Lula a Greenhald: ‘A mídia tenta quebrar minha imagem há 20 anos’

Lula e Greenhald 2
por Sulamita Esteliam

Glenn Greenhald, jornalista norte-americano, escritor e advogado especialista em Direito Constitucional, vive há anos no Rio de Janeiro, onde desde 2005 tem um companheiro brasileiro. Ganhou notoriedade, e um Pulitzer – o Oscar do Jornalismo estadunidense – com a divulgação inicial, no  britânico The Guardian, dos documentos vazados por Edward Snowden sobre o programa de arapongagem da NSA em 2013.

O repórter e editor entrevistou o ex-presidente Lula, na sexta passada, e o resultado está publicado no sítio The Intercept, na Internet, desde domingo.  E faz um comentário revelador do nível de improbidade e impropriedade desempenhado pela mídia nativa na oposição ao governo, embora a mesma midia venal argumente com a tal da imparcialidade. “Estou impressionado com nível de ferocidade na mídia brasileira para com o governo, eu que vivo há tantos anos no Brasil”, confessa.

Muito mais relaxado que na primeira coletiva concedida a jornalistas internacionais,  na última semana de março, Lula não fugiu a nenhuma questão, como é seu estilo. Mostra-se sereno, entretanto, com voz pausada e sem o amargor na voz que, justificadamente, vinha caracterizando suas falas, desde o fatídico 04 de março; e mais ainda após a divulgação dos grampos de conversas telefônicas particulares suas com presidenta Dilma e outras autoridades com quem priva de intimidade.

O semblante de Lula está mais tranquilo, e ele até sorriu, mais de uma vez. E vê-lo sorrir de novo desanuvia o ambiente e acalma o coração.

Sem esquecer que a Comissão Especial do Impeachment, na Câmara dos Deputados inicia a discussão do relatório que encaminha pelo acatamento do processo contra a presidenta Dilma. Na maioria das capitais brasileiras e em várias cidades País afora, vigílias cívicas acompanham a votação, em ritmo acelerado pelos golpistas.

“Eduardo Cunha não tem moral para comandar o impeachment da presidenta Dilma. Não há nada contra a Dilma”, afirma Lula.

As andanças por São Paulo e pelo Brasil para participar e discursar em atos públicos em defesa da legalidade e pela Democracia, têm sido um processo terapêutico para Lula. Luiz Inácio Lula da Silva é movido a política. Fazer política é o que ele sabe fazer de melhor, e é o que tem feito nas últimas semanas, intensamente. Para desespero da turma que, tudo faz para imobilizá-lo.

“Há 20 anos a mídia brasileira tenta quebrar minha imagem”, brinca.

Tarefa inglória, a julgar pela recente pesquisa do “insuspeito” DataFolha. Depois de tudo, Lula ainda é o presidente mais querido do Brasil para 40% dos entrevistados.

O ex-presidente voltou a falar sobre as atitudes do juiz Sérgio Moro, o justiceiro de Curitiba, que se mostra, por assim dizer, picado pela mosca azul do sucesso midiático. Para Lula, isso pode acontecer com as pessoas, deixar-se encantar pela ilusão do poder, pelos afagos, achar que tem muito poder, e deixar-se perder em excessos. “É próprio do ser humano”, acredita. Ninguém escapa, “eu também; é preciso estar vigilante o tempo todo e ter muita responsabilidade.”

Compartilho a entrevista mais recente e parte da anterior concedida aos correspondentes estrangeiros – a parte em que Lula responde à pergunta do repórter do The New York Times.

Até porque, o PIG briga com os fatos cada vez mais, talvez por que considere que pode prescindir de praticar Jornalismo.

 

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s