O rei está nu. Viva o rei!

por Sulamita Esteliam 

É divertidíssimo, embora trágico, assistir à ginástica que a mídia venal  faz para fugir ao terremoto que sacode o Brasil, e que ela, mídia, ajudou a provocar, aliando-se ao golpe e aos golpistas.

Agora, busca saídas pouco honrosas diante do lamaçal. Exceto o grupo Globo, cujo jornal deu o furo, e já depôs o antigo aliado por conta própria, como se pode depreender da ilustração mais abaixo, capturada no Tijolaço.

Ex-paneleiros, patriotas e revoltados de ocasião com farda CBF  também se apresentam na empreitada. Fuga da realidade, e de suas respectivas responsabilidades no incêndio que assola o cabaré, como dizem nas criativas redes sociais.

É como no conto de Hans Christian Andersen, A Nova Roupa do Rei, que inspira o título desta postagem.

Aquela chama de “inconclusivo” o áudio que pegou o mordomo usurpador com a boca no gancho do açougueiro, que tocou fogo no bordel.

Aqueles outros dizem que “não votaram na chapa Dilma-Temer”, ou então, que “é tudo farinha do mesmo saco”.

É o que a minha avó materna, sábia, embora analfabeta de pai e mãe, chamaria de “fingir de égua” – para seguir em frente com a própria consciência.

Euzinha digo, porém, que podem dar a mão ao Temer, e morrerem queimados com ele, se isso lhes aprovem.

Ou quem sabe prefiram o abraço de afogado AhÉCim, o detonador? Esse exemplo de homem público, viúvo inconsolável das urnas, devolvido ao pó, como no dito bíblico.

Digo mais: votei na chapa Dilma-Temer,  disso jamais fiz segredo. É assim que o sistema eleitoral determina – tem cabeça e agregado.

Todavia, para mim, ele, que tornou-se o mordomo usurpador, é e sempre foi absolutamente dispensável, figura decorativa. E assim continuaria não fosse o golpe parlamentar-midiático e jurídico, no qual o vice tornou-se traidor. Com o auxílio luxuoso dos cidadãos-CBF.

Sem falar da República de Curitiba, que se autodenomina palmatória da Nação, agora emudecida e esfumaçada, Nação e palmatória, ante as revelações; com provas, não conjecturas nem convicções, passadas no nariz de toda a a raia graúda, média e miúda.

E como fede!

Outra coisa: não é não, tudo farinha do mesmo saco. Há políticos e políticos, assim como há empresários e empresários. Mas sempre que há corruptos há corruptores. Todos, sim, no caso, farinha do mesmo tonel.

Por outro lado, nem as delações de agora, ou parte delas a que se deu divulgação, são a mesma coisa das anteriores, da maioria que se tem notícia. Sobretudo no que envolve gente do PT – mas não só, e nem a maioria – em especial Lula e Dilma.

Assim como no dito “mensalão”, que não restou provado – cito Mino Carta –  pergunta-se: cadê as provas?

Onde está o áudio ou vídeo ou um documento qualquer assinado, que sustente as delações? Planilha, qualquer um faz.

Onde está o dinheiro? Cadê as provas materiais de enriquecimento ilícito? Será que em dois anos não se conseguiu rastrear eventuais contas de Lula e Dilma, por exemplo? Ou a Polícia Federal e o Ministério Público só revelam competência quando vem ao caso?

E por que será vem ao caso agora?

No rubicão das denúncias via delações dos donos e executivos JBS, as revelações do dia chegam a Pernambuco, estado e capital, com vídeo onde o delator cita notas fiscais e pagamentos a a, b, c e d… chegando a 300 o número de envolvidos.

Toda a cúpula do PSB enredada e partidos aliados – do defunto Eduardo Campos ao atual governador, Paulo Câmara, e o prefeito Geraldo Júlio,e o ex-ministro de Dilma, ora golpista, senador Fernando Bezerra; do vice de Marina Silva, Beto Richa (PSDB-PR) ao atual ministro das Cidades, o voto que sacramentou a abertura da fraude do impeachment, Bruno Araújo (PSDB), por exemplo.

As perguntas cabem, também, agora, no caso JBS, liberados os trechos da delação que envolvem o ex-ministro Guido Mantega, Lula, Dilma e o atual governador de Minas, Fernando Pimentel. Onde está o dinheiro, gato comeu?

Se há provas, que apresentem, e que se junte nos autos, e assegurado o direito de defesa, que se julgue e se pague aqueles que devem.

