A faísca interior e o lugar que nos cabe

Encontro na Flip 2017: Diva Guimarães e Conceição Evaristo – Foto: captura de tela
por Sulamita Esteliam

 

Ando deveras muito descompensada.

É cada vez mais frequente a vontade de jogar tudo pro alto, ligar o foda-se e gritar: ‘para o mundo que eu quero descer!’.

Deve ser coisa da idade.

Pode ser reflexo, talvez, de mãos feridas de tanto dar murro em ponta de faca.

Ando deveras abusada, e não posso escrever com fel e vômito.

Não é mistura a resultar coisa que preste.

Mas quando leio sobre a crueldade, a dor de ser e sentir-se humilhada e a rebeldia da superação, sinto que maior do que a dor é a  luz.

Quando ouço e vejo mulheres como a professora Diva Guimarães e a também professora e escritora Conceição Evaristo, lembro-me que dor é outro nome para resistência.

O local foi a Flip em Paraty. Mas poderia ser qualquer outro lugar do Brasil e do mundo.

A ocasião é a oportunidade.

E bastou que um festival literário se abrisse para a riqueza que nos habita para que se explodissem maravilhas.

Duas mulheres negras, duas guerreiras, duas sobreviventes, duas pérolas de brasilidade.

Não posso sentir na carne o racismo, porque minha pele é branca.

Sim, há negros em minha família, mas dentre os que o são, poucos se assumem como tais.

Não posso sentir na pele a discriminação, a não ser pelo desfavorecimento social que está em minha origem, infância e adolescência.

Sei muito bem que a cor da minha tez e a força de quem me criou tornaram um acidente a desvantagem da pobreza.

Conheço de perto o cheiro da garra e a faísca interior que atiça o pertencimento e que nos conduz ao lugar que nos cabe ou aonde é possível chegar.

Quando me lembro de minhas avós, de minha mãe, das minhas tias, todas, sinto que não tenho o direito de murchar, mesmo tendo perdido o viço.

Devo ser grata pela possibilidade de estar viva, destrambelhadamente consciente de que não posso virar o mundo pelo avesso impunemente.

*******

Isto posto, compartilho dois vídeos que desnudam o que somos; nós, filhos dessa pátria tantas vezes pilhada e violada, Brasil.

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s