violência policial com ‘beijaço’ em Olinda

por Sulamita Esteliam

1483325_1535346100087231_7610560056162375066_nO assunto do dia por aqui foi a violência policial sofrida por um casal de turistas baianos, que vieram para o Carnaval, e acabaram presos por “atentado violento ao pudor“. Eles afirmam que se beijaram após serem revistados por policiais militares. Aconteceu na Ribeira, na noite de quarta-feira.

No boletim de ocorrência, a PM anotou “masturbação em público”, e receberam o apoio do secretário de Defesa Social. O Ministério Público de Pernambuco, discorda; e nesta quinta divulgou nota de recomendação para que o Estado oriente os agentes policiais a respeitarem o direito à diversidade do afeto. Convocou, ainda, audiência pública para o dia 23 de abril, sobre segurança da população LGBT.

Em desagravo, as redes sociais entraram em ação, e convocaram um “Beijaço Gay” para a esta noite, em frente à Delegacia da Ribeira, onde o casal foi abordado, apanhou e foi preso. A concentração foi nos Quatro Cantos. Depois do beijo coletivo, desceriam em bloco pelas ladeiras, no dia da abertura oficial do Carnaval de Olinda

Na terça-feira gorda, outro “beijaço” deve acontecer, também na Ribeira, desta vez à luz da manhã e em meio à folia. No Twitter a convocação é para as 10 horas.

Mexeu com um, mexeu com todos.

A agressão é injustificável, mas é mais comum do que se pode imaginar. Nossa sociedade é predominantemente conservadora. Retrato disso é o Congresso Nacional.

É lá, por exemplo, na Câmara presidente por Eduardo Cunha(PMDB), que foi desarquivado um projeto, de autoria do deputado carioca, que estabelece nada menos do que o “Dia do Orgulho Hetero“! É pra rir ou chorar?

Olinda tem certa tradição de tolerância em relação a manifestações públicas de afeto entre homossexuais, sobretudo no Carnaval. Há até um logradouro, a 13 de maio, considerada “território gay” durante a folia.

No geral, porém, a gente sabe, vigora o preconceito. Ainda outro dia, tomava uma água de coco em um quiosque à beira-mar, aqui no Recife, e a conversa com a “operadora” era sobre liberalidade. Ela, uma pessoa bastante popular na freguesia, garante que respeita as diferenças.

– Mas, convenhamos, ninguém é obrigado a assistir um homem beijar outro homem. Que façam isso no seu particular, mas em público, é ofensa…

Não resisti, e perguntei: “E mulher, pode?”

Ela arregalou os olhos, soltou uma gargalhada nervosa, e devolveu:

– Você está brincando comigo…

 

****************

Compartilho um vídeo com música gravada por Cássia Eller, em 1992, sobre o direito ao amor entre pessoas do mesmo sexo. Eles é uma canção de Tavinho Fialho e Luiz Pinheiro. Topei com o clipe em uma das páginas do evento ‘Beijaço’ no FB:

 

 

*****************

Postagem revista e atualizada dia 13.02.2015, à 00:24 hora: inclusão do vídeo e do sétimo parágrafo; remanejamento da foto do pé para a cabeça do texto.

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s