Para enriquecer a postagem, reproduzo texto da minha amiga-irmã, jornalista e ex-presidente do sindicato da categoria lá nas Gerais. Direto, reto e afiado, feito faca:

 por Eneida da Costa – no Facebook

Temer, sem usar uma mesóclise, se dirigiu à Nação.
Disse que não comprou o silêncio de ninguém.
“Sei o que fiz”. “Exijo apuração rápida”.
Temer é advogado, promotor público.
Ele sabe que tá nas cova dos leões.
E que não é Daniel. É Michel.
Temer, o usurpador, recebeu o executivo Friboi no Jaburu.
Temer, o ilegítimo, ouviu confissão de crimes.
Temer, o famosfóbico, soube de obstruções da Justiça.
Temer, o golpista, não tomou providências.
Esse é o crime.
Os áudios podem estar com ruídos, como quer a emissora oficial do golpe.
Mas os fatos são incontestáveis.
O JBS foi lá e contou pro eventual uma série de crimes.
E o ocupante do Jaburu não fez NADA.

 

Pois digo que fiz o dever de casa, e ouvi todo o áudio do troca-troca de figurinhas entre Joesley Batista e Michel Temer. Esforço hercúleo e teste indelével para meu frágil estômago.

É conversa quase codificada, de máfia, que dispensa conclusão de frase – porque o outro é capaz de completa-la por que sabe do que se trata.

Apesar de ruim a gravação (o gravador estava no bolso interno do paletó, supõe-se), está lá, audível o suficiente: Temer não apenas concordou, e se calou, ante a confissão de uma série de crimes pelo executivo-parceiro, ele estimulou: “Isso tem que continuar, viu” , referindo-se à mesada paga pela Friboi a Eduardo Campos.

Mas não é só da propina cala-boca, Eduardo Cunha! Não é apenas sobre o modus operandi da classe política e empresarial que se trata. O suposto presidente do país, meio que presta contas de seus atos ao patrocinador.

E não falo de dinheiro para campanha, dentro ou fora, que é práxis, e não apenas no Brasil. Falo de regas eventuais ou rotineiras para conseguir esse ou aquele favor ou alívio de sanções nas estruturas de governo. No caso, Cade e BNDES, particularmente, além do Banco Central e Ministério da Fazenda.

Num trecho do áudio, Temer dá carta branca a Joesley para investir, “com firmeza” junto a Henrique Meirelles, o ministro da área.

O empresário lembra ao presidente que “Henrique”, é assim que o trata, “já foi nosso” (executivo da empresa), o que lhe daria ocasião para “lembra-lo disso”, mas prefere ter as bençãos “do senhor”. E o mordomo diz amém.

Tem muito mais na gravação, e o conteúdo deixa nus, não apenas a  neliência da Força Tarefa da Lava Jato quando não vem ao caso, mas o próprio Ministério Público e também o Judiciário, que a gente sabe nunca foi lá flor que se cheire. Exceções tratadas como tais.

E não é só confissão de compra de juízes, dois, e procurador (um no bolso, outro sendo cevado). Quem são?, nos perguntamos. O Conversa Afiada amplifica a pergunta neste vídeo, que agrego pós-postagem:

A partir do minuto 26 da gravação, tem-se uma nítida reclamação dos métodos de pressão e sobre a, digamos, incapacidade do desgoverno em demolir a operação Lava Jato.

Ou seja, de entregar o que prometeu para chegar aonde chegou, e pelo método da rasteira em sua companheira de chapa. Há trechos em que o empresário se diverte lembrando o mordomo como foi  durante o processo de impeachment.

E finaliza com a concordância de ambos de voltarem a se encontrar, sempre que necessário, na calada da noite, quando não funcionar com os prepostos, no Palácio do Jaburu.  “O Planalto é muito vidro, né?”, observa o empresário, quando Temer responde à sua pergunta se ele vai continuar ali ou pretende mudar-se para “o outro”.

“Fazemos como hoje (…) Funcionou super bem”, concorda o suposto presidente da República

Pano rápido.

Nesta sexta, o STF divulgou o texto do pedido de instauração de inquérito contra Michel Temer (PMDB-SP), Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), o homem-mala do mordomo, pela Procuradoria Geral da República. Denúncia acatada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato dos com fôro privilegiado.

Aliás, a Operação Patmos, braço da Lava Jato que viabilizou as arapucas Temer-Aécio, só foi possível porque deslocada para Brasília. Com as bençãos da PGR e do STF. Até então, o mordomo usurpador e o suposto senador por Minas, estavam brindados por Curitiba, e ao que parecia, pelo procurador-Geral,Rodrigo Janot.

E o mordomo usurpador, que resolveu falar grosso e se agarrar ao cargo que não lhe pertence, é bom afiar as garras, porque vai faltar borda para se segurar.

O que falta entender é por que só agora o Janot decidiu incluir o Francisco como alvo do pau que só dava em Chico? Alguém tem uma pálida ideia?

Paro por aqui, porque o assunto rende muito tricô, e hoje é sexta, e todo mundo merece um refresco.

Fecho com o vídeo do senador Paulo Paim logo de manhã, no cafezinho do Senado. Traz boas notícias e um apelo, que é o desejo da Nação:

Postagem revista e atualizada às 22 e 22:12 horas: inclusão do vídeo da TV Afiada; substituição de palavras repetidas e correção de erros de digitação em diferentes parágrafos

 

 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s