A dor, a tragédia e a benção da ignorância

Imagens capturadas no Buzzfeed.com, via Twitter/Adsump
Imagens capturadas no Buzzfeed.com, via Twitter/Adsump
por Sulamita Esteliam

A intolerância é filha bastarda da ignorância, já  escreveu Lula Miranda, que é poeta e cronista, além de economista. Frequenta a blogosfera alternativa.

Meu companheiro, Júlio Teixeira, espírito frasista praticante, discorda. Para ele, a intolerância é filha legítima da arrogância. Eu acrescentaria a tirania, que é outro nome para prepotência.

Taí um cruzamento danado: ignorância com arrogância e prepotência, não pode gerar boa coisa. Se bastarda ou legítima, pouco importa. É meramente questão de circunstância.

E a miséria, a barbárie, o desespero, são filhos do quê? Da ganância com a indiferença?

Interessante o mecanismo que rege a miséria e a solidariedade humanas.

Mundo afora, todos os dias, milhares de crianças e jovens morrem de fome, de sede, de inanição, de doenças infectocontagiosas.

Todos os dias, mundo afora, milhares de crianças são assassinadas pela explosão de bombas, de minas terrestres, por tiros de metralhadora, escopeta, fuzil, revólver.

Tiro ao alvo de governos, impérios armamentistas, soldados, polícia ou ladrão, ou chefes, ou mascotes do tráfico, do contrabando, do latifúndio, das mineradoras, das madeireiras, da manipulação das mentes pela distorção dos fatos.

Balas brotadas da ganância, da incompetência, da hipocrisia, do cinismo, da má fé, do descaso, da brutalidade que rege o mundo.

Fruto também da indiferença dos que preferem ignorar o sentido lato da ignorância.

Nesse caso, a ignorância pode ser, como dizia John Lennon, “uma espécie de benção. Se você não sabe, não sente dor”.

Mas aí, uma lente flagra um corpo estendido na praia. E este corpo é de uma criança síria de três anos. Que se perdeu do pai, da mãe, do irmão, num bote de refugiados em busca de um asilo, no meio do mar…

Centenas de milhares de crianças iguais ao menino sírio se afogaram e se afogam, cotidianamente. Fogem da guerra, da miséria, da opressão. Encontram a morte.

Inclusive a mãe do menino sírio, e outras mães e pais de centenas de milhares de crianças iguais a ele. Inclusive seu irmão, mais velho apenas dois anos…

Só o menino de três anos, morto, foi imortalizado pela lente de um fotógrafo. Não por acaso, estava ali, a trabalho, supõe-se. À espreita da dor resgatada pelo mar.

Morte e vida, severinas.

A mãe escapou da vida. O pai escapou da morte, desta feita. Melhor tivesse sido acolhido pela mão do mar.

Quem pode mensurar o tamanho da dor de perder um filho, e ao alcance da mão? E dois filhos?

“Meus filhos escaparam das minhas mãos”, desespera-se.

Ex-Pai, despedaçado.

O menino de três anos teria sido meio órfão, se não fosse resgatado pela onda-mãe, que levou a si, quem com ele traquinava e quem o pariu.

E órfãos são centenas de milhares de crianças iguais a ele, fugidas da guerra, da barbárie levada pelo invasor ou perpetuada pelo déspota de plantão. Órfãos por inteiro – de pai, mãe, pátria e esperança.

Isso não torna a tragédia menos pavorosa.

Nem a imagem do menino sírio de três anos estirado na praia, escapado da mão do pai, morto por afogamento, se reflete menos dilacerante.

 

crianças refugiadas mortas _n

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas a solidariedade, ou a miséria, humana que se constrange ante a torpeza dos interesses, do jogo do poder pelo poder, das nações e dos homens que ceifam vidas de meninos e meninas de três, cinco, dez, doze anos…

… Em morte ou em vida, a miséria, ou a solidariedade, humana que se condói e compadece é a mesma que respira aliviada, segura em seu mundo umbilical.

Ainda bem que não é com meu filho, neto, irmão, sobrinho, afilhado… E se fosse!?

Ninguém mais vive em estado de pureza. O desconhecimento em estado nato não cabe no mundo de hoje.

Assim, a desinformação, aparentemente, gerada pela velocidade e volume de informação pretensa é, no mais das vezes, desinteresse conveniente.

E esta ignorância não é benção que atrofia a dor, mas praga que retarda a evolução da espécie.

Como diria um personagem de Dias Gomes, mimetista do chefe bem-amado Odorico Paraguaçu, esta “ignorança é que astravanca o progressio“.

O Brasil acolhe mais r sírios do que os países na rota europeia de refugiados, diz BBC - Foto capturada via Twitter @bbcbrasil
O Brasil acolhe mais r sírios do que os países na rota europeia de refugiados, diz BBC – Foto capturada via Twitter @bbcbrasil

 

 

 

 


Um comentário sobre “A dor, a tragédia e a benção da ignorância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s