Lula, a família, as cartas na prisão, o acampamento; mas a pobreza voltou…

Rotina para aquecer a alma: bom-dia, Lula! – Fotos: Ricardo Stuckert
por Sulamita Esteliam

De Curitiba para o mundo, ainda bem que o dia foi de visitas familiares. É a primeira vez, e Lula pode se reabastecer com o carinho de filha, filhos e o neto Thiago, acompanhados do advogado Cristiano Zanin. Encontraram o pai-avô, cliente, tranquilo e bem-humorado, à medida do que se é possível na situação dele, naturalmente.

“Forte, firme e com a mesma fonte de energia: sua inocência e o povo ao seu lado”, relataram.

O carinho do povo que o ex-presidente soube cultivar tem atravessado as paredes do cárcere em forma do cumprimento sagrado de todas as manhãs, entoado, a plenos pulmões, por militantes acampados no entorno da Polícia Federal: “Bom-dia, Lula!”.

Advogado e familiares contam o quanto isso o tem alegrado. Assim como se emociona com a leitura das cartas de solidariedade, que tem recebido diariamente. Chegam às centenas,  de todos os cantos do País.

Tem razão a reportagem, tradução dos relatos que nos chegam via Agência PT, Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia e do sítio do ex-presidente na rede: é uma outra maneira de ouvir o povo.

Esse diálogo à distância física reabastece o Lula prisoneiro político nas celas da Polícia Federal na capital do Paraná.

Copie os endereços para enviar cartas para Lula:

Cartas para Lula: Sede do PT em Curitiba – Alameda Princesa Izabel, 160 – São Francisco, Curitiba – PR, 80510-200

O Acampamento #LulaLivre, no entorno da sede da PF, mantem uma rotina tranquila na vigília permanente.

A alegria dá o dom, relatam blogues locais.

Ao ponto de já conquistarem o apoio da vizinhança do bairro. Uma troca de amabilidades que inclui visitantes ilustres, como a apresentadora Bela Gil e a Chef Bel Coelho, e o agradecimento pessoal da presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, que visitou o acampamento também para mostrar como funciona.

Há uma campanha para arrecadar doações para os acampados – saiba como ajudar.

A despeito das intenções manifestas, claramente hostis, de setores da própria PF, e de milícias políticas adversários, abrigadas, inexplicavelmente, na sede que guarda o ex-presidente.

Por essas outras, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara está agendando com a PF uma visita de vistoria na próxima. Querem ver a segurança e o tratamento reservado a Lula e a outros recolhidos naquela seara, por tabela.

Há intenções explícitas de tirá-lo de lá, manifestadas oficialmente em nota da Associação de Policiais Federais.  Usam o acampamento e a rotina de atendimento na sede da PF como pretexto.

Mas o que a gente quer é #LulaLivre.

E também Prêmio Nobel da Paz – clique para aderir à campanha, que já superam 220 mil assinaturas, no momento em que escrevo.

A candidatura Lula, apresentada pelo argentino Adolfo Perez Esquivel, vencedor do Prêmio em 1980, ganha mais um adepto: o indiano Mohamed El Baradei, Nobel da Paz de 2005. Ambos concordam no argumento: a luta contra a pobreza.

Há mais boa notícia: já foi identificado um dos suspeitos do atentando à Caravana Lula pelo Brasil no Sul do País, dia 27 de fevereiro, quando transitava pelo Paraná. É o fazendeiro Leandro Langwinski Bonotto, que tem histórico de conflitos com o MST.

Os tiros que atingiram o ônibus que levava jornalistas partiram da fazenda dele, que está sendo investigado em outra ameaça de homicídio. A polícia ainda não o ouviu, no caso de Lula, mas reportagem de Carta Capital falou com ele, que nega participação.

Nem tudo são flores, é verdade. Há denúncias, também, de que em Santa Catarina, o jornalista de rádio, Marcos Rogério Weber foi ameaçado de morte. Ele criticou os ataques à caravana de Lula quando passou por São Miguel dos Milagres, e agora é o alvo da intolerância, da truculência.

Os agressores são os mesmos homens identificados no ataque ao cortejo do ex-presidente. Há um boletim de ocorrências registrado pelo deputado  Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, na delegacia local. O deputado pediu à Comissão Nacional de Direitos Humanos proteção para o comunicador.

Como se depreende, o fascio anda mesmo incorporado, besta fera cavalgada por quadrilhas bem postas, e também por milicianos. Não é prerrogativa do Rio de Janeiro.

E já que descemos a ladeira… os pobres voltaram, Lula!

