Dois anos depois, a pergunta que não pode calar: quem mandou matar Marielle e Anderson?

A janela do apartamento que habito com o maridão vai amanhecer com uma regata amarela, franjada de vermelho no decote, É um improviso, mas sei que Marielle e Anderson recebem a homenagem.

Decidi atender ao apelo e transformar nosso canto em um dos 731 pontos no mundo inteiro, inscritos no sítio do Instituto Marielle Franco, a exigir justiça. É o mínimo frente aos dois anos de impunidade neste sábado, 14 de março.

São 731 dias e até agora não se sabe quem mandou matá-la. E quem sabia, com certeza, o miliciano Adriano Nóbrega, foi executado, também. A ordem da execução da vereadora do Rio de Janeiro pelo PSol não poupou companhias, e o motorista Anderson Gomes foi junto. A assessora que escapou nasceu de novo.

E com direito a plateia. Meus botões não se cansam de apostar quem era a terceira pessoa, no banco traseiro, no carro dos executores. Aliás, tomou chá de sumiço por bom tempo a criatura!

As manifestações previstas para este sábado em todo o Brasil em em homenagem a Marielle e Anderson e em protesto contra a impunidade foram canceladas em sua maioria. Questão de bom senso.

Em tempo de coronavírus a todo vapor, inclusive na Presidência da República, e com o previsível aumento exponencial de demanda na rede pública de saúde, já capenga, há que prevalecer a racionalidade.

A família e o Instituto Marielle Franco dão o exemplo de coerência com o ideário de quem os inspira, cancelando o ato principal no Rio de Janeiro, e exortando novas ações sem risco para este #14M. Você pode se inscrever também.

No Comunicado postado no sítio eletrônico, lembra que “o número de pessoas contaminadas com o vírus nos próximos dias deve ser muito maior que o número de leitos disponíveis”Clique e você terá a íntegra.

“Isso quer dizer que serão as pessoas mais pobres, em geral mulheres, pessoas negras e moradoras de favelas e periferias, que mais estarão vulneráveis ao vírus que ainda não tem vacina.

Marielle passou a sua vida lutando para defender a vida de todas as pessoas, principalmente dessas pessoas que não têm os seus direitos garantidos.”

Bom senso e coerência são raridades, vamos convir.

Vou dar um break no tricô, feito a bolsa, pois tem um vídeo-poema gritando por espaço. Homenagem da Trupe do Filme e de Lelê Teles – jornalista e roteirista – em conjunto com parlamentares do campo da esquerda. Está lindo, e emocionante

Caturei no Youtube do Instituto Marielle Franco, a partir de postagem da Maria Frô no Intagram.

 

Homenagem feita pela Trupe do Filme e Lelê Teles em conjunto com parlamentares

por Lelê Teles

“Uma criança que passa a caminho da escola e vê o rosto daquela mulher estampado no muro,                                                           Com aqueles cachos bonitos, aquela tiara e aquele sorriso                                                                                                                Percebe, imediatamente, o quanto lutar é preciso

Marielle é a chama ardente que mantem nossos corações aquecidos

Não, nunca nos calarão                                                                                                                                                                     Tentaram silencia-la e só amplificaram a sua voz                                                                                                                                  Marielle é essa força teimosa que grita                                                                                                                                                  Dentro de cada um cada de nós

Os punhos sempre erguidos                                                                                                                                                                            Mas nunca com rancor ou amargura                                                                                                                                                  Marielle provou que é preciso endurecer, sem nunca perder a ternura

Numa praça                                                                                                                                                                                              Com nome de Marielle                                                                                                                                                                                    No meio de uma cidade ou numa favela                                                                                                                                                      Não tem somente bancos, arvores e aves                                                                                                                                                  Tem uma forca gigante pulsando nela

Houve um tempo que, na politica, imperava uma força centrifuga                                                                                                              Do centro para a periferia                                                                                                                                                                            Com Marielle isso mudou, e não é só coisa de momento,                                                                                                                              A força agora é centrípeta Parte da periferia para o centro

Um momento,                                                                                                                                                                                                Há uma rua com o nome Marielle                                                                                                                                                                  Sim, uma rua, não é um atalho                                                                                                                                                                    Por ali passam pedestres, clamores, lamentos…                                                                                                                                            O homem que assovia indo para o trabalho                                                                                                                                              Uma mulher alada passa, como uma pássara que pensa e pulsa                                                                                                            Passa um vento que ventila ideias                                                                                                                                                                  a escola que samba passa em protesto                                                                                                                                                passam mulheres erguendo cartazes em manifesto

passa amor, passa paixão,                                                                                                                                                                    passam manos, minas, monas                                                                                                                                                                passa alegria, passa carinho                                                                                                                                                                            só não passam os que nos atravancam o caminho                                                                                                                                        esses nunca passarão.”

*******

PS: a forma do poema não obedece ao original. Coisas do automático, que não alteram o conteúdo; e até gostei do movimento!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s