Em dia de fúria, delegado da PF quebra o som da Vigília Lula Livre

Vigília Lula Livre e Acampamento Marisa Letícia resistem, mesmo sob violência – Foto: Givran Mendes
por Sulamita Esteliam

Quando a gente acha que pode estar se aproximando um tempo de mínima civilidade, dentro do clima grave de exceção que vive o Brasil, eis que um delegado de miolo mole diz que não.

O cenário, é claro, é a Curitiba do tribunal da Lava Jato. Que ontem liberou a visita de um casal amigo do ex-presidente Lula, hóspede da carceragem da Polícia Federal, e na segunda permitirá a visita antes proibida de Leonardo Boff.

É como se, de repente, baixasse uma voz de bom senso: pisa, mas pisa mais devagar…

Então, nesta sexta, um rapaz  curitibano infiltra-se entre acampados e manifestantes no Bom-Dia, Lula! e, sem mais nem por quê, quebra o equipamento de som da Vigília Lula Livre.

Isso mesmo! Só não fez pior, e não levou uma lição na medida, porque foi contido pela segurança da própria vigília.

Os manifestantes foram pegos de surpresa, e não fizeram imagens do ataque. Há gravações, entretanto, do depois, quando, não contente, o homem continuou a rondar a vigília, embora timidamente contido por policiais militares.

A Revista Fórum publica com exclusividade essas imagens, como também do boletim de ocorrências registrado sobre o ataque, que o A Tal Mineira reproduz:

O mais grave é que o fulano, que atende pelo nome de Gastão Schefer Neto, é delegado da Polícia Federal, já presidiu a associação de  policiais e foi candidato a deputado federal pelo PR.

 

Um sujeito que carrega uma insígnia da polícia que já foi a mais respeitada do País. Um policial que comanda outros policiais comporta-se como moleque de rua, dado a quebra-quebras, um vândalo. Pior, um moleque armado.

Os federais e os partidos da direita andam ruins de escolhas, francamente! Ainda bem que ele foi reprovado nas urnas, e parece que não apenas.

Interessa, mas não é o essencial, que o cara tenha sido reprovado duas vezes no psicotécnico e que tenha ascendido ao posto via medida judicial. É possível que testes psicológicos falhem.

O que importa é que a responsabilidade da atitude dele é da instituição pública da qual faz parte. Se é um desajustado, não pode exercer a função para a qual foi selecionado e designado – e vou deixar assim, com todas as rimas cacófonas.

Vamos convir, a pior cacofonia é a injustiça.

Clique para ler as últimas notícias relacionadas ao encarceramento político de Lula e dos movimentos pela sua libertação, e que você não lê na mídia venal.

Transcrevo a nota da Vigília #LulaLivre em repúdio ao ataque:

A vigília Lula livre, que realizava pacificamente o ato de Bom Dia ao presidente Lula, foi atacada mais uma vez na manhã desta sexta (4), desta vez por um delegado da Polícia Federal, identificado como Gastão Schefer Neto.

Ele aproximou-se aos berros da esquina democrática Olga Benário, ameaçando a todos e todas que ali estavam. Na sequência, quebrou o equipamento de som utilizado nos atos. Neto foi conduzido e ouvido pela Polícia Militar depois de continuar tentando intimidar os militantes, registrando seus rostos com um telefone celular.

Independentemente das sanções penais cabíveis pela agressão praticada pelo delegado Gastão Schefer, a Polícia Federal tem a obrigação de tomar as medidas disciplinares em relação ao seu delegado que agrediu manifestantes pacíficos. Do contrário, a instituição se tornará cúmplice de mais este atentado.

Graças à atuação dos militantes que voluntariamente cuidam da segurança da esquina Olga Benário, Neto foi contido sem que nada de mais grave acontecesse com sua integridade física ou da dos presentes.

A deputada federal Ana Perugini (PT-SP) e a deputada estadual Márcia Lia (PT-SP), que testemunharam toda a ação, estiveram com a Superintendência e a Corregedoria imediatamente após o ocorrido. A deputada estadual Rosangela Zeidan (PT-RJ) também estava no ato no momento. Será registrado ainda um Boletim de Ocorrência. As lideranças dos movimentos e dos partidos tomarão todas as medidas legais cabíveis.

Trata-se do segundo ataque envolvendo agentes da Polícia Federal contra a vigília, quase um mês depois de manifestantes terem sido agredidos com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo na chegada do presidente Lula ao prédio da Superintendência da Polícia Federal, onde é mantido desde então como preso político.

Os movimentos e partidos presentes na Vigília Lula Livre ressaltam que estão legalmente ocupando as ruas nas imediações do prédio da Polícia Federal e cumprindo todas as cláusulas do acordo firmado com as autoridades para garantir o direito constitucional à livre manifestação. Além disso, todas as medidas de organização e civilidade são tomadas para garantir a boa convivência com os moradores do bairro Santa Cândida e minimizar os contratempos causados pelo grande trânsito de pessoas no entorno.

A vigília Lula livre espera o cumprimento por parte das autoridades do compromisso de garantir a segurança de todos e todas e a pronta investigação dos ataques verbais e físicos contra as pessoas que por aqui transitam ou acampam.

Atos de violência ou intolerância não irão nos calar. Aqui seguiremos até a soltura do presidente Lula da prisão injusta, dando continuidade a um projeto de um país para todos e todas.

Lula Inocente!
Lula Livre

Curitiba, 4 de maio de 2018
Vigília Lula Livre

 


Um comentário sobre “Em dia de fúria, delegado da PF quebra o som da Vigília Lula Livre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s