Quem é que paga por Marielles, Cancelliers, Marisas, Lulas e Amaros…?

por Sulamita Esteliam

Sabemos quem matou o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier. Ele foi levado ao suicídio pelas acusações, prisão e humilhações que lhe foram impostas pela Polícia Federal, Ministério Púbico e sistema prisional, com o auxílio luxuoso da Justiça inquisitória de seu estado.

Pois o advogado Samuel Gomes, no Twitter, o intima a ressuscitar-se. A PF acaba de chegar à conclusão que não há nada nas investigações sobre irregularidades em gestões anteriores à sua administração que o envolva no processo.

Humor um tanto cáustico, mas que traduz à perfeição o teatro do absurdo em que se tornou este País, sistema de justiça incluído.

Quem é que vai pagar pela vida de Cancellier, pela vida de Marisa Letícia e de tantos outros?

Troa em meus ouvidos o desabafo marrento, mas não desprovido de razão, de um jovem convidado, dentre vários, a falar sobre a experiência de comunicação na periferia no #6BlogProg, fim de maio em São Paulo.

“Temos milhões de Lulas presos injustamente todos os dias. Quem vai gritar pela liberdade deles!?”. 

Éeeeé… a vida é dura, vestida de chita.

A tragédia central é que a reputação e a vida das pessoas vale menos que um aparição de 30 segundos no Jornal Nacional. Se é assim com um ex-presidente da República que tornou possível jovens da periferia se tornarem senhores de si, imagina com os milhões de Lulinhas sem eira nem beira…

Agora, nesta quinta-feira, 90 dias após a perda da vereadora pelo PSol do Rio de Janeiro e do motorista Anderson Gomes, há uma pergunta que não quer calar: quem matou Marielle Franco e Anderson?

E quando vão soltar Padre Amaro, preso injustamente desde 27 de março de 2018? Clique para conhecer a campanha da CPT Queremos Padre Amaro Livre!

E quem vai pagar pelo genocídio do povo jovem e negro deste Pindorama atolado no abismo?

Quando teremos nosso Brasil de volta, nem que seja para recomeçar?

*******

Fecho a semana com a agenda tomada por compromissos com minha saúde, e em falta por ter pulado a postagem da quinta-feira. É no que dar ter um blogue doméstico, como ironizou certo coleguinha paulista, à guiza de gentileza.

Assim, em rápida passagem em casa, compartilho a reportagem de Eliane Alves Cruz, do The Intercept Brasil. a nos lembrar que a tragédia é muito maior do que suspeitamos. Além de Marielle, pelo menos 23 prefeitos e vereadores foram assassinados no País de 2017 a março deste ano, quando a vereadora e seu motorista foram executados.

por Eliana Alves Cruz – no The Intercept Brasil

EXERCER UM MANDATO no Brasil pode ser, literalmente, fatal. O dia 14 de junho marca os 90 dias do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes sem que nenhuma conclusão tenha vindo a público sobre o caso. Seus assassinos continuam ignorados embora o assombro com a forma brutal do crime tenha comovido o mundo. Segundo dados da União de Vereadores do Brasil (UVB), pelo menos 23 prefeitos e vereadores foram assassinados no país entre 2017 e março deste ano, mês da morte de Marielle.

Presença do crime organizado, disputas por terra, conflitos entre elites e questões da dinâmica de cada localidade dão conta do que muita gente já sabia, mas que é sempre chocante constatar: o nosso total despreparo para a democracia. A “solução final” parece ser sempre a opção mais prática quando os interesses são contrariados, e a banalização do sangue derramado parece poupar apenas aqueles que fazem parte de uma casta protegida pelas benesses de um Estado excludente.

Passados três meses do desaparecimento da vereadora carioca, familiares, amigos, partidários e uma parcela significativa da população assiste perplexa ao ataque contínuo a toda e qualquer liderança que erga a voz para defesa de direitos dos que historicamente são massacrados.

Assim como o Estadão, na ocasião da morte de Marielle, em março deste ano, diversos portais de notícias se debruçaram sobre sua própria produção e chegaram a números assustadores no mandato de 2017-2018, com cerca de 40 mortes de vereadores, prefeitos e ex-prefeitos. Este número aumenta se forem incluídos suplentes, vice-prefeitos, parentes etc.

Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizado pelos cientistas políticos Felipe Borba e Ary Aguiar, indica que de 2008 para cá 79 candidatos foram mortos durante o período eleitoral: foram mortos 63 candidatos a vereador, seis candidatos à prefeitura, três à vice, quatro candidatos a deputado estadual e três a federal. O Estado com maior número de assassinatos foi o Rio de Janeiro, com 13 vítimas. Como estamos em pleno período eleitoral, qual será a estatística produzida ao final das apurações de outubro deste ano?

Não apenas as bandeiras levantadas por Marielle Franco eram urgentes – sua simples existência era particularmente explosiva.

A vereadora nascida na Maré está incluída em outra estatística perversa: a de morte de mulheres negras. Segundo o Datasus, as negras foram 62,8% do total de mulheres mortas por agressões em 2015. Em 2006, elas eram 44%. As negras também foram maioria entre as mulheres mortas por ação violenta de agentes do Estado: 52% eram pardas e pretas contra 31% de brancas. O sexismo é um mal que se agrava muito quando é somado ao racismo. Não apenas as bandeiras levantadas por Marielle Franco eram urgentes – sua simples existência era particularmente explosiva.

Marielle exercia seu mandato alicerçada e respaldada por uma comunidade carente de lideranças nos espaços formais de poder. É de se esperar que uma mulher negra, lésbica, que não tinha medo de mexer na “casa de marimbondos” que se transformou a questão de segurança pública no Brasil, de um modo geral, e no Rio, em particular, seja um obstáculo para os que sempre dominaram determinados setores da sociedade.

O que nenhum de seus eleitores nem nos piores pesadelos imaginou é que ela tivesse a cabeça alvejada por sete tiros sem qualquer disfarce, em uma via movimentada da zona norte carioca. E que 90 dias depois, camisetas estejam sendo vendidas com seu rosto, mas não se tenha nenhuma notícia de seus assassinos.

Pela alegria e entusiasmo com que exercia seu mandato, Marielle não queria ser mártir de nada. Ela queria fazer parte de um novo tempo na política brasileira. Aquele em que representatividade importa… e vidas também.

Prefeitos e vereadores mortos de 2017 a março de 2018

2017

Alexandro Pereira da Silva, vereador de Santa Helena de Minas (MG)

Francisco Vicente de Souza, prefeito Candeias do Jamari (RO)

Antônio Marcos dos Santos, vereador de Santo Antônio do Monte (MG)

Paulo Chaves Marinho, vereador de Rio Maria (PA)

Diego Kolling, prefeito de Breu Branco (PA)

Jones William, prefeito de Tucuruí (PA)

Manoel Francisco Soares Almeida , vereador em Pau d’Arco (PA)

Adelmo Rodrigues de Melo, vereador em Batalha (AL)

Fabiano de Freitas Figueiredo, vereador de Guará (SP)

Tony Pretinho, vereador em Batalha (AL)

Esvandir Antônio Mendes, prefeito de Colniza (MT)

Kedson Rodrigues, vereador de Governador Nunes Freire (MA)

Jailton Martins de Carvalho, vereador de Carira (SE)

Wilson Portilho da Cunha, vereador licenciado de Goianésia (GO)

Jucely Alves Arrais, vereadora de Aiuaba (CE)

Ademir Carlos Patel, vereador de Brunópolis (SC)

José Roberto Cavalcante, vereador de Tomé-Açú (PA)

Nerivan de Oliveira Silva, vereador de Craíbas (AL)

Miguel Sampaio Soares, vereador de Anajatuba (MA)

2018

Jorge Cunha, vereador de Apicum-Açu (MA)

Elton Alexandre de Aguiar Matta, vereador de Barra do Jacaré (PR)

Miguel Calixto, vereador de Barra do Jacaré (PR)

Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro (RJ)

José Célio Soares da Silva, vereador de Palmeirina/PE

Fonte: União de Vereadores do Brasil (UVB)

Foto em destaque: Lambe-lambe em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco, na escadaria da Rua Cristiano Viana, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s