O leilão do recato e a sorte do golpe

 por Bertha Lopes – Especial para o A Tal Mineira

1-a-1-a-a-a-a-a-estu-mulher-idosa-mostrando-o-dedoJuliana Linhares é uma jornalista de sorte.  A revista Veja, sua empregadora, nunca lhe dera antes a oportunidade de se revelar. Há exatos cinco dias, isso aconteceu. Com um texto meloso de corar Sabrina, Bianca e Júlia ela conseguiu o que muitos almejam nesse mundo coalhado de famosos: celebridade.

Juliana nos brindou com uma composição que não caberia nem nas famosas publicações feminino-juvenis dos anos 70 e, quiçá, nas dos anos 1920, quando as mulheres desse triste planeta sequer tinham o direito de votar.

O título, coisa de editor – é claro, tirado lá do terceiro parágrafo do manifesto à submissão feminina e à mercantilização da mulher, viralizou.  Deu fama à escriba, sem, no entanto, inscrever o nome dela no panteão da gloria.

Faço-o, agora, por justeza a Juliana e em nome dos direitos autorais.

O libelo ao machismo e à misoginia não se revela só no título. A frase de abertura é de queimar fábricas de sutiãs.

“Marcela Temer é uma mulher de sorte.”

É mesmo sorte se juntar por arranjo a um homem quatro décadas e tanto mais velho?

É mesmo sorte ter que dividir a cama com um setentão, ter que tolerar o peso de sua história secular, sua pele flácida, seu bafo de charuto e vinho, sua cara caricata?

É mesmo sorte ter sua dita inexperiência sexual, como mercadoria, oferecida, rifada como se fazia e ainda se faz em salões elegantes e nos cabarés dos cafundós?

É mesmo sorte entregar sua juventude e beleza, com a anuência da mãe, a um homem da geração de seu avô?

“Marcela se casou com Temer quando tinha 20 anos. O vice, então com 62, estava no quinto mandato como deputado federal e foi seu primeiro namorado”.

“Sacudida, loiríssima e de olhos azuis, Norma Tedeschi acompanhou a filha adolescente em seu primeiro encontro com Temer.”

É isso o que Juliana desnuda.

Não o meme.

É isso o escondido debaixo de sete lençóis, como se diz aqui nas Gerais.

Aqui também se diz que quem conta um conto, aumenta um ponto. E Juliana, na sua submissão machista, na sua visão canhestra, ou, quem sabe, ludibriando a patroa, esperta e sutilmente, nas entrelinhas, narra o que o faz-de-conta esconde.

Juliana me fez pensar em coisas horríveis. Coisas que dizem respeito a costumes, a valores. Coisas de um Brasil profundo. Dote. Mãe que vende filha. Leilão de virgindade. Coisas dos cafundós dos brasis. Coisas guardadas a sete chaves.    

Mas certamente não é disso que se trata, não é Juliana? Afinal é a vice-primeira-dama, bela, recatada e do lar, que, num golpe de sorte, ou por sorte do golpe, pode se tornar primeira-dama.

Sei que não é o caso, mas se fosse, numa vaga hipótese, nesses tempos em que uma revista faz uma capa com alusões à vida sexual da maior autoridade do país, em que os valores importantes da vida em sociedade parecem se esgotar, onde o outro não merece respeito, onde não há honra e tudo tem um preço, seria leviano perguntar de quanto foi o lance?

 

Que belo contraponto: Belas Mulheres Guerreiras na Luta - Fotos capturadas na página dos Jornalistas Livres
Nota de A Tal Mineira: Que belo contraponto as Belas Mulheres Guerreiras na Luta – Fotos capturadas na página dos Jornalistas Livres

 

************

Postagem revista e atualizada dia 23.04.2016, 01.37h: mutação do parágrafo 7º para 7º-11º, para melhor fluir do conteúdo.


Um comentário sobre “O leilão do recato e a sorte do golpe

  1. Belíssimo texto! Triste ver a “sorte” de Marcela, uma pobre menina rica. Triste ver Juliana, uma mulher que se presta a exortar o machismo e tudo de mais sórdido que pode haver na humanidade. Feliz, porque as pessoas não gostaram.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s