Confesso que chorei, meu Brasil!

Apesar da truculência e da omissão, os protestos não cessaram durante os Jogos Olímpicos - Foto:Jornalistas Livres
Apesar da truculência e da omissão, os protestos não cessaram durante os Jogos Olímpicos – Foto:Jornalistas Livres
por Sulamita Esteliam

Confesso que chorei ao assistir a cerimônia de encerramento da primeira Olimpíada no Brasil, a 31ª da era moderna. Não só pela beleza plástica, pela alegria focada na influência cultural nordestina, com Jackson do Pandeiro, Mestre Lua e o Maestro Spok, dentre outros. E, no final, tudo acaba em samba, com gente do mundo inteiro se esbaldando sob a chuva.

Chorei pelo meu País, meu Brasil brasileiro, sufocado no clima golpista, que dói e contrasta com a generosidade da festa, com o espírito esportivo que não mais habita entre nós.

Chorei pela injustiça política que está por trás da omissão dos nomes daqueles que tornaram o congraçamento possível: Lula, que trouxe o evento para o Brasil; Dilma Roussef, que garantiu os investimentos em infraestrutura que o beneficiaram.

Esporte também é política. Foi através da política que os Jogos Olímpicos vieram para o Brasil. E é através da política que irão para Tóquio em 2020. E em nome da política que o primeiro-ministro Japonês, Shinjo Abe, emergiu de um tubo no centro do Maracanã, fantasiado de Super Mário, herói de videogame famoso fabricado em seu país.

Ser fosse o Lula a fazê-lo seria esculhambado ampla, geral e irrestritamente. Mas o primeiro-ministro japonês, como Lula, não se importa de pagar mico e de fazer o que precisa ser feito para promover seu país, ao invés de entregá-lo a qualquer preço.

O enquadramento perfeito - Foto: Regina Scgnejeb _Süddeutsche Zeitung_Munique, capturada no FB/Jornalistas Livres
O enquadramento perfeito – Foto: Regina Scgnejeb _Süddeutsche Zeitung_Munique, capturada no FB/Jornalistas Livres

Enquanto isso, o interino usurpador se esconde atrás da própria pequenez, representada na festa pelo presidente da Câmara, que nem pode ser anunciado. É o tamanho ao qual querem reduzir o Brasil: ao reino da mediocridade.

Chorei pela mesquinharia da cobertura da mídia venal, que olimpicamente ignora a verdade truculenta, nas ações de poder e nas ruas; que passa ao largo da resistência ao golpe nos próprios estádios olímpicos. Ela que ajudou a promovê-lo.

Falta vergonha. Sobra vira-latice.

A mesma mídia que esconde a barbárie policial no dia a dia das populações periféricas do Brasil, das comunidades cariocas, mineiras, paulistas, recifenses, das famílias desalojadas do seu habitat para a Olimpíada passar.

Chorei pela covardia nossa cotidiana.

Chorei pela vergonha de um País tão bonito, rico, de um povo tão criativo, ter que submeter-se à escória política, pela fraude, pelo desrespeito, pela omissão e conivência.

A História não perdoa os covardes.

Pouco vi dos jogos olímpicos.  Sei que perdi a festa, mas não sei torcer contra. Sou daquelas que acham que, com todas as contradições, nossa gente merece um pouco de alegria. Nem só de pão vive o homem.

E nossa gente humilde, espelho da nossa diversidade e riqueza, é a grande responsável pelo brilho do Brasil nos jogos. Inclusive nos resultados. Vem delas a maioria das 19 medalhas conquistadas na competição: sete ouros, seis pratas, seis bronzes.

Dentre os atletas laureados, 17 são patrocinados pela Bolsa Atleta, programa dos governos Lula e Dilma. Como a carioca Rafaela Silva, o primeiro ouro desta edição, no judô. Mulher, negra e pobre. Mulher guerreira. Invisível para a mídia local, que padece o velho e triste, mas risível, complexo de vira-latas.

Assista à beleza do vídeo The Power of Gold | Rio Olympics 2016 | The New York Times:

 

 

Enquanto isso, foi ao ar no domingo à noite, a enésima entrevista da presidenta legítima Dilma Roussef a uma emissora de televisão, nacional e internacional. Desta vez ao repórter Roberto Cabrini, do programa Conexão Repórter, do SBT.

A entrevista foi gravada no início do mês, e não houve a preocupação em atualizar informações importantes. Por exemplo, de que Dilma vai ao Senado defender-se pessoalmente, dia 29, no julgamento de impeachment que começa dia 25, e que deve durar cinco dias, no mínimo.

Sem tirar o mérito do jornalista de exercer seu ofício de perguntar, digamos que ele tem um estilo rebuscado, dramático de fazê-lo, e também de reportar. As perguntas são carregadas, na tentativa de mostrar isenção; o tom é acusatório, entretanto. Jogo de cena.

O texto é carregado, força a barra para provar determinada tese. Beira o burlesco. Só que a edição precisa da fala da entrevistada, e a resposta contradita a narrativa, capciosa para dizer o mínimo.

Listo algumas frases de Dilma Roussef:

“Cometi muitos erros. Inclusive não ter percebido que ia ser traída do jeito que fui.”

“Eu não sou fria, seca e insensível. Eu sou uma pessoa firme, que não se abala com a primeira pedra no caminho. Não jogo a toalha jamais.”

“Meu governo não está e nunca esteve envolvido em corrupção.”

“Sou vítima de um julgamento fraudulento, usado politicamente para fazer uma espécie de eleição indireta. Considerando que o programa deles não passa pelo escrutínio popular.”

“Não vou renunciar. Não vou dar a eles esse gostinho.”

“Realisticamente, eu lutarei até o fim.”

Não assisti na TV, porque apaguei cedo, de exaustão; tive uma semana pesada de trabalho, e o fim de semana dedicado a cozinhar para amigos. Dois prazeres que não excluem o cansaço, todavia.

Busquei no Youtube a íntegra da entrevista para compartilhar aqui. Assim,quem, como eu, não pode ver ontem, tem a oportunidade de assistir.

 

 

Amanhã há de ser outro dia.

 

***************

Postagem atualizada às 20:59: inclusão das fotos. E novamente em 23.08.3016, às 17:23: correção dos links dos vídeos; inclusão dos parágrafos 5 e 8; inclusão da última frase no parágrafo 7. Com minhas desculpas pelas falhas.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s