Muitos chamaram de “mi-mi-mi” os alertas de lideranças de esquerda, da própria Dilma Rousseff, a legítima, dos movimentos sociais e sindicais sobre quem pagaria o pato do golpe, que apeou  a presidenta do poder.

Pois bem,  os patos já começam a perder algumas penas, traduzidas em dificuldades em pagar o aluguel, consumir supérfluos ou  até mesmo pequenos requintes do prazer à mesa. Comer fora e cair na balada só na semana do pagamento, e olhe lá.

Quem mandou achar que classe média é elite e não classe trabalhadora. Perde, quando não o emprego, os direitos trabalhistas que deixou de ter por ser Maria vai com as outras que aposta no caos. A insegurança que avança no rombo do crescimento da desigualdade.

Com o rico é diferente. A menos que meta os pés pelas mãos, ou venha tempos de guerra literal, não há perda, o máximo que acontece é deixar de ganhar.

Todavia é o povo mais carente que leva, pra valer, a chibata no lombo, pra variar. Basta olhar em volta, e isso faz tempo.

Só que agora o PNAD/IBGE expõe as chagas: nada menos que um milhão e meio de pessoas atravessou a linha cruel da pobreza extrema. Passou de 13,34 milhões em 2016 para 14,83 milhões ano passado.

Lembra da ponte para o abismo? Pois é.

A notícia está no Valor Econômico, um jornal global, desta quinta, em análise da LCA Consultores. Embora com tintas convenientemente esmaecidas do “apesar do início da recuperação econômica e da queda da inflação…” blá-blá-blá…

É o tal me engana que eu gosto.

E advinha a quê causa é atribuída o recrudescimento da pobreza? Se você diz que é a redução dos postos de trabalho com carteira assinada e garantias de direitos trabalhistas e piso salarial, bingo!

Mas claro que não se resume a trabalho, e sim ao desmantelamento das políticas sociais de modo geral, sobretudo na redução drástica do Bolsa Família.

Com o agravante de que todas as regiões tiveram os indicadores de pobreza piorados. Note que o Nordeste, que foi a região que mais cresceu nos governos Lula e Dilma é, em decorrência, o que mais sofre com a perda de trabalho e renda.

A concentração de pobreza aqui, ano passado, foi da ordem de 55% da população extremamente pobre de todo o País. Pernambuco e Bahia concentram o maior contingente: 8,1 milhões de pessoas com renda per capita abaixo de R$136 reais.

Você é capaz de viver com 136 reais por mês? E com 86 reais da cota do Bolsa Família, por criança abaixo dos 16 anos em frequência da escola, hein?

E é com essa miséria, que faz a diferença entre comer e dormir com a barriga roncando de fome, que os governos petistas jogaram dinheiro fora, não é…

Os milhões que saíram da pobreza, ganharam um mínimo de dignidade, estão voltando para lá, paulatinamente.

É muita tristeza para quem consegue olhar além do próprio umbigo.

Imagina como é para Lula, ora crucificado e tolhido em sua liberdade por ter se empenhado neste caminho.

 

O instituto humano do HC não serve para petista, só para tucano e que tais. Também ao Palocci foi negado esta semana.

E para fechar a tranca, mandaram conduzir coercitivamente o ex-prefeito de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, Gilmar Machado (PT), junto com o ex-presidente do Ipremu, o instituto de previdência municipal, motivo alegado para o inquérito.

Segue o rito: primeiro prende e arrebenta a imagem e o psicológico da pessoa, depois investiga.

Mas só quando vem ao caso.

Enquanto isso, o picolé de chuchu, que atende pelo nome de Geraldo Alckmin e governou São Paulo por sete anos, segue incólume, rumo ao meio de campo eleitoral. Dinheiro para caixa tucano não é corrupção, é contribuição de campanha. Palavra de procurador.

Lula está preso, e quiçá impedido de disputar. Quem sabe  desta vez ele consegue não derreter.

Ah, ia me esquecendo do AhÉCim!, o perna de pau que sempre se achou dono da bola. Pois foi bater no Hospital de Base em Brasília nesta quinta, tamanha ansiedade. Já sabe que sua bola furou e não pode esperar bom resultado no jogo do STF semana que vem.

Ocorre que a Lava Jato, que lá se incorpora no ministro Luiz Fachin, tem que fazer parecer que o pau que fura a bola de Chico, também fura a de Francisco.

A ver.

PS da madrugada:  O Xadrez do passaralho tucano, do Luis Nassif, sobre os episódios ao pé da postagem está imperdível.

 

 

 

 

 

 


Um comentário sobre “Lula, a família, as cartas na prisão, o acampamento; mas a pobreza voltou…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s