Que venha 2017!

Pôr do Sol reflexo, a partir do restaurante da Pousada Barriga da Lula, na Serra do Cipó - Foto: SEsteliam
Pôr do Sol reflexo, a partir do restaurante da Pousada Barriga da Lula, na Serra do Cipó – Foto: SEsteliam
por Sulamita Esteliam

O pôr do sol reflexo, a partir do salão da pousada Barriga da Lua, na Serra do Cipó, inspira a manter acesa a esperança.

Afinal, a vida é transformação infinda. E se o instante existe, e pode ser feliz, a gente deve tentar reproduzi-lo, mesmo que resulte em outro.

Um novo começo sempre é possível. No entanto, é preciso coragem.

Sabemos que este ano foi um desastre, e o próximo e o seguinte são reflexos, consequências: 2+0+1+6 = 9, noves fora zero. É tudo ou nada. E já vai tarde.

Deu nada, e o nada se traduz em treva, e urge buscar a luz. Fim de um ciclo ou começo de outro: 2+0+1+7 + 10 noves fora 1.

Sou daquelas que acredita que o curso da História também pode ser reverso.

Que o digam Ghandi, Mandela, Mao Tse-Tung, Fidel, Gorbatchov, Lula, Dilma, Morales e, por que não?, Obama. Cada um e cada qual na dimensão que seus atos lhe reservam um lugar na História.

Cultura da não-violência não implica submissão. Cada um luta com as armas que dispõe, de acordo com as circunstâncias.

Só a indiferença, o egoísmo, a traição e a desfaçatez não constroem.

A História está aí para explicitar a controvérsia.

Mahatma libertou a Índia do jugo secular inglês, sem um tiro. Verdade (satya) e não-violência (ahimsa). Satyagraha o caminho da revolução.

Aqui no Brasil, a Independência deu xabu, e o povo segue pagando a conta e o pato.

A minoria predadora sempre se locupleta no lombo do Zé e da Maria Povinho, desde antanho. Sem o menor pudor. Ali, o desenvolvimento econômico; acolá, a modernidade; aqui, o combate à corrupção – endêmica e tão velha quanto Cabral, o invasor.

Dentre tantos, há dois livros essenciais para entender o que eu digo: Brasil, uma Biografia (Heloíza Starling e Lilia Schwarcz) e a História da Imprensa no Brasil (Nelson Werneck Sodré).

Tente, experimente.

Violência gera violência?

Mao liderou a retomada da China contra o jugo do império japonês e a transformou numa potência sob regime comunista. Acusam-no de conduzir com mão de ferro o processo da Revolução Cultural, de matar milhares. Mas a China ganhou o mundo sobre as bases estabelecidas.

Fidel teve que armar-se para resgatar Cuba para seu povo. Cometeu excessos para resistir à usurpação, mas devolveu dignidade à ilha, traduzida em educação, saúde e autoestima para sua gente. Apesar do bloqueio continental, ainda vigente, quase 60 anos passados.

A História o julgará sob qual aspecto?

Madiba seguia a linha de Ghandi, até que a tirania se tornou insuportável. Liderou a resistência de seu povo e foi encarcerado por 27 anos. Nem assim conseguiram deter a marcha que derrotou o apartheid.

Presidente eleito da África do Sul, estendeu a mão ao inimigo branco, que soube responder ao chamado.

Ironicamente, o mesmo Nobel da Paz a que fez juz pela reconciliação de seu país foi entregue a Barack Obama, primeiro presidente negro dos Estados Unidos da América, no ano da sua primeira posse no comando do império. Um prêmio pela expectativa do que viria a ser.

Também aqui deu zebra.

Obama, o pregador da paz, fez guerra contra a Síria, o Afeganistão, Iêmen e a Somália. Aproximou-se de Cuba, mas Guantánamo, bunker em território cubano usurpado, continua moenda para trucidar inimigos, apesar das promessas e plano de fechamento.

A paz que eu não quero conservar para tentar ser feliz tomo emprestada de O Rappa.

Morales, um camponês, trilhou a via sindical e do voto para impor a soberania sobre as riquezas nacionais e a autoestima de sua gente, a maioria indígena boliviana. Contrapôs-se  e venceu o desprezo, o ódio, a opressão das elites predadoras, nacionais e internacionais.

O mesmo fez Luiz Inácio, o retirante torneiro-mecânico, que veio a ser presidente do Brasil por duas vezes – e fez sua sucessora, também reeleita -, guindado por seus atos à condição de líder mundial. Para desespero dos sem-voto e dos sem-alma.

Seu maior mérito tornou-se pecado mortal, digno da penitência de execração pública. Reduzir a fome e a desigualdade social é crime de lesa-classe: mexer nos privilégios dos abastados e dos aspirantes do vir a ter não tem perdão.

Dividir para quê, se podemos acumular?

Aplaudido lá fora, execrado aqui dentro, desafia seus adversários e inimigos com sua obstinação em seguir altaneiro, inserido no meio do povo, e por este aclamado. É a ameaça a ser eliminada. Conseguirão?

Resiliência talvez seja a palavra que melhor defina Dilma Rousseff, a primeira mulher a presidir o Brasil. Ela que deixara de gostar de política, concedeu ir à disputa para manter os rumos do governo popular de maior sucesso na História da República, e da qual foi parte definidora.

Queiram ou não queiram os juízes.

Resgatou o coração valente da juventude para defender seu mandato popular e a democracia violada na fraude misógina que modelou sua deposição. Resistiu bravamente ao escárnio, não cedeu às chantagens de qualquer espécie.

Calou seus algozes – a maioria envolvida até o nariz com todo tipo de falcatruas -, com a altivez de quem não tem nada a esconder, com os brios de uma mulher. Mantém-se uma da mulheres mais poderosas do mundo, segundo a mídia internacional. E isso também é imperdoável.

Que papel a História reserva aos seus detratores e aos de Lula? E o que restará aos usurpadores, não apenas do mandato popular legítimo, mas violadores da Constituição Democrática, dos direitos do andar de baixo e da consciência da Nação?

O futuro é aqui e agora. É essencial não perder o prumo. É fundamental manter-se atento e pronto.

É prudente olhar em torno, pés firmes no solo, cabeça nas nuvens, coração quente. A ousadia de sonhar, a capacidade de sentir e agir movem o mundo.

A vida é um presente que não nos cabe recusar. Não obstante, dignidade não se compra nem se vende com desigualdade e com inércia; muito menos a paz social.

No entanto, ainda que estejamos dependurados no abismo, todos os dias são dias de renascer.

Que venha, pois, 2017!

*************

Postagem revista e atualizada às 20:57, hora de Brasília: correção de erros de digitação e pontuação na legenda da foto e em diferentes parágrafos do texto.

 

 


2 comentários sobre “Que venha 2017!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s