O Amapá é aqui… excrescência em estado puro

“AQUI O CENÁRIO É DE GUERRA: O Amapá em protesto por água e energia. O Amapá é banhado pelo maior rio de água doce do mundo, Rio Amazonas. E não temos água potável. O Amapá tem 5 hidroelétricas que fornecem energia para outros estados. O Amapá com uma energia absurdamente cara e não temos para-raios. O Amapá localizado exatamente no meio do mundo e somos tratados como se fossemos o fim do mundo. Eu não tenho mais palavras. ”
Elton Sandokan Ribeiro, no Facebook

por Sulamita Esteliam

O desabafo de Sandokan, um subtenente da Polícia Militar do Amapá, no Facebook, dá a medida da excrescência, da indignidade a que está submetida a população do estado do Norte do Brasil.

Desde a terça-feira, 3 de novembro, 700 dos 800 mil habitantes da capital Macapá e mais 12 municípios dos 16 que formam o estado estão sem energia elétrica, e tudo o mais que dela depende para funcionar, a começar pela água.

Isso em plena pandemia de coronavírus. Sem luz, sem água, sem telefonia, internet, comunicação com o mundo. Sem comida, sem direito à vida.

A Eletrobras, a estatal a que pertencia ao sistema, foi chamada a fazer o que a Isolux, empresa espanhola que herdou a substação que serve ao Amapá na privatização destrambelhada do sistema elétrico, não tem competência para fazer.

No domingo, iniciou-se um sistema de rodízio para restabelecer o fornecimento de energia, mas ele atende, preferencialmente, os bairros mais centrais de Macapá. 

Por exemplo, o bairro Trem, recebe energia de seis ao meio dia e de seis da tarde à meia noite. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre é morador do bairro, mas deve ser coincidência.

Na periferia, nadica. A CEA admite ao Estadão que a diferença de tratamento existe, mas se explica pelo fato de que os hospitais estão na região central. Ah, tá!

Os moradores estão nas ruas. Usam o fogo para bloquear as estradas em protesto contra o descaso. 

E a polícia, a PM do mesmo Sankokan indignado, entra em ação, e ele próprio justifica em sua postagem de fotos, “porque é preciso manter a ordem”; de arma em punho contra o direito de reivindicar cidadania.

O fogo, o elemento que desencandeou o  apagão é a arma do protesto, além da desesperança na tal ordem estabelecida.

Resumo da ópera, bufa e trágica: um dos três transformadores que deveriam manter o abastecimento  de energia se incendiou e explodiu; o outro foi avariado e o reserva está fora de combate há seis meses.

Palavra do senador Randolfe Rodrigues (Rede), que é da terra, mas lá não mora mais, vive no Rio. Lançou um apelo dramático ainda na terça-feira para que as autoridades locais e federais tomassem providências. 

A palavra é negligência, e das graves por parte da Isolux. Tem razão o senador.

É nisso que dá privatizar o patrimônio público, entregue, sempre, a preço de banana. O capital fica com o bônus e o povo com o ônus.

O poder público, que deveria ao menos fiscalizar, não está nem azul, como diria minha mãe encantada.

O Ministério das Minas e Energia falou em 10 dias para botar ordem na casa, com boa vontade. Como se vê, o descaso é a régua.

Junto com o deputado-representante da terra, João Capiberibe (PSB),  o senador Randolfe também acionou a Justiça.

A Federal fixou prazo de três dias, a contar desta segunda, para restabelecimento da energia, sob pena de multa de R$ 15 milhões ao dia à Isolux. 

A ver no que vai resultar. Mas o outro nome disso é excrescência, e também indignidade.

Em tempo: o irmão de Alcolumbre, Josiel Alcolumbre, é candidato a prefeito de Macapá pelo DEM. A intenção do senador em amaciar a cama para 2022 fica um tantinho mais difícil. 

*******

Fontes, além das citadas:

  • Agência CUT

Apagão no Amapá é culpa de empresa privada, mas conserto é feito pela Eletrobrás

  • Revista Fórum

Rodízio de energia no Amapá chega ao bairro de Alcolumbre, mas deixa periferia no escuro

  • Gazeta do Povo

Com candidatura do irmão em Macapá, Davi Alcolumbre busca ampliar influência em 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s