Sequestraram meu PC, remotamente

por Sulamita Esteliam

A Tal Mineira foi sequestrada, remotamente, por um estranho narcótico que bloqueou o portátil tão e exclusivamente na rede, via qualquer navegador, e a despeito do antivírus poderoso recomendando pelo fabricante.

Em síntese, a suspeita é que o blogue foi raqueado e, junto, toda a capacidade de navegação do PC.  Já confessei enevezes que não consigo pensar além de 140 caracteres no smartphone. Daí que nadica de atualização.

Pronto. Eis o porquê da ausência.

Fomos libertados, o A Tal Mineira, Euzinha e o PC pelo sobrinho primogênito, Coninho, que operou o resgate , depois de ene tentativas vãs e horas e horas de restauração.

Cá estamos, madrugada adentro do 25 de agosto, um dia depois que a História registra o tiro no peito de Getúlio Vargas, “o pai dos pobres”.

Quem lembra os fatos e os correlaciona com os tempos atuais, e com muito propriedade, é o colega Fernando Brito, no Tijolaço.

Transcrevo, pois, já que à 1:26 horas do dia seguinte, não há mais o que Euzinha possa refletir.

Buenas, e fique em muito boa companhia!

PS: Só que não… Quando cliquei para publicar, travou tudo de novo. Aí fui pro berço, e deixei para depois. Agora recorro ao smartphone para subir a postagem.

Vem que a caçula me alertou, há dois dias: “Mainha, com Mercúrio retrógrado as comunicações travam…”

O Lula getulista, algo que faz tremer as elites

Enquanto Lula não havia se impregnado da nossa história, aceitavam-no.

Afinal, 64 não foi uma tesoura a querer cortar a história de lutas secular do povo brasileiro?

O fio da história pode ter sido moído, mas não se cortou.

Deixou aos sabujos pretender enterrar a “Era Vargas”, aquela em que nosso país cresceu a taxas chinesas.

E onde o povão passou a ser, senão ator principal, não mais apenas coadjuvante.

“Hoje estais com o Governo, amanhã sereis o Governo”, disse o homem que eles odeiam e nos querem fazer desprezar, cada vez que querem vender um pedaço do Brasil.

Lula, mais que o compreender, o absorveu, na luta política.

Por isso, o seu texto, agora há pouco, no Facebook:

Em 24 de agosto de 1954, o presidente Getúlio Vargas foi levado ao suicídio pelas forças antipopulares, os representantes de interesses estrangeiros e a imprensa mais reacionária da época.

Odiavam Getúlio por tudo que ele fez pelos trabalhadores e pelo desenvolvimento do Brasil: a criação do salário mínimo e da CLT, a criação da Petrobrás e da pioneira siderúrgica de Volta Redonda, o salto para a industrialização, a proposta de criação da Eletrobras e a expansão do ensino público, entre outros avanços.

63 anos depois, as mesmas forças que atacaram Getúlio tentam destruir seu legado. Uma por uma, as conquistas do Brasil e dos trabalhadores estão sendo revogadas por um governo ilegítimo e pela maioria golpista do Congresso.

Hoje é dia de reverenciar a memória de Getúlio e, principalmente, seguir lutando para defender seu legado, que pertence ao povo brasileiro.

A história que, no dizer de Chico Buarque, “é só feita de fatos/De sangue nos olhos e lama nos sapatos” se impõe sobre as tolices e pruridos pequeno-burgueses.

Este é um país, um povo, e um país e um povo precisam de uma história para serem uma nação.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s