Eric Nepomuceno e o Brasil em ‘estado de breu”

Tempo de não esquecer, não é Henfil!?
por Sulamita Esteliam

Topei com o comentário do Eric Nepomuceno, autor, tradutor e jornalista, no Nocaute, o blogue do Fernando Morais, outro escritor e jornalista brasileiro premiado. Na verdade, uma crônica, vertida também em texto.

Escreve com o sentimento que nos habita, nós que amamos o Brasil e Lula: apreensão, tristeza, indignação, desalento.

Um vazio, não só de poder, como ele aponta, mas  a exacerbação de um poder sobre o outro, no caso o Judiciário, como Euzinha já escrevi aqui várias vezes, e ainda ontem. A República inexiste, está ao rés do chão.

De todo modo, é oco de pertencimento, um esvair de esperança – aquela velha senhora que nos alicerça década, após década, entra golpe, sai golpe, sobe e desce governo.

Crise após crise, bandalheiras de toda sorte, abuso sobre abuso, e estamos de novo em Estado de Exceção. Pior, governados por uma quadrilha que nos tirou o ar e a âncora.

Tenho lutado contra o desalento, mas há que ter nervos e coração de aço, devo concordar.

Ao vídeo e ao texto, enquanto decido a linha e o ponto que vou tricotar nesta quinta, quiçá depois…

 

Há um vazio de poder no Brasil, uma economia em crise e um estado de exceção

por Eric Nepomuceno – no Nocaute

Bom, aconteceu o que era esperado, no sábado Lula foi preso. Foi levado para Curitiba.

A exemplo de milhões de brasileiros, estou em um misto de tristeza e indignação por essa arbitrariedade, por essa violação da constituição. Sobretudo, por causa dessa farsa, eu continuo buscando uma prova daquilo que Lula é acusado.

Agora, ao mesmo tempo eu tenho também uma apreensão, um quase medo, sobre o que vai acontecer. Não estou me referindo só o que vai acontecer com o Lula mas o que vai acontecer com o Brasil.

O quadro que a gente tem hoje, pra mim, é muito nítido. Você tem uma Corte Suprema dividida, encabeçada por uma senhora magistrada que é manipuladora, ela manipulou claramente para colocar o Lula “na boca do canhão”.

Por uma outra magistrada que vota contrário ao que ela pensa. Eu nunca vi isso na vida. Tentei entender o que ela falou, na verdade a única coisa clara pra mim é: “é contra minha convicção mas eu vou votar”. Por favor! O mínimo de integridade.

O ministro Gilmar Mendes chegou a ser indelicado, que no caso dele não é surpresa pra ninguém, mas francamente indelicado. Quer dizer, aquela casa não tem comando.

Há um vazio de poder no Brasil. Temer não manda em nada, ele negocia. Ali é um mercado de troca de interesses, seu governo acabou.

Há um vazio de poder no Ministério da Justiça…

O que se constata é que existe um vazio de poder. O Temer não manda em ninguém, a Polícia Federal, que em nome de uma autonomia, que seria desejável e louvável, age totalmente fora de controle, e não é de hoje.

O Ministério Público ganhou. Chegamos em um ponto em que um procurador pede a um juiz para que acelere a prisão do Lula para acabar com a ameaça de onipresença. Traduzindo para o português quer dizer o seguinte: “o Lula estava falando demais, se mexendo demais, então prende logo para acabar com isso”.

Existe uma economia em crise, na segunda-feira após a prisão do Lula o Dólar explodiu, o Euro explodiu, a bolsa despencou – são os especuladores de sempre que mexem. O quadro é muito complicado.

A única voz que se levantou com firmeza durante esse episódio inteiro, além do Lula é claro, foi a voz do comandante do exército, o general Villas Bôas. E eu acho que nós das nossas comarcas, da nossa América, quando a voz da caserna começa a se ouvir além do normal é hora de temer. Sobretudo quando estamos nas mãos de um camarada chamado Michel Temer e sua quadrilha.

Eu tenho muito claro o sentimento de apreensão. A qualquer momento essa extrema direita desbordada, está descontrolada, e ela conta – é evidente que conta – com a cumplicidade por omissão da Polícia Militar do Paraná. Que sabe agir na hora de jogar bomba de gás, de dar tiros de borracha em crianças, em senhoras e senhores, etc.

Mas quando os facínoras de um troglodita chamado Jair Bolsonaro dispararam rojões contra o helicóptero, onde está o Lula mas também policiais federais, aí não acontece nada.

Tempos de breu, tempos de breu. Eu não achei, canso de dizer isso, que se eu fosse voltar a essa altura da minha vida, em um estado que cada vez mais claramente é um estado de exceção, um estado de temer.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s